Destaque em Serasa

Atualizações anteriores



Consultar Nome no Serasa Experian pelo Computador


Saiba aqui como consultar o nome no Serasa Experian pelo Computador.

A vida contemporânea está repleta de tarefas, compromissos, contas, enfim, uma série de deveres a serem cumpridos. Nem sempre há tempo para realizar tudo que é preciso num só dia. Entretanto, novos meios de comunicação facilitam a vida na entrada do século XXI. Uma das maiores preocupações é a verificação do score na Serasa Experian, que hoje pode ser acessado por meio de computadores ou celular. Este é um serviço oferecido gratuitamente, que revela ao usuário o seu grau de pontuação na medida em que a análise do crédito é realizada. Trata-se de um instrumento muito útil para todas as pessoas interessadas em organizar suas contas e realizar um empréstimo ou mesmo financiamento. É uma questão de responsabilidade, pois o indivíduo precisa calcular com precisão tudo o que pode e o que não pode gastar.

Assim, o Serasa Score consiste em um serviço de atendimento público promovido pela Serasa Experian, que dá acesso a consultas gratuitas sobre o grau de pontuação – em inglês o termo é score – e na situação de crédito. O gráfico demonstra uma escala desde zero até mil, em que o usuário tem a chance de conhecer o modo de proceder de outras pessoas, cujos perfis podem assemelhar-se a muitos outros, abrangendo certo padrão, tornando-se possível conhecer melhor as probabilidades de determinado grupo ter ou não um compromisso firme e responsável com as contas.

Para um usuário, é sempre de grande importância poder conhecer seu score, já que o mesmo é frequentemente acessado pelos bancos, pelas financeiras e pelas empresas, ou seja, todas as instituições financeiras, em geral, realizam consultas prévias antes de permitir o crédito, procedendo da mesma maneira em empréstimos. Para facilitar a vida das pessoas e auxiliar na organização das contas, elaboramos aqui um pequeno tutorial orientando o acesso ao Serasa Score garantindo uma consulta clara, eficiente e grátis de pontuação exata.

O passo a passo é o seguinte:

Em primeiro lugar, acessar a página do Serasa Score, depois acessar o link "Consultar agora grátis", para iniciar o processo;

A seguir, o usuário deve acessar a tela do login, utilizando as credenciais que possui, do Serasa-Consumidor, para ser possível entrar no serviço. Caso o usuário não possua um cadastro registrado nesse serviço, o mesmo precisa acessar o link: "Cadastre-se", sendo que poderá, assim, preferir selecionar outras duas opções: "Entrar pelo Facebook" ou "Entrar pelo Google", para ser possível elaborar um login, utilizando qualquer uma das duas redes sociais disponíveis.

O terceiro passo consiste em o usuário utilizar ou a conta do Facebook ou a conta do Google para produzir o login de acesso, no sentido de autorizar o serviço e permitir o acesso às informações cadastrais necessárias para o esclarecimento da situação;

O quarto passo consiste no preenchimento dos dados pessoais do usuário, tais como: o CPF (Cadastro de Pessoa Física); o nome; a data de nascimento; o nome da mãe e o e-mail. Em seguida, o internauta deve clicar em, aceitar os termos de uso. Finalmente, para concluir o cadastro, o usuário acessa o link clicando em: "Cadastrar grátis";

O quinto e último passo é testar o cadastro realizando o login, por meio de suas credenciais já devidamente registradas, sendo que o serviço calcula automaticamente o score do usuário, demonstrando todas as informações necessárias na tela, assim como rastreia todas as estatísticas que correspondem à pontuação do mesmo internauta.

Portanto, a Serasa não apenas exibe as informações e o histórico do usuário, mas também fornece orientações sobre os caminhos a fazer para melhorar a pontuação nos créditos.

Paulo Henrique dos Santos



Serasa realiza novo feirão para o consumidor limpar o nome


Super Feirão Limpa Nome da Serasa será realizado de 28 de abril a 2 de maio

Quem está com o nome na Serasa poderá participar, a partir da semana do dia 28 de abril de 2015, de um evento para limpar o nome em mais um feirão promovido pela entidade.

O Super Feirão Limpa Nome da Serasa oferecerá alguns acordos e descontos para aqueles que querem quitar dívidas e voltar a ficar em dia com o sistema. Além da feira presencial, também será possível se reorganizar financeiramente de modo online. Assim, para quem prefere participar da feira via internet, é preciso entrar no site do evento e realizar um cadastro. Dessa forma, o candidato será, automaticamente, redirecionado a uma página que será composta pelo nome de todas as empresas que participam deste evento e que ele possua alguma dívida ativa.

Para fazer a negociação, basta clicar no nome da empresa que serão mostradas todas as dívidas ativas do cidadão, além de telefones, e-mail e chats para poder realizar valores. Já a feira presencial será realizada na cidade de São Paulo no CEU Caminho do Mar, no bairro Jabaquara. O evento inicia às 8h e termina às 18h.

A Serasa orienta, ainda, que quem quer negociar suas dívidas, deve se planejar antes, ou seja, saber se será realmente possível assumir o pagamento.

Durante o feirão presencial também estará disponível o acesso a vagas de emprego e de orientação jurídica. Também será possível realizar a emissão da carteira de trabalho, inscrição em alguns cursos profissionalizantes e informações sobre o seguro desemprego.

O Feirão Limpa Nome iniciará no próximo dia 28 de abril e terminará no dia 2 de maio de 2015. O endereço do CEU é na Avenida Engenheiro Armando de Arruda Pereira, 5.241, Vila do Encontro, em São Paulo. Se caso tiver interesse em participar, não esqueça de levar o documento de identidade e o CPF.

Por Andréa Corneli Ortis

Feirão Limpa Nome da Serasa



Serasa – Inadimplência do consumidor – Crescimento em janeiro de 2011


O poderio econômico do consumidor aumentou no decorrer de 2010, último ano de gestão do segundo mandato do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. As oportunidades de emprego também cresceram, assim como também avançou o consumo. O resultado final, que agregou outros fatores, foi expansão do Produto Interno Bruto (PIB) em 7,5% no período, índice insustentável para 2011 em diante, segundo alguns especialistas.

Os primeiros efeitos gerados pelas novas medidas adotadas pelo governo já podem ser sentidos, tanto que o Indicador Serasa Experian de Perspectiva de Inadimplência do Consumidor registrou crescimento de 2,1% em janeiro sobre dezembro de 2010, a sexta alta seguida, para 95,4 pontos.

De acordo com a Serasa, essa nova elevação ilustra que a inadimplência deve sofrer modificação, ainda neste semestre, em relação à tendência emplacada pelo indicador em 2009, período em que a inadimplência começou a registrar baixas em seus índices. Esse ano, por sinal e para efeito recordativo, marcou a “saída” do Brasil da crise financeira global.

Economistas da Serasa distinguem que as medidas de aperto do crédito adotadas pelo Banco Central (BC), bem como o atual ciclo de aumento da Selic, a taxa básica de juros da economia, devem causar maiores dificuldades no orçamento mensal dos lares brasileiros.

Por Luiz Felipe T. Erdei

Fonte: Serasa Experian



Serasa – Cheques Devolvidos apresentaram Queda em 2010


Dados divulgados no dia 18 de janeiro pela Serasa Experian assinalaram que no ano passado, 1,76% dos cheques emitidos em todo o Brasil foram devolvidos, o menor índice constatado desde 2004, ocasião em que o percentual registrado chegou a 1,58%.

De acordo com o Indicador de Cheques Sem Fundos da instituição, em dezembro o índice bateu na casa de 1,72%, ante 1,87% diagnosticado no mês igual de 2009. No comparativo mensal em relação a novembro, o volume de cheques devolvidos abraçou percentagem de 1,68%.

Economistas da Serasa avaliam que o recuo constatado na devolução de cheques no acumulado do ano passado em detrimento aos períodos anteriores é consequência da disposição dos consumidores optarem por financiamentos com maior tempo de parcelamento, além do aumento no uso do cartão de crédito.

Devido às dívidas adquiridas no final do ano passado, bem como em virtude do pagamento de impostos de início de ano, o volume de cheques devolvidos, causando assim inadimplência, poderá avançar.

Por Luiz Felipe T. Erdei



Serasa – Indicador da Qualidade de Crédito do consumidor de baixa renda – 4º Trimestre de 2010


Estudo listado pela Serasa Experian revela que somente os consumidores de baixa renda apreciaram a qualidade de crédito no 4º trimestre do ano passado. Segundo o Indicador da Qualidade de Crédito da instituição, nesse período o índice verificado chegou a 80 pontos, mesmo nível verificado entre julho e setembro.

O indicador, medido numa escala entre 0 e 100 pontos, assinala que quanto maior é a constatação, menor é a possibilidade de inadimplência caso o consumidor recorra ao crédito. Com esse resultado denotam-se dois pontos distintos. Embora tenha ocorrido aumento da inadimplência recentemente, o crescimento nos índices de emprego e o incremento da remuneração do trabalhador asseguraram maior aptidão de absorção de endividamento.

Os cidadãos com ganhos de até R$ 500 mensais contraíram alta de 0,2% na qualidade de crédito entre o 3º e 4º trimestres. Os demais rendimentos, por outro lado, ou registraram queda, ou sinalizaram estabilidade na mesma base de comparação. Mesmo assim, a faixa de renda mais baixa é a que menos possui qualidade de crédito, de 75,6 pontos, contra 93,5 pontos da população com ganhos superiores a R$ 10 mil.

Por Luiz Felipe T. Erdei



Serasa – Dívidas com Cheques sem Fundo e Cartões de Crédito – Crescimento em 2010


Informações levantadas pelo Indicador Serasa Experian de Inadimplência do Consumidor carimbaram que o valor médio dos débitos dos brasileiros com cheques sem fundos progrediu 22,9% entre janeiro e dezembro do ano passado em comparação ao período igual de 2009.

No ano retrasado, o valor médio dos débitos abraçou montante de R$ 1.020,76, pulando para R$ 1.254,44 em 2010. Na mesma base comparativa, de acordo com o portal de Economia UOL, a importância média das dívidas ascendeu 6,8% se relacionados títulos protestados, para R$ 1.183,09, contra R$ 1.107,78 de antes.

A Serasa assinala que o valor médio em dívidas no cartão de crédito avançou 4% em 2010 em relação a 2009. No período anterior atingiu exatos R$ 375,29, no seguinte R$ 390,24. Por outro lado, os débitos com as instituições bancárias recuaram 3% (R$ 1.353,22 em 2009 para R$ 1.311,97 em 2010).

Por Luiz Felipe T. Erdei



Consumidores – Inadimplência apresentou Alta em 2010


A confiança do consumidor brasileiro se mantém bem nos primeiros dias deste ano, embora estudos mais precisos ainda devam ser divulgados no transcorrer do mês. Em 2010, a economia do país experimentou bons resultados, refletidos, deste modo, nos índices do Produto Interno Bruto (PIB) e de outros mais. Em contrapartida, a inadimplência figura para atravancar um pouco a vida das famílias.

Release divulgado pela Serasa Experian revela que no ano passado a inadimplência do consumidor avançou 6,3% em confronto a 2009. O levantamento ressalta que o índice foi maior, inclusive, que aquele constatado durante o colapso financeiro global recente, uma vez que a taxa constatada fora de 5,9% no ano retrasado em comparação a 2008.

A alta foi ainda mais evidente no confronto anual entre dezembro de 2009 e 2010. A Serasa indica variação de 20,9%. No comparativo sobre novembro do ano passado, entretanto, o progresso foi de 1,1%.

Economistas da entidade sugerem que os resultados refletem o maior endividamento do cidadão, sobretudo no primeiro trimestre de 2010, quando a economia foi estimulada por meio de uma série de medidas de combate à crise mundial. É possível citar, também, os níveis mais brandos de desemprego, o acesso ao crédito e o aumento da massa salarial.

Por Luiz Felipe T. Erdei



Busca por Crédito – Serasa indica Crescimento em 2010


Dados enunciados na segunda-feira, dia 10 de janeiro, pela Serasa Experian revelam que o índice de consumidores que buscaram crédito avançou 16,4% no ano passado perante 2009. Somente no mês de dezembro, assoalha a instituição, a procura aumentou 19,7% no confronto anual e 1,5% em comparação a novembro de 2010.

A Serasa indica ser esse o melhor percentual já contabilizado desde 2008, ocasião em que houve incremento de 6,4% em comparação a 2007. Em 2009, devido aos efeitos do colapso financeiro global, ocorreu arrefecimento de 1,2%.

Os consumidores de baixa renda (rendimento abaixo de R$ 500) foram os principais responsáveis pela alta – nessa camada chegou a 46,3%. Na verdade, conforme relacionado em release da Serasa divulgado pelo portal Maxpress, a ampliação da demanda do consumidor por crédito no ano passado foi estimulada pela conjuntura favorável às pessoas físicas, bem como pelo patamar elevado de confiança da população e o bom cenário do emprego em todo o país.

Exercendo fator contrário, as medidas abarcadas pelo Banco Central (BC) recentemente e a probabilidade de avanço nas taxas de juros nos próximos meses poderão diminuir o nível de crescimento do crédito ao consumidor.

Por Luiz Felipe T. Erdei



Setor Varejista – Crescimento nas Vendas em Dezembro de 2010


Em convergência com o otimismo do consumidor e com o Produto Interno Bruto (PIB) – estimado por especialistas e pelo Banco Central em 7,61% para 2010 – a atividade varejista do país conseguiu, no ano passado, avanço de 10,3% em comparação a 2009. Em dezembro, segundo o portal Terra, o índice cresceu 2,9% sobre seu mês imediatamente anterior.

Segundo a Serasa Experian, fonte da informação, o último mês do ano passado contraiu expansão de 12,8% no confronto anual, conquistando, desta forma, o segundo melhor índice para o período em uma década.

A entidade indica que o principal fator para a alta decorreu da expansão abalizada pelo segmento de materiais de construção, que saltou 17% em 2010 ante 2009. Vale ressaltar que esse mesmo setor conquistou a continuidade da exoneração do Imposto sobre Produtos Industrializados para até o último dia de 2011.

Dois outros ramos com bom resultado em 2010 foram informática e eletroeletrônicos (crescimento de 14,9%) e motos, veículos e peças (incremento de 10,9%). Mesmo assim, economistas da Serasa preveem ritmo mais ameno de expansão da atividade do comércio em virtude das regras fixadas pelo Banco Central em dezembro passado e concernentes ao crédito.

Por Luiz Felipe T. Erdei



Serasa – Cheques Sem Fundos – Inadimplência aumentou em Novembro de 2010


Em menor uso, vários estabelecimentos comerciais ainda aceitam cheques, porém são pouco bem vistos em postos de gasolinas, padarias de grande porte e restaurantes. Existem lojas que oferecem parcelamento em inúmeras vezes nessa modalidade, enquanto a cartões de crédito, em alguns casos, apenas à vista.

Informações divulgadas na segunda-feira (20/12) pela Serasa Experian por meio de seu Indicador de Cheques Sem Fundos apontaram que após cinco quedas seguidas, o volume desse sistema de pagamentos voltou a aumentar, justamente às vésperas das aquisições de produtos para o Natal.

No mês passado, 1,68% dos cheques emitidos foram devolvidos, índice pouco acima de de outubro (1,56%). Mesmo após a ascensão na percentagem, o número de devoluções é o mais baixo desde 2005.

De janeiro a novembro, de acordo com a Band Online, a inadimplência com cheques abraça índice de 1,77%, mais brando em relação ao período igual de 2009, quando o percentual constatado foi de 2,17%.

Por Luiz Felipe T. Erdei



Consumidores – Inadimplência apresenta maior índice desde 2005


Os estímulos fiscais concedidos pelo governo brasileiro entre o final do ano passado e início de 2010 realmente surtiram efeito, tanto que inúmeros setores angariaram bons resultados, entre os quais o de veículos automotores e o habitacional. Claramente, não é somente esse fator que culmina para o bom ambiente da economia, pois nesse ínterim aparece, por exemplo, acesso ao crédito menos restrito e poder de renda da população em alta.

Ao final do ano, porém, uma constatação que já vinha se anunciando foi confirmada pela Serasa Experian. A inadimplência do consumidor cresceu novamente no mês passado, em 3,5%, a sétima alta consecutiva. Devido a esse índice, novembro deste ano é o pior desde 2005.

No acumulado anual, de acordo com o portal de Economia Terra, a inadimplência sintetiza expansão de 23,2%, o pior período da série histórica desde 2001 e 5% acima do mesmo intervalo de 2009. Segundo a Serasa, o maior endividamento proveniente das datas comemorativas é o grande contribuinte à constatação.

Os itens não-bancários, entre os quais cartões de crédito, prestadoras de serviços, lojas e financeiras, foram os elementos que mais apresentaram celeridade, de 7,7%, enquanto as dívidas com bancos majoraram 2,3% e cheques sem fundo, 1,7%.

Por Luiz Felipe T. Erdei



Inadimplência dos consumidores continua em alta


O Serasa divulgou, nesta segunda-feira (13), a 7ª alta seguida de inadimplência dos consumidores, que cresceu 3,5% em novembro, em comparação com o mês de outubro. A expansão foi a maior desde 2005.

Em comparação com o mesmo mês em 2009, a inadimplência subiu 23,2%, registrando o maior crescimento desde 2001. No acumulado do ano, houve um acréscimo de 5%. Esse crescimento é resultado do aumento do endividamento do consumidor, que acumulou dívidas desde o dia das crianças.

A pesquisa do Serasa também divulgou que a expectativa empresarial de vendas para o Natal é positiva. A venda de varejo será tão forte nessa época que a maioria dos consumidores vai ampliar seu endividamento e destinar seu 13º ao pagamento de dívidas.

Fonte: Folha de S. Paulo

Por Luana Costa



Serasa – Natal 2010 – Setor Varejista prevê alta no consumo


O Natal deste ano é pressagiado como um dos melhores da década. O otimismo da população brasileira, mesmo em meio às novas medidas adotadas pelo Banco Central (BC) e pelo Conselho Monetário Nacional (CMN) no concernente ao crédito, segue adiante com suporte no maior poder de renda e aumento das oportunidades de trabalho ao longo dos últimos meses.

Estudo realizado pela Serasa Experian com base na opinião de mais de mil executivos do segmento varejista revelou que para 69% deles é aguardado incremento próximo de 10,5% em 2010 perante 2009 em relação ao faturamento.

Matéria listada pelo portal de Economia Terra relaciona que o estudo indicou 33% dos varejistas com previsões de que o gasto médio com presentes para o Natal contemple até R$ 50. O percentual sobe no levantamento para 34% quando o valor em questão varia de R$ 51 a R$ 100. Um pouco mais baixa figura a perspectiva para gastos entre R$ 101 e R$ 200 (18%).

Por sistemas de pagamento, a Serasa prevê que 36% das compras à vista serão cunhadas com dinheiro, 25% por meio de cartão de crédito e 19% com cartão de débito. Em relação às compras a prazo, 46% das pessoas devem fazer uso do cartão de crédito e 29% delas cheque pré-datado.

Por Luiz Felipe T. Erdei



Consumidores – Busca por Crédito – Recorde em Novembro de 2010


Dados enunciados pela Serasa Experian em 7 de novembro, terça-feira, conjeturaram que a busca do consumidor por crédito bateu recorde em novembro após a alta de 6,2% entre outubro e o período, tido agora como correspondente ao maior patamar desde 2007, ano em que a série foi iniciada.

A Serasa avalia que o resultado foi estimulado pela inserção do 13º salário aos trabalhadores de todo o país, bem como pela confiança na economia, pelo atual momento do próprio mercado de trabalho e pelas condições de crédito às pessoas físicas, além da proximidade do Natal e Ano Novo.

Matéria expressa pelo portal R7 revela que as classes de menor renda foram as que mais avançaram na procura por crédito, principalmente entre os cidadãos com ganhos de até R$ 500 (avanço de 8,6%), seguidos pela camada com remuneração de R$ 501 a R$ 1 mil (incremento de 6,4%).

No acumulado anual até novembro os consumidores de baixa renda são os que lideram o ranking entre todas as classes na busca por crédito, com alta de 43,9% ante período análogo do ano passado.

Por Luiz Felipe T. Erdei



Serasa Experian – Atividade do Comércio – Crescimento em Novembro de 2010


O Natal já é anunciado no comércio por meio de promoções, descontos e eventos contendo o Papai Noel. As crianças, eufóricas pelas possibilidades de ganhos relativos a presentes, são os principais focos devido ao potencial disposto através de brinquedos, desde aqueles de valores pequenos até outros de custos exorbitantes.

Informações divulgadas pela Serasa Experian assinalaram que a atividade do comércio cresceu 1,9% no mês passado em comparação a outubro e 11,2% sobre novembro de 2009, já com ajuste sazonal. No acumulado anual, avanço de 10% em comparação ao período análogo de um ano antes.

Com base nesses dados, segundo o portal de Economia Terra, a Serasa avalia que o Natal deste ano poderá figurar como um dos melhores de toda a década, impulsionado pelas vendas de acessórios, calçados, vestuário e tecidos, bem como materiais de construção. O comércio também espera boas vendas nos segmentos de informática, eletroeletrônicos, móveis, veículos, motos e peças.

Por Luiz Felipe T. Erdei



Serasa Experian – Fraudes que atingem Consumidores – 2010


Entidades e empresas de vários segmentos tentam, dia após dia, emplacar novas tecnologias para oferecer maior comodidade aos seus clientes. A internet, por exemplo, não era bem vista há poucos anos como meio confiável de compra; hoje, a plataforma já é amplamente utilizada por grande número de pessoas devido a inúmeras melhorias.

Ainda existem, de fato, problemas nos mais diversificados sistemas. Levantamento recente feito pela Serasa Experian indica que as fraudes abarcando consumidores chegaram a R$ 5,8 bilhões até o mês passado – não estritamente à internet. Segundo a Band Online, o golpe mais observado é aquele em que uma terceira pessoa obtém crédito por meio de identidade falsa ou dados extraviados do cliente verdadeiro.

O estudo indica que o mês de maio deste ano foi aquele em que houve o maior volume de dinheiro corrompido com fraudes (R$ 662,5 milhões) devido ao Dia das Mães, uma vez que a data impulsiona grande aquisição de produtos, situação facilitadora para esse tipo de prática.

Quando há problemas envolvendo documentos perdidos, tais como CPF, RG, cheques e Carteira de Trabalho, a pessoa deve informar a Serasa Experian o extravio, pois não basta apenas registrar Boletim de Ocorrências.

Por Luiz Felipe T. Erdei



Serasa Experian – Consumo dos Brasileiros – Alta em 2010


O otimismo dos consumidores com a economia do país tem por base três pontos de análise bem fomentados pela imprensa nacional: crescimento do número de postos de trabalho, acesso ao crédito de maneira menos restrita e aumento da massa salarial. Cada qual contribuiu, especialmente neste ano, para o avanço do Produto Interno Bruto (PIB), mesmo com desaceleração prevista para o terceiro trimestre.

As datas festivas, entre as quais Natal e virada de 2010 para 2011, têm incitado os brasileiros a renegociarem suas dívidas para, então, contraíram novas compras, parceladas ou não. De acordo com informações relacionadas no Indicador Serasa Experian de Atividade Econômica, o consumo das famílias aumentou 7,4% no acumulado deste ano.

Matéria veiculada pelo portal de Economia UOL sopesa avanço de 6,2% se analisado somente setembro de 2010 com o mês igual do ano passado. Em comparação a agosto deste ano, porém, o consumo dos lares abarca incremento de 0,7% – após ascensão anterior de 0,6%.

Por Luiz Felipe T. Erdei



Inadimplência do consumidor cresce em outubro


Levantamento edificado pela Serasa Experian, então divulgado na quarta-feira, 10 de novembro, assinalou avanço do índice de inadimplência em 1,8% no mês passado ante setembro. A entidade acredita que o incremento do endividamento e o comprometimento da remuneração mensal com aquisição de bens foram os elementos que nutriram a alta no percentual.

Entre janeiro e setembro a inadimplência acumula avanço de 3,3% em comparação ao período similar do ano passado. No confronto de outubro ante mês igual de 2009, de acordo com o portal de Economia Terra, percebe-se crescimento de 16,9%.

As grandes responsáveis pelo aumento no Indicador de Inadimplência do Consumidor foram as dívidas não bancárias (em 3%), que representam lojas, prestadoras de serviços básicos, financiamentos e cartões de crédito. Por outro lado, considerando-se somente dívidas bancárias constata-se arrefecimento de 1,2%.

Mesmo com a alta da inadimplência entre setembro e outubro, a Serasa confia que ocorrerá atenuação do indicador em breve, causada principalmente pela injeção do 13º salário nos bolsos do consumidor e consequentemente na economia.

Por Luiz Felipe T. Erdei



Inadimplência aumenta com datas comemorativas e copa do mundo


As medidas de estímulos fiscais concedidas pelo governo brasileiro em conformidade com os limites permitidos a cada setor impulsionaram maior consumo da população. Até o primeiro trimestre de 2010, por exemplo, adquirir produtos da linha branca (fogões, geladeiras e máquinas de lavar), nova moradia ou veículos automotores ficou mais tranquilo.

Após a retirada dos benefícios surgiu no nariz dos consumidores datas comemorativas, como é o caso do Dia das Mães, do Dia dos Namorados e do Dia dos Pais, este último mais recentemente. A Copa do Mundo ocorrida na África, por exemplo, motivou lojistas a incentivarem os brasileiros a comprarem televisores, alimentos e bebidas, portanto, mais gastos.

Este conjunto de fatores e alguns outros não descritos neste artigo tiveram por resultado divulgado nesta semana pela Serasa Experian maior endividamento e aumento nos percentuais de inadimplentes. Somente em julho, de acordo com o portal de notícias G1, houve alta na inadimplência em 3,9% ante período igual de 2009, configurando, pois, o terceiro salto consecutivo no confronto anual.

De janeiro a julho, com os índices positivos nesse ínterim, a inadimplência dos brasileiros apresentou arrefecimento de 1,4% ante o período igual de 2009. Contudo, assinalam economistas da entidade, nos próximos meses, até o final de 2010, a inadimplência deverá crescer mais um pouco.

Por Luiz Felipe T. Erdei



Inadimplência do consumidor diminui


De acordo com estudo da Serasa Experian, a inadimplência do consumidor no primeiro trimestre de 2010, em relação a igual período de 2009, caiu 6,7%. Foi o maior recuo registrado em comparações do primeiro trimestre desde o início da série histórica, em 2000. Os economistas da Serasa apontam como motivos principais o aquecimento do mercado de trabalho e o crescimento da renda do brasileiro.

Vale ressaltar, no entanto, que no primeiro trimestre de 2009 o Brasil ainda sofria mais intensamente os efeitos da crise. Os economistas preveem que a inadimplência do consumidor continuará em queda no restante do primeiro semestre do ano.

Fonte: O Globo Online

Por Fabrício Fuzimoto



Cheques Sem Fundos – Estados com Mais Cheques Devolvidos em 2010 – Serasa Experian


O Indicador Serasa Experian de Cheques Sem Fundos assinalou em 18 de março, quinta-feira, queda considerável no número de cheques devolvidos em fevereiro ante janeiro de 2010. Segundo o Portal de Notícias G1, o baque conquistado foi o menor já verificado em 13 anos.

Em dados quantitativos, o número de cheques devolvidos ultrapassou a marca de 1,6 milhão. Em relação ao total desses documentos compensados, porém, o percentual se conservou estável em relação ao primeiro mês deste ano, em 1,85%.

Para a entidade, essa contração, apesar de não ser enorme, deve-se ao crescimento econômico do país e ao aumento do emprego, bem como o maior poder aquisitivo do cidadão. Amapá, novamente, figura como o Estado em que mais se dá a incidência de cheques devolvidos, com 13,59%, seguido por Roraima, com 10,15%, Maranhão, com 9,31%, e Acre, com 8,29%.

Um pouco mais abaixo, em termos geográficos, São Paulo figura como o local em que o percentual atingiu menor nível, com 1,41%, seguido por Rio de Janeiro, com 1,54%, Santa Catarina, com 1,62%, e Paraná, com 1,65%.

Por Luiz Felipe T. Erdei



Inadimplência – Brasil tem menor taxa desde 2004


Todo início de ano é complicado à população brasileira, pois as aquisições realizadas no Natal e as altas despesas em impostos, tais como IPVA e IPTU, colaboram para que a inadimplência comece a apresentar desenvolvimento substancial.

Entretanto, o Indicador Serasa Experian de Inadimplência do Consumidor revela um baque de 2,2% em fevereiro deste ano ante o mesmo mês do ano passado com relação aos pagamentos honrados dos consumidores. Esse pequeno tombo é o maior observado desde fevereiro de 2004.

Além disso, fevereiro passado em comparação ao primeiro mês deste ano configurou queda de 3,1%, em virtude, segundo a instituição, da maior cautela entre os cidadãos.

O levantamento da Serasa avalia que o recuo constatado na inadimplência, observado em financeiras e nos cartões de crédito, puxou o declínio dos percentuais; esse segmento colaborou, por sua vez, com 1,5% dos 3,1% de baque assinalado pelo indicador.

No acumulado anual, segundo a Serasa, a inadimplência recuou 5,3%, o maior índice de queda constatado desde o ano 2000.

Por Luiz Felipe T. Erdei



Pedido de falências de micro e pequenas empresas é baixo


O Indicador Serasa Experian de Falências e Recuperações revelou que o número de pedidos de falências entre micro e pequenas empresas foi o mais baixo em cinco anos, em fevereiro de 2010. Ao todo, 106 foram os pedidos, 8,6% a menos que no primeiro mês deste ano.

De acordo com a Serasa, esse percentual menor atesta a recuperação das empresas de pequeno porte, principalmente devido ao bom estágio do cenário econômico brasileiro. Além disso, para o Portal de Economia do Estadão, o número de recuperações judiciais, que também teve queda relevante em fevereiro (62,3%) em comparação ao mesmo mês do ano passado, volta ao nível assinalado antes do início da crise financeira, indicando, principalmente, o aquecimento da economia.

Os economistas da Serasa avaliam que a solidificação do desenvolvimento econômico somada à redução da inadimplência entre companhias e consumidores passou a melhorar o âmbito financeiro das empresas.

Por Luiz Felipe T. Erdei



Cheques devolvidos – Serasa revela queda


Inúmeras pesquisas assinalaram desde dezembro do ano passado, que o Brasil ingressaria em 2010 com bons números em diversos pontos de análise, tais como aumento do emprego, desenvolvimento sadio do PIB, taxa inflacionária regulada, entre outros fatores.

Recentemente, a Serasa revelou que a proporção de cheques devolvidos em janeiro de 2010 foi de exatamente 1,673 milhão em todo o Brasil, aproximadamente 1,85% dos documentos emitidos no período, segundo o Portal de Notícias G1. Com base nisso, o próprio instituto indica que esse é o menor percentual contabilizado em 16 meses.

A Serasa, então, confirma alguns pontos de vista proferidos por diversas autoridades brasileiras. De acordo com o órgão, o aumento do número de postos de trabalho e o maior poder aquisitivo (geral) dos consumidores, físicos e jurídicos, contribuíram para o bom rendimento divulgado.

Por Luiz Felipe T. Erdei



Número de Endividados no Brasil deve aumentar em 2010


A Serasa Experian, empresa voltada à análise de crédito, informou que a queda do número de inadimplentes brasileiros deve perder fôlego a partir do segundo trimestre do ano que vem. De acordo com o órgão, o ligeiro aumento de endividados no transcorrer dos meses, nos setores de bens duráveis e automóveis, não foi seguido de elevação.

Além disso, o Indicador Serasa Experian de Perspectiva de Inadimplência do Consumidor apresentou um baque de 0,2% no mês de setembro, o menor patamar notado desde março do ano passado. Para os analistas da entidade, o atual caminho de redução dos níveis de inadimplentes deverá se estender durante o último trimestre deste ano e os primeiros três meses de 2010.

Para as empresas, a estimativa é de que a inadimplência apresente diminuição durante os últimos três meses de 2009 e que continue em queda durante o primeiro trimestre do próximo ano. Para a Serasa, no entanto, a retomada da atividade econômica é que será o determinante nesse quesito.

Por Luiz Felipe T. Erdei



Serasa diz que inadimplência aumentou 30% no primeiro semestre de 2009


A Serasa realiza pesquisa que revela um aumento de 29,7% na inadimplência das empresas do país no primeiro semestre em relação ao mesmo período em 2008. Apenas de junho para julho, o aumento foi de 6,6%.

Apesar da gradativa recuperação na economia, da baixa nas taxas de juros e o retorno dos créditos, ainda há uma dificuldade na retomada dos investimentos e negociação das dívidas. Os dados apontam dívidas de empresas com os bancos que somam R$ 4.563,70, quase 4% a mais que o valor alcançado no mesmo período do ano passado.

No entanto, a pesquisa mostra uma desaceleração no ritmo a partir do 6º mês de 2009. Enquanto foi registrado um aumento de 30% de janeiro a maio, a partir de junho o mês fechou com um aumento de 26,6%.