Atualizações anteriores



Taxa Selic – Possibilidades de redução


A ata do Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central (BC), divulgada na quinta-feira (26/04), apresentou que a instituição financeira deve continuar reduzindo a taxa básica de juros no Brasil. Atualmente, a Selic está em 9% ao ano.

Através da nota, o Banco Central deixou claro que “qualquer movimento de flexibilização monetária adicional deve ser conduzido com parcimônia”. O aviso é diferente da ata imediatamente anterior a essa, quando o Banco afirmou que a taxa básica de juros deveria se manter acima dos níveis históricos, ou seja, não iria chega a 8,75% ao ano.

Para analistas do mercado financeiro, o comunicado deve ser interpretado como uma possibilidade de maior redução nos juros, da ordem de 0,25 a 0,5 ponto percentual no mês de maio.

O Copom ainda escreveu em seu informe que “ocorreram mudanças estruturais significativas na economia brasileira, às quais determinaram recuo nas taxas de juros geral, em particular na taxa neutra”.

Quanto à poupança, a expectativa é que haja uma mudança nas regras neste tipo de aplicação, já que, com a redução da Selic, a estimativa é de que muitos investidores de ativos da renda fixa migrem para a poupança, que é desonerada do Imposto de Renda.

O Comitê ainda explicitou que espera que a inflação seja elevada neste ano e em 2013, mas deve ficar em torno da meta de 4,5%. Isso aconteceu porque o Copom levou em consideração o valor do real como sendo R$ 1,85 e a Selic em 9,75%.

Por Matheus Camargo

Fonte: Banco Central



Fim da Redução do IPI leva aumento nas vendas


De acordo com pesquisa feita pela Serasa Experian com dados divulgados nesta terça-feira, 05 de abril de 2010, o fim da redução do IPI (Imposto sobre Produtos Industrializados) neste mês de março promoveu um amplo aumento nas vendas do setor de varejo, especialmente no ramo de veículos.

Foi a maior taxa registrada desde setembro de 2008 neste setor, com um aumento equivalente a 13,5% em relação ao mês de março de 2009. O segmento de veículos liderou com um crescimento de 31,4%, seguido pelo setor de móveis, eletroeletrônicos e informática, bem como pelo setor de materiais de construção.

Os demais segmentos pesquisados também indicaram crescimento de mais de 2% em março deste ano, em relação ao ano de 2009. Isto demonstra que houve um aumento no número de empregados e de seus rendimentos reais, assim como uma ampliação dos prazos para pagamento dos produtos adquiridos.

Fonte: Folha de São Paulo

Por Márcia V. L. Galvão



Cadastro Positivo: você é bom pagador? Então poderá pagar menos juros!


Você é bom pagador? Então você poderá em breve solicitar que seu nome seja incluído no Cadastro Positivo.

Trata-se de uma lista de cidadãos que pagam suas contas com destreza, e que não são devedores usuais. Se de um lado existem sistemas de proteção ao crédito (SPC, Serasa, etc.), de outro, a Câmara dos Deputados está se movimentando para que se crie o sistema de Cadastro Positivo (CP), ou o Cadastro de Bons Pagadores (CBP).

Tendo em vista que normalmente os inadimplentes que tornam os juros elevados (devido ao risco), é justo que os que pagam as contas em dia possua algum tipo de benefício.

O projeto não prevê fiscalização específica, e dessa forma, é necessário que o próprio consumidor se manifeste para que seja incluído no cadastro dos “bons pagadores”.