Atualizações anteriores



Empresas de TI buscam profissionais qualificados


As empresas de tecnologia da informação estão correndo contra o tempo na busca por profissionais da área que preencham as suas vagas em aberto.

Para quem deseja entrar neste mercado de trabalho é preciso ficar atento e manter atualizado o currículo na rede social LinkedIn.

Em virtude desta grande necessidade, as contratações estão a todo vapor com vagas para profissões como analistas de sistemas, programadores e arquitetos, gerentes de pré-vendas SAP, técnicos de infraestrutura e outros.

De acordo com as empresas do setor de tecnologia da informação a grande dificuldade é encontrar profissionais capacitados e com especialização nas diversas tecnologias solicitadas.

Deste modo, a grande idéia é estar realizando cursos e aperfeiçoamentos constantes bem como estar em contato com outros profissionais por meio de networks como o LinkedIn que pode auxiliar a obter boas colocações.

Por Ana Camila Neves Morais



IBGE divulga dados sobre freqüência dos brasileiros no ensino superior


Nesta quarta-feira, o IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) divulgou dados relativos ao Censo Demográfico 2010 com informações sobre o uso dos brasileiros nos cursos de ensino superior.

De acordo com o estudo as mulheres são mais freqüentes nas faculdades de todo o país com 12,5% enquanto os homens estão presentes neste nível de ensino em apenas 9,95% dos casos.

Esta situação se reflete também no mercado de trabalho com um nível de ocupação no valor de 19,2% para as mulheres com nível superior completo e de somente 11,5% para os homens com este mesmo grau de escolaridade.

O IBGE realizou ainda a análise da freqüência escolar das crianças e adolescentes de 10 a 17 anos que ficou diretamente relacionada com a participação no trabalho já que apenas 5% das crianças que estudavam realizavam alguma atividade laboral e cerca de 17,5% daqueles que não iam à escola tinham algum tipo de ocupação laboral.

Por Ana Camila Neves Morais



Abed auxilia na difusão da educação à distância no Brasil


Uma grande ajuda para quem busca formação e capacitação no Brasil é a educação à distância que tem na Abed (Associação Brasileira de Educação a Distância) uma boa organização da área.

Um dos exemplos das ações efetuadas pela Abed são os telecentros espalhados em locais afastados como a Amazônia e que permitem a capacitação de pessoas afastadas e sem acesso a celulares ou internet.

Além disso, a educação à distância pode ser usada na preparação para concursos públicos ou um maior grau de qualificação como cursos de nível superior e pós-graduação.

Segundo o presidente da Abed, a educação à distância está ganhando a cada dia um nível de qualidade maior sendo preciso para isso um maior aporte de recursos nesta área para a melhoria nos profissionais e nas estruturas físicas e tecnológicas envolvidas neste processo educacional.

Mais informações sobre a educação à distância bem como os cursos oferecidos nesta modalidade com credenciamento no MEC podem ser obtidos no site www.abed.org.br.

Por Ana Camila Neves Morais



Mercosul terá movimentação de trabalhadores facilitada


Uma parceria feita nesta última semana entre os Ministérios do Trabalho dos países integrantes do Mercosul irá beneficiar trabalhadores de todas as nações desta zona de livre comércio.

Isso porque foi acordado que os órgãos destes países irão elaborar no primeiro semestre de 2013 propostas para facilitar os movimentos de trabalhadores na região do Mercosul.

Dentre as novas possibilidades estão melhorias na fiscalização de fronteiras, validação de certificados profissionais com reconhecimento de diplomas, coordenação entre serviços públicos de emprego e o alinhamento dos códigos profissionais dos países.

A apresentação das propostas será feita em março de 2013 em um novo encontro que será realizado na cidade de Montevidéu no Uruguai.

Fonte: Valor Online

Por Ana Camila Neves Morais



Governo pode Criar Programa de Qualificação Profissional


O progresso da economia brasileira expôs, em contrapartida, algumas fragilidades do país. Por inúmeras vezes veículos de comunicação estrangeiros acusaram a nação atualmente dirigida por Dilma Rousseff de apresentar deficiências infraestruturais severas em questões básicas, como saneamento básico, moradia ideal para toda a população, entre outros motes.

Um dos assuntos mais comentados recentemente, porém, partiu do campo empregatício. É certo que a criação de empregos no ano passado bateu recorde (2,5 milhões de vagas formais), mas ao mesmo tempo em que isso fora constatado outro entrave intrínseco prevaleceu: falta de qualificação da mão de obra.

Para sanar essa constatação, Guido Mantega, ministro da Fazenda, afirmou na última sexta-feira (8) que o governo federal está organizando um programa voltado à formação profissional. Durante o anúncio, a autoridade salientou que nas próximas semanas mais detalhes serão emitidos.

Em princípio, dois campos serão abordados pelo programa: ensino profissionalizante e maiores investimentos na formação universitária. Segundo Mantega, ações por meio de investimentos foram realizadas nos últimos anos e, por enquanto, os resultados ainda não apareceram em função de terem partido de níveis baixos.

O governo precisa, de fato, aumentar as ações num curto prazo. A Copa do Mundo está próxima e há quem diga que o país não está adequadamente preparado para receber o mundial de futebol.

Por Luiz Felipe T. Erdei



Mão de obra ainda é problema na indústria brasileira


Informações expressas na segunda-feira (31) pela Confederação Nacional da Indústria (CNI) apontam que a atividade na indústria da construção civil avançou para 51 pontos em dezembro do ano passado, deste modo representando crescimento acima de 50 pontos. Dentro duma escala de zero a 100 pontos há desenvolvimento.

Para Renato da Fonseca, gerente-executivo da Unidade de Pesquisa, Avaliação e Desenvolvimento da confederação, 2010 foi um ano de desenvolvimento para o setor, diferentemente da tendência observada em outros segmentos, de recuperação. O ano de 2011 deverá comportar mesma recorrência, em sua opinião, embora num ritmo mais brando.

Esse setor também apresentou bons dados com relação a contratações. De acordo com a sondagem, o resultado chegou a 53,7 pontos em dezembro, com destaque às companhias de grande porte, que ilustraram 58,2 pontos.

Para os próximos seis meses, a CNI prevê boas perspectivas entre os empresários. O setor, em si, tem conseguido números interessantes por meio de lançamentos de novos empreendimentos, situação que deve se repetir para além desse período. Por outro lado, a falta de mão de obra qualificada segue como uma das principais reclamações.

As empresas privadas, em conjunto com o governo federal, devem promover medidas de estímulo à qualificação da mão de obra. A Copa do Mundo de 2014 e as Olimpíadas de 2016 estão próximas. Países parceiros estão atentos e se a maior destreza estrangeira prevalecer, o Brasil pode perder.

Por Luiz Felipe T. Erdei



Falta de mão-de-obra qualificada preocupa empresas


O progresso do país depende, basicamente, da formação continuada dos trabalhadores, dos investimentos maciços por parte das empresas e da melhoria das condições infraestruturais em todos os estados brasileiros. O número de empregos ao final de 2010 foi recorde, segundo dados do Ministério do Trabalho e Emprego, mas mesmo assim insuficientes para barrar uma constatação: falta de mão-de-obra qualificada.

Segundo a Confederação Nacional da Indústria (CNI), o número das indústrias do país que reportaram essa problemática chegou a 30,2% nos três últimos meses do ano passado, superior, portanto, ao índice de 26,5% constatado no trimestre anterior.

A CNI revela ser essa característica a terceira mais citada pelas empresas como grandes problemas. Somente carga tributária, mencionada por 62,7% das indústrias, e competição exasperada, com 40,3%, ficaram à frente da falta de qualificação.

Embora existam problemáticas na atualidade, as empresas indicam a possibilidade de contratarem novas pessoas nos próximos seis meses.

Por Luiz Felipe T. Erdei

Fonte: CNI



Seu Salário está defasado? Veja como anda Mercado de Trabalho


Um grande defeito da maioria dos empregados de hoje em dia é a falta de procura de vagas enquanto trabalhando normalmente em uma empresa.

Quando ficamos muito tempo em uma empresa, é comum ficarmos defasados em relação às competências, salários, responsabilidades e cargas horárias para a mesma função em empresas concorrentes.

Mesmo que a empresa atue em outro ramo, mas possui em seu quadro a mesma função, é importante ficar antenado e saber como anda o mercado.

Uma forma de saber se a remuneração é condizente com o mercado é o site www.bne.com.br/pesq_salario onde podemos pesquisar a média salarial oferecida pelas empresas de acordo com o perfil pesquisado.

Por José Alberi Fortes Junior.



Desempregados e Mulheres são os que mais buscam por qualificação profissional segundo Pesquisa do IBGE


De acordo com dados divulgados pelo IBGE, Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, os brasileiros que estão desempregados são os que mais procuram por uma qualificação profissional

Outro dado é que as mulheres são as que mais tentam se qualificar, concluir o ensino ou se alfabetizar.

Pesquisa também revelou que muitos que começam a fazer algum curso de qualificação não conseguem concluir por falta de tempo e, principalmente, dinheiro.