Atualizações anteriores



Salários dos profissionais brancos são maiores que dos negros


No mês de maio de 2014 (dia 13 para ser mais exato) a Abolição da Escravatura no Brasil comemorou 126 anos. Entretanto, mesmo passados mais de cem anos ainda é possível ver com uma freqüência que chega a ser absurda certos episódios de discriminação racial no país. E isso é válido para todas as áreas. Geralmente costumamos ver fatos racistas na mídia quando envolvem gente famosa. Porém, no mundo corporativo ele também existe. E não é apenas uma hipótese. Ao menos é isso que mostra um levantamento feito pelo Salário BR.

De acordo com as informações levantadas pela pesquisa, a remuneração que é paga aos profissionais negros no Brasil chega a ser 35,04% menor do que a recebida por trabalhadores brancos. Para se ter uma ideia melhor da diferença basta darmos uma olhada na média salarial dessas duas classes. A média para quem é branco é de R$ 2.461,00 enquanto que para quem é negro é de R$1.822,00. Essa diferença pode ter como motivo principal dois fatores fundamentais: há menos profissionais negros em cargos de especialista e gestão e também o salário médio dos negros é sempre mais baixo em qualquer categoria que se analise.

De acordo com os levantamentos feitos dentre os profissionais brancos no Brasil, cerca de 24,6% estão à frente de cargos de operação, 57,6% em cargos de apoio, 9,1% em funções de especialista e 6,7% em cargos de gestão. No caso dos negros os números obtidos foram de ínfimos 3,1% em cargos de gestão, 5% em cargos de especialista, 61,1% em postos de apoio e por fim 30,8% em relação à operação.

De acordo com Cauê Guimarães, estatístico do Salário BR, há cerca de 15,8% de profissionais brancos desempenhando funções nos cargos de especialista ou de gestão em comparação com 8,1% dos negros nas mesmas classes profissionais. Essa diferença em termos estatísticos é mais do que significativa.

O estudo que fez esse levantamento não levou em consideração as remunerações de profissionais indígenas, pardos e amarelos.

Por Denisson Soares