Atualizações anteriores



IPC-3i apresentou queda no 1º trimestre de 2012


De acordo com a Fundação Getúlio Vargas (FGV), o valor dos alimentos caiu para as famílias compostas majoritariamente por indivíduos da terceira idade. Com isso, a inflação sentida por essa parcela da população também ficou menor. Isso é o que constatou o Índice de Preços ao Consumidor da Terceira Idade (IPC-3i), divulgado na sexta-feira (13/04).

O indicador apresentou uma variação de 1,3% nos três primeiros meses do ano; já no acumulado dos últimos 12 meses, a alta verificada é de 5,31%. O resultado, no entanto, não foi superior ao Índice de Preços ao Consumidor – Brasil (IPC-BR), que apresentou crescimento de 5,5% em igual período.

Já comparando o primeiro trimestre do ano com o quarto trimestre do ano passado, foi registrada redução de 0,35 ponto percentual. O setor da Alimentação foi o que teve queda maior, com índice passando de 2,38% para 0,65%. Dentro deste grupo, as carnes foram o item que tiveram mais perda de valor, registrando queda de 9,69% para -5,8%.

Outros segmentos que também colaboraram para a redução no indicador foram Vestuário, Transportes e Saúde e Cuidados Pessoais. Já a Habitação; Educação, Leitura e Recreação; e Despesas Diversas tiveram alta em suas taxas.

Por Matheus Camargo

Fonte: FGV



Queda do IPC-3i – 1º Trimestre 2011


O pessoal da terceira idade é ávido consumidor. Daqui a poucos anos esse público pode até triplicar de número, obrigando o governo brasileiro a pensar em medidas para não causar um rombo maior na Previdência.

Informações enunciadas na quarta-feira (13) pela Fundação Getúlio Vargas (FGV) assinalam que o Índice de Preços ao Consumidor da Terceira Idade (IPC-3i) desacelerou no primeiro trimestre deste ano para 2,18%, contra 2,62% do período igual ao de um ano antes. A variação acumulada nos últimos 12 meses chegou a 5,71%.

O medidor, que examina dados da cesta de consumo de lares majoritariamente circunspectos por pessoas com 60 anos de idade ou mais, registrou baixa de 0,28% entre o último trimestre de 2010 e o período de janeiro a março de 2011.

De acordo com a FGV, das sete classes de despesas sondadas, apenas duas abrangeram baixa, com destaque para Alimentação, ao recuar de 5,15% para 2,63%, seguido por Vestuário, cujo índice baixou de 2,39% para 0,60%.

As outras cinco classes examinadas apresentaram avanço em suas taxas. Em Transportes, o progresso foi de 2,23% para 4,58%, enquanto em Habitação a alta passou de 0,88% para 1,34%. Educação, Leitura & Recreação registrou avanço de 1,87% para 3,19%, Despesas Diversas de 0,85% para 2,79% e Saúde & Cuidados Pessoais de 1,22% para 1,54%.

Por Luiz Felipe T. Erdei