Atualizações anteriores



Impostômetro poderá bater recorde e registrar R$ 2 trilhões


A previsão é de que até o final deste ano o Impostômetro registre o valor de R$ 2 trilhões em arrecadação de impostos.

Que o Brasil é um dos países em que mais se paga impostos em todo o mundo, praticamente todos os cidadãos brasileiros sabem. O apelidado “impostômetro” mede a quantidade total de tributos pagos pelos brasileiros ao longo do ano.  O painel eletrônico, que mede toda a arrecadação de impostos do brasileiro, em tempo real, completou uma década neste ano e está localizado na sede da Associação Comercial de São Paulo (ACSP), na Rua Boa Vista, região do centro da capital Paulista.

E por volta das 12h20 do dia 29 de junho deste ano, o valor total de impostos já pagos alcançou R$ 1 trilhão. No ano passado, o valor foi registrado somente no dia 10 de julho, o que aponta que houve aumento da carga tributária no país, e esse aumento tem gerado custos extras às empresas e aos cidadãos. Segundo o presidente da ACSP, Alencar Burti, é preciso unir forças e lutar por uma tributação mais justa.

O valor dos impostos arrecadados é destinado à União, aos municípios e estados do país. E a previsão total para este ano é que ao final de 2015, o Impostômetro chegue ao recorde e ultrapasse o valor de R$ 2 trilhões.

O painel digital foi criado para que o cidadão se conscientize sobre os impostos pagos e possa cobrar dos governos o retorno do valor pago, através de serviços públicos melhores.

É possível acompanhar o valor arrecadado através do site  www.impostometro.com.br. Na página também é possível descobrir o que pode ser feito com toda a arrecadação. Há exemplos como distribuição de cestas básicas, construção de postos de saúde, dentre outras melhorias que podem ser feitas com a verba. No site também há a opção de ver a quantidade de impostos pagos por cada estado e município brasileiro.

A iniciativa é importante para que a população esteja mais consciente e saiba cobrar seus direitos, e que haja maior fiscalização de para onde estão indo os recursos arrecadados. Quanto mais acessos e interações o site tiver, mais a população terá armas para lutar e até mesmo escolher melhor seus representantes nas próximas eleições. Uma população consciente é ideal para o progresso do país.

Por Rodrigo Silva

Impostômetro

Foto: Divulgação



Impostômetro atingirá os R$ 400 bilhões no dia 03 de abril de 2012


Além das cifras exorbitantes, o impostômetro tem atingido mais rapidamente valores altos se comparado com períodos anteriores. Há pouco mais de um mês, ele havia atingido R$ 300 bilhões, quase vinte dias antes do que ocorrido na mesma data do ano passado.

O impostômetro atingirá nesta terça-feira (03/04) a marca de R$ 400 bilhões. Segundo a ACSP (Associação Comercial de São Paulo), o valor será atingido por volta das 17h. O mesmo aconteceu no ano passado no dia 15 de abril.

De acordo com o presidente da ACSP, esse crescimento na arrecadação de 7% é reflexo do próprio desenvolvimento do país e embora esteja crescendo, aumenta mais do que o PIB (Produto Interno Bruto).

O impostômetro mede a arrecadação desde 20 de abril de 2005 e ano passado inaugurou o novo portal (www.impostometro.com.br), onde é possível verificar quanto o país, os Estados e os municípios arrecadam em impostos.

Outra ferramenta disponível é o site www.horadeagir.com.br. Nele é possível pressionar os deputados e deixar sua opinião, inclusive para um Projeto de Lei que discrimina nas notas fiscais o valor dos impostos pagos.

Por Natali Alencar



Impostômetro atinge a marca de R$ 300 Bilhões


É realmente um absurdo a quantidade de impostos que o brasileiro tem que pagar.

Nesta quinta-feira, o Impostômetro chegará à cifra de R$ 300 bilhões. No ano passado, esse mesmo patamar só foi alcançado em 21 de março.

Em 2010, o Impostômetro bateu recorde e chegou a R$ 1,5 trilhão. Para o final deste ano, a previsão é de que o painel ultrapasse a marca de R$1,6 trilhão em impostos federais, estaduais e municipais pagos pelo povo brasileiro.

Segundo Rogério Amaro, presidente da ACSP (Associação Comercial de São Paulo) e da Facesp (Federação das Associações Comerciais do Estado de São Paulo), o crescimento maior dos impostos também tem relação com o crescimento do PIB.

Inaugurado em 2005, o Impostômetro está localizado na Rua Boa Vista, 51, no Centro de São Paulo. O painel também tem um site onde você pode verificar quanto foi arrecado pelo país, pelos estados e pelos municípios separadamente.

Depois do sucesso do Impostômetro, foi criado o hotsite Hora de Agir (www.horadeagir.com.br). O objetivo da página é registrar a opinião das pessoas e também pressionar os políticos para que aprovem um projeto de lei onde se possa ver em cada produto o valor dos impostos descritos. 

Por Natali Alencar



Impostômetro – Arrecadação atingiu o valor de R$ 500 bilhões no início de maio de 2011


A arrecadação de impostos pelas esferas municipais, estaduais e federal aumenta a cada ano. Em 2010, o Impostômetro, instalado na sede da Associação Comercial de São Paulo (ACSP), atingiu níveis recordes, tendência que deve prevalecer em 2011. No dia 4 de maio o medidor atingiu a casa de R$ 500 bilhões, valor só alcançado há um ano no dia 25 do mesmo mês.

Por volta das 23h da terça-feira (3 de maio), o Impostômetro alcançou a marca de R$ 497,840 milhões. De acordo com João Eloi Olenike, presidente do Instituto Brasileiro de Planejamento Tributário (IBPT), até hoje no acumulado do ano, cada cidadão do país já pagou aproximadamente R$ 2,5 mil em impostos, montante que deve subir para R$ 7,5 mil até o final de dezembro.

O Impostômetro foi implantado em 20 de abril de 2005 em conjunto entre o IBPT e a ACSP. Para acompanhar os dados atualizados em tempo real, basta acessar o endereço www.impostometro.org.br.

Por Luiz Felipe T. Erdei



Impostômetro registra R$ 400 bilhões em 2011


A alta tributação brasileira é um assunto sem qualquer resolução em vista. Durante a corrida presidencial de 2010, candidatos argumentavam a necessidade de reformas econômicas para tirar das costas da população o peso dos impostos.

Por volta da metade do dia da última sexta-feira (15), o Impostômetro registrou R$ 400 bilhões neste ano. O valor, que computa dados provenientes da arrecadação das esferas municipais, estaduais e federal é recorde, pois em 2010 a mesma quantia foi assinalada no dia 25 de maio e em 2009, em 19 de maio.

Na concepção de João Eloi Olenike, presidente do IPBT, essa ferramenta tornou-se importante à população porque posiciona cada contribuinte de quanto é pago, todos os dias, em tributos.

No próximo dia 20, o medidor criado em conjunto entre a Associação Comercial de São Paulo (ACSP) e o Instituto Brasileiro de Planejamento Tributário (IBPT) comemora seis anos de existência. Qualquer cidadão pode acessá-lo e saber, em tempo real, o valor acumulado no ano. Para informações, entre no site do Impostômetro.

Por Luiz Felipe T. Erdei

Fonte: Assessoria de Imprensa



Impostômetro – Arrecadação atingiu o valor de R$ 300 bilhões – Março de 2011


O número de impostos pelo país e os dados consequentes das altas arrecadações cada vez mais assustam os consumidores brasileiros. Estimativas apontam que o trabalhador destina 40% de sua remuneração anual para o pagamento de tributos.

O Impostômetro, instalado no centro da cidade de São Paulo, nutrido pelo Instituto de Planejamento Tributário (IBPT) e pela Associação Comercial de São Paulo (ACSP), atingiu o patamar de R$ 300 bilhões arrecadados em impostos municipais, estaduais e federais na segunda-feira (21/03).

Um dado nada interessante é que essa quantia, registrada quase às 13h do dia 21, atingiu o mesmo patamar no ano passado apenas no dia 29 de março. Em comunicado enviado à imprensa, a ACSP ressalta que desde o início dos registros por meio do Impostômetro, em abril de 2005, só ocorreram altas.

Com a possibilidade da volta da Contribuição Provisória sobre Movimentação ou Transmissão de Valores e de Créditos e Direitos de Natureza Financeira (CMPF), sob o nome de Contribuição Social para a Saúde (CSS), a arrecadação deve dar outra guinada. O consumidor deve ficar preparado.

Por Luiz Felipe T. Erdei

Fonte: G1



Impostômetro atingiu o valor de R$ 200 bilhões em fevereiro de 2011


Se todo produto exposto e vendido chegasse às mãos dos consumidores com base naquilo que efetivamente custa, descontados impostos, certamente seriam bem mais baratos. A questão da alta tributação, por sinal, gera polêmicas no Brasil, pois num território de tantas desigualdades, a arrecadação prejudica mais a uns do que a outros.

A Associação Comercial de São Paulo (ACSP) instalou em sua sede, no centro da cidade, o Impostômetro, instrumento que visa elucidar para a população o valor total arrecadado no acumulado do ano. Nas primeiras horas da noite do dia 24 de fevereiro, o indicador, também mantido pelo Instituto Brasileiro de Planejamento Tributário (IBPT), atingiu a marca de R$ 200 bilhões. No ano passado, esse valor fora constatado no dia 28 de fevereiro.

A associação examina que apesar de existir pouca distinção de dias quanto à arrecadação 2010 e 2011, o acréscimo é notável, pois a mesma cifra, em 2009, só fora alcançada no dia 9 de março.

Caso essa tendência permaneça, o aumento do mínimo, as isenções de impostos e outros tantos benefícios ‘reais’ para os trabalhadores serão apenas números, pois na prática, juntamente ao nível de endividamento, o consumidor tende a usufruir seu dinheiro em menor grau em função de impostos.

Por Luiz Felipe T. Erdei

Fonte: IBPT



Impostômetro – Acompanhe e Fiscalize os seus impostos


Em 2010 foram cerca de R$ 1,270 trilhão de reais em impostos pagos pelo contribuinte. Em 2011 serão R$ 1,390 trilhão e em 2012, R$ 1,565 trilhão. São os dados calculados pelo IBPT, Instituto Brasileiro de Planejamento Tributário através do Impostrômeto: www.impostometro.org.br.

É um simples site que calcula para você o quanto a União, os estados e os municípios arrecadam em tributos em um determinado período de tempo. É possível acompanhar os impostos arrecadados por seu Estado e pela sua cidade, bastando selecionar a opção desejada no campo abaixo do impostômetro.

Com esse valor, segundo o instituto, o governo poderia:

– Construir mais de 8.403.057 casas populares de 40 m², ou

– Construir mais de 14.355.222 salas de aula equipadas, ou

– Construir mais de 172.263 Km de estradas asfaltadas, ou

– Construir mais de 3.665.163 postos policiais equipados, ou

– Construir mais de 686.305 postos de saúde equipados, ou

– Fornecer Medicamentos para toda a população do Brasil por 77 meses, ou

– Plantar 43.065.667.235 de Árvores.

Desde 1986, durante o governo Sarney, a carga tributária brasileira, ou seja, a proporção de impostos, taxas e contribuições pagas pelos brasileiros, vem crescendo consideravelmente. Na época, representava 22,39% do PIB. Já no governo Lula atingiu 35,21%. Durante todo o governo Lula, inclusive, foram arrecadados mais de R$ 7,097 trilhões de reais, cerca de três vezes o PIB de 2010 do Brasil (estimado em US$ 2,1 trilhão, o sétimo do mundo).

Para mais informações, acesse o site do Impostômetro.



ACSP – Impostômetro – Novo Recorde de Arrecadação de Impostos em 2010


A alta carga tributária brasileira é alvo de críticas de diversas camadas da sociedade, desde a população até políticos e empresários. Em outubro fora constatada arrecadação de R$ 1 trilhão, volume só alcançado no ano passado 49 dias depois (em 14 de dezembro). Pois bem, foi marcada para esta terça-feira (14 de dezembro) novo recorde de acordo com perspectivas da Associação Comercial de São Paulo (ACSP): R$ 1,2 trilhão.

O Impostômetro, instalado no prédio da ACSP (centro de SP), tem por base a arrecadação de tributos municipais, estaduais e federais desde 1º de janeiro. Para se ter ideia de como o recolhimento tem crescido, na ocasião da inauguração do medidor, em abril de 2005, R$ 550 bilhões foram constatados, e no ano seguinte, já contemplando os 12 meses do período, R$ 816 bilhões.

Por Luiz Felipe T. Erdei



ACSP – Impostômetro – Recorde de Arrecadação


A taxação de o Brasil ser considerado um dos países com as maiores cifras oriundas da arrecadação de impostos se confirma ano após ano. Ao meio dia da última segunda-feira, 22 de novembro, o Impostômetro da Associação Comercial de São Paulo (ACSP) registrou montante de R$ 1,1 trilhão, situação granjeada pela primeira vez na história.

Até o final do ano, pelo ritmo de arrecadação mensal, o Brasil deverá acumular R$ 1,2 trilhão em impostos, consideravelmente superior ante o constatado em 2009, quando houve reunião de R$ 1,088 trilhão em tributos.

Para a população brasileira sentir o peso do montante e ter ciência do que é possível fazer com o dinheiro, pode-se adquirir aproximadamente 50 milhões de carros populares, edificar 50 milhões de casas populares e comprar cinco bilhões de cestas básicas.

Por Luiz Felipe T. Erdei

Fonte: Band Online



Arrecadação do Governo Federal chega a R$ 700 bi


Uma das maiores críticas, de vários políticos do país e de especialistas internacionais, é a alta carga tributária empregada aos cidadãos brasileiros. Os presidenciáveis pretendem focar esforços em algumas políticas para diminuir o peso de impostos sobre os ombros de cada pessoa.

A Associação Comercial de São Paulo (ACSP), por meio de seu Impostômetro, divulgou nas últimas horas que desde janeiro até o princípio desta semana os brasileiros já dispensaram mais de R$ 700 bilhões entre impostos federais, municipais e estaduais. No ano passado a mesma marca foi alcançada somente na primeira semana de setembro.

Reportagem veiculada pelo portal de notícias G1 assinalou que a metodologia abrangida pela ferramenta tem por base a arrecadação de valores disseminada em taxas, impostos, contribuições, correções e multas.

Embora Hillary Clinton, secretária de Estado norte-americano, tenha enaltecido a alta carga de tributos no Brasil, em “carnavais passados”, a população local, principalmente aquela com baixa renda, só tende a lamentar. Se houvesse cobrança por utilização da iluminação pública, por exemplo, como haveria oportunidade em adquirir produtos da cesta básica?

Por Luiz Felipe T. Erdei