Atualizações anteriores



IGP-10, IPA, IPC e INCC apresentaram alta em abril de 2012


De acordo com levantamento realizado pela Fundação Getúlio Vargas (FGV), o Índice Geral de Preços – 10 (IGP-10) sofreu variação de 0,7% em abril. O resultado foi divulgado na segunda-feira (16/04). No mês imediatamente anterior, o resultado tinha sido de 0,27%. Já nos últimos 12 meses, o indicador sofreu variação de 3,43%. No acumulado do ano, o IGP-10 já está com 1,09%.

O estudo apontou também que o Índice de Preços ao Produtor Amplo (IPA) teve variação de 0,76% em abril. No mês anterior, o índice tinha registrado variação de 0,24%. Os Bens Finais tiveram índice de variação de 0,63% ante 0,27%. O segmento de Alimentos Processados foi o que sofreu maior aceleração, passando de -0,65% para 0,67%.

O setor de Bens Intermediários apresentou variação de 0,82% perante 0,47% de março. Três itens avaliados sofreram alta, sendo que o principal destaque foi o segmento de materiais e componentes para a manufatura, que foi de 0,62% para 0,94%.

O grupo Matérias-Primas Brutas registrou 0,83% ante -0,09%. Os itens que mais contribuíram para o resultado do segmento foram minério de ferro (-1,16% para 0,51%), soja em grão (de 3,17% para 12,43%) e laranja (4,66% para 15,46%).

Já o Índice de Preços ao Consumidor (IPC) apresentou variação de 0,53% em abril perante 0,4% em março. O resultado foi extremamente influenciado pelo setor de Alimentação, que foi de 0,25% para 0,51%.

O Índice Nacional de Custo da Construção (INCC) variou 0,71%, ficando acima dos 0,19% registrados no mês imediatamente anterior. O segmento de Materiais, Equipamentos e Serviços ficou em 0,42%.

Por Matheus Camargo

Fonte: FGV



Queda da Inflação em Novembro 2011 – IGP-10


A inflação sofreu desaceleração pelo IGP-10 e teve uma queda de 0,44% no mês de novembro, comparando com o mês de outubro, quando foi registrado o avanço de 0,64%, conforme informação do site www.tribunadonorte.com.br.

A Fundação Getúlio Vargas (FGV) informa que até novembro o IGP-10 acumula altas de 5,14% (no ano) e 6,48% (em 12 meses).

Especialistas fazem a previsão de que haja uma alta nos produtos agropecuários no setor do atacado, refletindo no setor do varejo, o que pressionará indicadores da inflação no mês de novembro.

Conforme a avaliação realizada pela LCA Consultores, o IGP-DI e o IGP-M deverão subir 0,50% no mês.

Devido a crise na economia que o mundo está atravessando, o governo brasileiro reduziu a previsão de crescimento para o PIB de 2011: de 4,5% para 3,8%. Já a previsão de inflação deste ano foi elevada de 5,8% para 6,4% pelo IPCA.

No setor de empregos formais, no mês de outubro, os números da Caged informam que o país gerou 126.143 oportunidades, com 1.538.423 desligamentos e 1.664.566 admissões.

O setor que mais criou oportunidades de emprego foi o de Serviços, oferecendo 77.201 mil postos formais. Perspectivas de melhoras existem, vamos aguardar.

Por Mônica Palácio



FGV – IGP-10 e IPA – Queda em maio de 2011


Com base em preços colhidos entre os dias 11 de abril e 10 de maio, a Fundação Getúlio Vargas (FGV) divulgou na segunda-feira (16 de maio) dados referentes ao Índice Geral de Preços – 10 (IGP-10), que no período apresentou breve desaceleração em comparação ao estudo anterior. A taxa de antes, de 0,56%, passou para 0,55%.

A FGV avalia que o Índice de Preços ao Produtor Amplo (IPA) arrefeceu para 0,26% no atual levantamento, contra taxa antecedente de 0,49%. O índice relativo a Bens Finais caiu de 0,86% do mês de abril para 0,23% em maio, pressionado pelo subgrupo alimentos processados, cuja variação caiu de 0,29% positivo para 0,74% negativo. Bens Finais, que desconsidera os subgrupos combustíveis e alimentos in natura, por sua vez, baixou de 0,23% para -0,08%.

Acréscimo foi constatado, por outro lado, na categoria Bens Intermediários, cuja taxa saiu de 0,49% do estudo precedente para 0,90% de agora. Das cinco subcategorias analisadas quatro registraram aceleração. O índice atinente a Bens Intermediários, sondados sem as subcategorias lubrificantes e combustíveis voltados à produção, avançou de 0,46% para 0,89%.

De acordo com a FGV, a taxa relacionada a Matérias-Primas Brutas recuou de 0,07% para -0,52%, com destaque para as baixas do algodão em caroço, da laranja e de bovinos.

Por Luiz Felipe T. Erdei



FGV – IGP-10, IPA e IPC apresentaram queda em março de 2011


A Fundação Getúlio Vargas (FGV) divulgou em sua página virtual dados sobre o Índice Geral de Preços – 10 (IGP-10), que no período do dia 11 de fevereiro a 10 de março registrou variação de 0,84%, discretamente inferior à taxa constatada no mês passado, de 1,03%.

O Índice de Preços ao Produtor Amplo (IPA) cerceou índice de 0,99% neste mês, contra variação de 1,16% de antes. Entre fevereiro e março, Bens Finais minutou alta de -0,19% para 0,94%, com destaque para a subcategoria alimentos processados, que saltou de -1,72% para 0,48%. A FGV assinala que Bens Intermediários computou taxa de 0,67% no período (março), diferença de 0,20% em relação ao índice antecedente (0,87%).

A taxa relacionada a Matérias-Primas Brutas desacelerou de 3,10% em fevereiro para 1,48% no novo levantamento. As maiores contribuições para a baixa provieram do minério de ferro, da soja e do milho em grão.

A fundação também ilustra baixa no Índice de Preços ao Consumidor (IPC) de fevereiro a março. No primeiro período, a taxa registrada foi de 0,92% e no segundo, de 0,59%. Das sete categorias analisadas, três delinearam arrefecimento em seus índices, com ênfase para a Educação, Leitura & Recreação, de 2,69% para 0,20%. Transportes e Despesas Diversas decaíram de 2,45% para 1,10% e de 1,43% para 0,98%, respectivamente.

Os demais grupos – Vestuário, Saúde & Cuidados Pessoais, Habitação e Alimentação – descreveram sentido inverso, com destaque para o primeiro acima citado, que avançou de -0,30% para 0,28%. Nos demais, a aceleração registrada foi de 0,38% para 0,54%, de 044% para 0,53% e de 0,54% para 0,57%, respectivamente.

Por Luiz Felipe T. Erdei

Fonte: FGV



FGV – IGP-10, IPA, IPC, INCC e Bens Finais – Janeiro de 2011


A Fundação Getúlio Vargas (FGV) divulgou no dia 17 de janeiro dados relacionados a vários medidores econômicos. O Índice Geral de Preços – 10 (IGP-10), por exemplo, desacelerou para 0,49% em janeiro, abaixo do percentual de 1,27% registrado entre os dias 11 de novembro e 10 de dezembro de 2010.

Além desse indicador, a FGV contabilizou que o Índice de Preços ao Produtor Amplo (IPA) apresentou alta de 0,35% neste mês, contra 1,46% constatado em dezembro. Os Bens Finais, segundo a fundação, recuaram para -0,35% no período, contra a taxa positiva de 0,52% de antes.

O Índice de Preços ao Consumidor (IPC), por sua vez, minutou desaceleração para 0,90% no primeiro mês deste ano, ante 1,05% descrito em dezembro passado. Dos sete grupos sondados, quatro apresentaram queda nos índices, com destaque para a classe Alimentação, em que a taxa recuou para 1,52%, contra 2,45% notado anteriormente. As carnes bovinas, que em 2010 deram trabalho aos bolsos dos consumidores, caíram de 9,7% para 0,81% no período.

A FGV indica que o Índice Nacional de Custo da Construção (INCC) ilustrou variação de 0,50% em janeiro, pouco acima do percentual contabilizado em dezembro (0,49%). Neste quesito somente o grupo Serviços cresceu (0,33% para 0,83%), enquanto Mão de Obra e Materiais & Equipamentos caíram de 0,84% para 0,76% e 0,12% para 0,11%, respectivamente.

Por Luiz Felipe T. Erdei