Atualizações anteriores



Diferença salarial entre homens e mulheres diminuiu em SP


Uma informação muito importante para as mulheres, pois de acordo com pesquisa divulgada pelo Dieese (Departamento Intersindical de Estatísticas e Estudos Socioeconômicos) na região metropolitana de São Paulo, a diferença salarial entre homens e mulheres diminuiu e alcançou o menor índice desde o ano de 1985 quando foi dado início na divulgação dos dados dessa pesquisa.

Segundo dados do Dieese, a média salarial para as profissionais do sexo feminino foi, no ano de 2014, pago em média de R$ 9,80 por hora trabalhada, sendo que os homens receberam em média, uma faixa salarial de R$ 12,04 por hora trabalhada.

A conclusão do Dieese é que o salário pago para as mulheres ficou representado em 81,4% ao salário pago aos homens em 2014, sendo que no ano anterior, 2013 essa porcentagem era de 77,1%.

Outra importante informação é que o salário líquido mensal recebido pelas mulheres foi de R$ 1.594, isso representa 71,96% do rendimento líquido dos homens, que em média fizeram jus a uma remuneração média de R$ 2.215.

O interessante é que em média, as mulheres cumprem uma jornada de trabalho bem menor do que a dos homens, ficando na média semanal de 38 horas, sendo cinco horas a menos do que a jornada cumprida pelos homens, que segundo a pesquisa é de 43 horas semanais.

Outro dado que pode trazer preocupação as mulheres é o referente à taxa de desemprego que aumentou na região metropolitana de São Paulo, sendo que antes esse índice era de 11,7% subindo para 12,2% entre os anos de 2013 e 2014.

Agora a participação das mulheres no competitivo mercado de trabalho da região permaneceu inalterada, ficando em 55,1%, valor exatamente igual ao mesmo valor de 2013, sendo eu em 2012, esse índice era de 56,1%.

O fato é que as mulheres estão cada vez mais ocupando cargos importantes em diversos setores do mercado de trabalho e isso é muito importante para a igualdade e para a conquista dos direitos iguais, sendo que os dados dessa pesquisa revelam que ainda existe uma diferença errônea de visão em relação à remuneração de homens e mulheres, o que é lamentável, pois quem ocupa o mesmo cargo deve receber o mesmo salário, independente de sexo.

Por Rodrigo da Silva Monteiro

Diferen?a do sal?rio da mulher



Cresce número de jovens fora do trabalho e da escola


Há um bom tempo os homens deixaram de ser considerados os únicos responsáveis pelo sustento e manutenção das famílias e, na atualidade, esta acomodação está chegando a uma situação extrema.

Isto ocorre porque, segundo pesquisa realizada pelo Ipea (Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada), a quantidade de homens jovens que não trabalham nem estudam está cada dia maior no Brasil chegando, em 2010, a cerca de 1,107 milhões de pessoas.

E, ao contrário, as mulheres jovens estão cada vez mais realizando atividades de trabalho e estudo que, muitas vezes, são acumuladas.

Esta população que não realiza nem atividades laborais nem de estudo recebem apoio de suas família e residem em casas de baixa renda.

Por Ana Camila Neves Morais



Diferença salarial entre homens e mulheres – Projeto de Lei prevê multa para empresas


Mesmo em tempos “modernos“, infelizmente as mulheres ainda sofrem com a discriminação no mercado de trabalho.

Ainda que provem sua eficiência e se destaquem profissionalmente, infelizmente muitas estão sujeitas a situações de preconceito no ambiente de trabalho.

Se procurarmos bem, logo encontraremos histórias de pessoas próximas ou conhecemos  alguém que recebe salário inferior a dos homens que ocupam o mesmo cargo.

Agora as empresas devem ficar mais atentas e reajustar os salários que ainda têm essa disparidade, pois, caso contrário, estarão sujeitas a pagar multa.

Foi aprovado na última terça-feira (06-03) o Projeto de Lei 130/11, que prevê multa para as empresas que pagarem salários diferenciados para homens e mulheres que exercem a mesma função. A intenção é acabar com o preconceito de gênero nas empresas.

O valor da multa pode ser de até cinco vezes a diferença salarial.

Especialistas em direitos trabalhistas explicam que a aprovação do Projeto de Lei fará com que os empresários pratiquem salários mais justos sem discriminar as mulheres.

Aprovada em caráter terminativo no Senado e já aprovada pela Câmara, a Proposta de Lei segue para ser sancionada pela presidente Dilma Rousseff.

Por Natali Alencar



Ipea – Diferenças entre Salários de Homens e Mulheres em 2010


As diferenças históricas entre homens e mulheres têm decaído gradativamente ao longo das últimas décadas, porém distantes do fim. Um dos fatores mais gritantes ainda se relaciona ao mercado de trabalho, esfera em que a ala masculina leva certa vantagem em relação à feminina.

Levantamento realizado pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) revela que a participação das mulheres não ultrapassa 50% da massa salarial total ante os homens em nenhum dos locais sondados por meio da Pesquisa Mensal do Emprego (PME), medidor listado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Informações mais detalhadas assinalam que a massa salarial das mulheres chegou a R$ 12,7 bilhões em outubro deste ano, contra R$ 11 bilhões de janeiro de 2009. Na mesma base comparativa, segundo o Estadão, o montante remuneratório aos homens atingiu R$ 21,2 bilhões, ante R$ 19,1 bilhões de antes.

Mesmo abaixo da massa salarial dos homens, Porto Alegre e Salvador foram as duas regiões metropolitanas em que a maior participação favorável às mulheres fora constatada (aproximadamente 40% do total). Rio de Janeiro e Belo Horizonte contraíram os números mais baixos na condição: 36,4%.

Por Luiz Felipe T. Erdei