Atualizações anteriores



Fipe – IPC (SP) registrou queda na 3ª quadrissemana de maio de 2011


O Índice de Preços ao Consumidor (IPC) do município de São Paulo, calculado pela Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (FIPE), registrou queda na taxa de variação da 3ª quadrissemana de maio, para 0,47%, ante 0,56% delineada na 2ª quadrissemana do mês.

Dos sete grupos pesquisados, quatro assinalaram baixas em seus índices, com destaque para Saúde, cuja taxa cedeu de 1,36% para 0,98%. Em seguida, de acordo com o levantamento, figuraram as categorias Despesas Pessoais, com queda de 0,91% para 0,61%, Transportes, com arrefecimento de 0,87% para 0,59%, e Habitação, de 0,33% para 0,28%.

No sentido oposto, revela a FIPE, a maior alta na taxa de variação da 2ª para a 3ª prévia do mês foi encabeçada pelo grupo Alimentação, com avanço de 0,20% para 0,34%. Na categoria Vestuário o índice subiu de 1,13% para 1,17% e em Educação de 0,06% para 0,07%.

O IPC é formado com base em informações de famílias com renda de um a 20 salários mínimos mensais (R$ 545 a R$ 10.900).

Por Luiz Felipe T. Erdei



FIPE (SP) – 2ª prévia do IPC tem redução para 0,56%


O Índice de Preços ao Consumidor (IPC) do município de São Paulo apreciado pela Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (FIPE), que leva em consideração famílias com renda entre um e 20 salários mínimos (de R$ 545 a R$ 10.900), desacelerou entre a 1ª e a 2ª quadrissemana de maio, de 0,64% de antes para 0,56% de agora, diferença de 0,08%.

Cinco dos sete grupos avaliados pela FIPE registraram recuo em suas taxas de variação. O destaque no levantamento ficou para Transporte, cujo índice decresceu de 1,14% para 0,87%. Em seguida figuram as categorias Saúde, com baixa de 1,59% para 1,36%, Alimentação, de 0,30% para 0,20%, Habitação, de 0,35% para 0,33%, e Educação, com arrefecimento de 0,08% para 0,06%.

Os dois únicos grupos que descreveram movimento de alta da 1ª para a 2ª prévia do mês foram Vestuário, cuja taxa subiu de 1,02% para 1,13%, e Despesas Pessoais, com aumento de 0,88% para 0,91%.

Por Luiz Felipe T. Erdei



Fipe – IPC (SP) apresentou queda na 1ª quadrissemana de maio de 2011


Ao considerar a faixa de renda familiar de um a 20 salários mínimos, o Índice de Preços ao Consumidor (IPC) do município de São Paulo, apurado pela Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (FIPE), desacelerou para 0,64% na primeira quadrissemana de maio, contra 0,70% da última prévia de abril.

No total, sete classes de despesas são avaliadas. No levantamento foram constatadas altas em quatro categorias, a mais evidente em Vestuário, cuja taxa ascendeu de 0,68% para 1,02%. Em seguida, a FIPE destaca o índice em Saúde, que subiu de 1,55% para 1,59%, depois Educação, de 0,04% para 0,08%, e Despesas Pessoais, de 0,85% para 0,88%.

No sentido contrário, a FIPE apreciou desaceleração de 1,44% para 1,14% em Transportes, assim como baixa de 0,46% para 0,30% em Alimentação. A única categoria que não apresentou qualquer alteração foi Habitação, uma vez que a taxa apurada entre a quarta prévia de abril e a primeira quadrissemana de maio ficou em 0,35%.

Por Luiz Felipe T. Erdei



FIPE – IPC (SP) cresce para 0,70% em abril de 2011


O Índice de Preços ao Consumidor (IPC) do município de São Paulo, calculado pela Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (FIPE), voltou a acelerar dentro do mês de abril. Ao final do período, ou seja, 4ª quadrissemana, a taxa registrada foi de 0,70%, diferença de 0,05% em comparação ao índice de 0,65% da 3ª prévia.

Das sete categorias sondadas, três delinearam recuo em suas variações, com destaque para o grupo Alimentação, cuja taxa desceu de 0,64% para 0,46%. Em seguida, na mesma diferença de baixa para ambas (0,06%), apareceram Transportes, de 1,50% para 1,44%, e Educação, de 0,10% para 0,04%.

Outras três categorias, diferentemente, descreveram alta. O destaque ficou para Vestuário, uma vez que seu índice saltou da base negativa 0,20% para 0,68% positivo (diferença de 0,88%). O grupo Saúde avançou da taxa de 1,17% contabilizada na 3ª quadrissemana de abril para 1,55% ao final do mês, enquanto Despesas Pessoais passou de 0,66% para 0,85%.

O único grupo que manteve seu índice foi Habitação, em 0,35%.

Por Luiz Felipe T. Erdei



IPC em São Paulo – Março 2011


A Fipe divulgou na segunda-feira (4) dados sobre o Índice de Preços ao Consumidor (IPC) em São Paulo. O indicador encerrou março com taxa de 0,35%, abaixo em 0,02% ante o registro da 3ª quadrissemana do mês (0,37%).

Dos sete grupos sondados pelo IPC, quatro registraram baixas na taxa de variação, com destaque para o grupo Vestuário, que passou de 0,56% na 3ª prévia do mês para 0,02% ao final de março. A categoria Despesas Pessoais, embora em menor nível de diferença, também contabilizou bom decréscimo, de 046% para 0,20%.

Os outros dois grupos com arrefecimento em seus índices no mês de março foram Habitação, de 0,34% para 0,27%, e Saúde, que caiu de 0,67% da 3ª quadrissemana para 0,60% de agora.

O grupo com maior acréscimo na taxa de variação calculada pelo IPC foi Alimentação, do índice negativo de 0,13% para taxa positiva de 0,09%. Transportes, por sua vez, avançou de 0,94% para 1,04%, enquanto Educação subiu de 0,09% para 0,13%.

Por Luiz Felipe T. Erdei



Fipe – IPC (SP) – 3ª prévia de março de 2011


A Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (Fipe) divulgou na última sexta-feira (25/03) dados do último levantamento do Índice de Preços ao Consumidor (IPC) do município de São Paulo com famílias de renda entre um e 20 salários mínimos. Na 3ª quadrissemana de março, a taxa do medidor subiu para 0,37%, 0,01% acima do índice registrado na 2ª prévia do mês.

De sete categorias analisadas pelo IPC, quatro registraram decréscimo nos preços, com destaque para Despesas Pessoais, cujo índice arrefeceu para 0,46% na 3ª quadrissemana do mês frente a 0,79% da prévia anterior. No grupo Transportes, revela a Fipe, a taxa passou de 1,07% para 0,94%, em Habitação de 0,42% para 0,34% e em Educação de 0,11% para 0,09%.

Em contrapartida, a alta mais elevada entre todas as categorias analisadas ocorreu em Vestuário, de 0,10% da 2ª prévia de março para 0,56% na 3ª quadrissemana. Em Alimentação o movimento foi igual, mas com diferença mais breve, de -0,41% para -0,13%. A taxa no grupo Saúde saltou de 0,55% para 0,67%.

Por Luiz Felipe T. Erdei

Fonte: Fipe



Fipe – IPC Paulista – Queda na 2ª prévia de março de 2011


A nova prévia deste mês do Índice de Preços ao Consumidor (IPC) do município de São Paulo, realizada pela Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (Fipe), registrou índice de 0,36%, diferença de 0,08% em comparação ao 0,44% abalizado na primeira quadrissemana de março.

Dos sete componentes sondados pela Fipe, apenas um apresentou aceleração na taxa: Transportes, que passou de 0,89% da quadrissemana anterior para 1,07% no levantamento mais recente.

O grupo de maior destaque no recuo foi Despesas Pessoais, ao registrar desaceleração da alta de 1,12% da 1ª leitura do mês para 0,79% na 2ª quadrissemana. A categoria Habitação decresceu de 0,58% para 0,42% na mesma base de comparação, seguida por Saúde, que arrefeceu de 0,69% para 0,55%.

A taxa registrada no grupo Educação chegou a 0,19% na 2ª prévia de março, ante 0,11% de antes, enquanto Vestuário baixou de 0,16% para 0,10% e Alimentação de -0,39% para -0,41%.

Por Luiz Felipe T. Erdei

Fonte: Fipe



Fipe – IPC (SP) apresentou queda na 1ª prévia de março de 2011


O Índice de Preços ao Consumidor (IPC) do município de São Paulo sondado pela Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (Fipe) registrou desaceleração na 1ª quadrissemana de março em comparação à taxa do final de fevereiro. No levantamento mais recente divulgado na sexta-feira (11), o índice decresceu para 0,44%, contra 0,60% de antes.

Sete categorias são analisadas no IPC, mas desta vez somente uma apresentou alta na sua taxa de variação: Vestuário, ao passar de -0,03% para 0,16%. Em contrapartida, o destaque na baixa do indicador ficou por conta da categoria Transportes, que arrefeceu de 1,16% para 0,89% entre fevereiro e a 1ª quadrissemana de março.

O grupo Alimentação, por sua vez, passou de -0,17% para -0,39% nessa base comparativa, seguido pela Habitação, cujo índice cedeu de 0,72% para 0,58%. A categoria Educação decaiu para 0,19%, contra 0,32% da prévia anterior, Despesas Pessoais baixou de 1,24% para 1,12% e Saúde de 0,72% para 0,69%.

Por Luiz Felipe T. Erdei

Fonte: Fipe



Fipe – IPC (SP) – Queda na 4ª prévia de fevereiro de 2011


Novo levantamento do Instituto de Pesquisas Econômicas (Fipe) avalia que o Índice de Preços ao Consumidor do município de São Paulo (IPC), baseado na faixa de renda familiar de um a 20 salários mínimos, voltou a desacelerar. Na 4ª quadrissemana de fevereiro, o índice caiu para 0,60%, contra 0,70% de antes.

Dos sete grupos abrangidos pelo IPC do Fipe,quatro registraram queda em suas taxas, com destaque para Educação, que recuou de 1,50% na 3ª quadrissemana para 0,32% no estudo atual. O índice em Transportes arrefeceu de 1,87% para 1,16%, a taxa em Saúde diminuiu de 0,85% da prévia anterior para 0,72% de agora e a de Vestuário, de -0,01% para -0,03%.

Na contramão do descrito acima, a alta mais relevante foi registrada em Despesas Pessoais, de 1,09% da 3ª prévia de fevereiro para 1,24% da 4ª quadrissemana do mês. O Grupo Alimentação, por sua vez, contabilizou incremento para -0,17%, contra -0,31% de antes, e Habitação, por fim, de 0,69% para 0,72%.

Por Luiz Felipe T. Erdei

Fonte: Fipe



Fipe – IPC (SP) apresentou queda na 3ª quadrissemana de fevereiro de 2011


Dados divulgados pelo Instituto de Pesquisas Econômicas Aplicadas (Fipe) assoalham que o Índice de Preços ao Consumidor do Município de São Paulo (IPC), focado na faixa de renda familiar de um a 20 salários mínimos, desacelerou para 0,70% na 3ª quadrissemana de fevereiro, ante taxa de 0,95% da 2ª leitura do mês.

Dois de sete grupos compreendidos pelo IPC registraram avanço em seus índices, com destaque para Despesas Pessoais, que subiu de 0,90% no levantamento anterior para 1,09% na 3ª quadrissemana de fevereiro. A taxa de Habitação progrediu de 0,67% para 0,69%.

Em contrapartida, o grupo Educação teve arrefecido seu índice de 3,48% para 1,50%, mesma tendência contida em Transportes, que cedeu de 2,47% na 2ª prévia de fevereiro para 1,87% de agora. Alimentação apresentou decréscimo de 0,06% para -0,31%, Saúde de 0,92% para 0,85%, e Vestuário para 0,28%, ante -0,01% da 2ª prévia de fevereiro.

Por Luiz Felipe T. Erdei

Fonte: Fipe



Fipe – IPC (SP) – Dados da 1ª Prévia de Fevereiro de 2011


Informações divulgadas pela Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas Aplicadas (Fipe) assinalam que o Índice de Preços ao Consumidor do município de São Paulo (IPC) contraiu variação de 1,12% na primeira quadrissemana de fevereiro, contra 1,15% registrada na leitura anterior.

O destaque na alta ficou por conta do grupo Educação, que variou de 5,61% da quadrissemana anterior para 4,81% na atual, seguido pela categoria Transportes, cujo índice avançou de 3,18% para 3,24%.

De acordo com a Fipe, o IPC do grupo Habitação saltou de 0,41% na última leitura de janeiro para 0,58% na primeira quadrissemana deste mês, mesma tendência observada na categoria Saúde, que sofreu incremento de 0,39% para 0,73%. Na contramão de ambos figurou Alimentação, com decréscimo de 0,73% anteriores para 0,29%.

Por Luiz Felipe T. Erdei

Fonte: Fipe



Índice de Preços ao Consumidor (IPC) – Educação e Transporte com as maiores altas


Informações divulgadas pela Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas Aplicadas (Fipe) revelam que na 4ª quadrissemana de janeiro o Índice de Preços ao Consumidor (IPC) apresentou variação de 1,15% em comparação à 3ª quadrissemana do mês.

De acordo com a Fipe, que calcula as variações dos residentes no município de São Paulo com renda familiar de um a 20 salários mínimos, o grupo Habitação registrou alta de 0,41%.

O grupo Alimentação, por sua vez, ilustrou variação de 0,73% na 4ª quadrissemana de janeiro, e Despesas Pessoais, índice de 0,85%. A maior alta constatada ficou mesmo para a categoria Educação, que saltou 5,61%, seguido por Transportes, que variou 3,18% no período.

Por Luiz Felipe T. Erdei

Fonte: Fipe



Fipe – IPC (SP) apresentou Crescimento na 2ª Prévia de Janeiro de 2011


O consumidor precisa estar atento aos índices inflacionários divulgados por institutos de pesquisas para constatar se o preço de determinado produto ou serviço avança num valor justo ou, do contrário, se existem certos ganhos sobre as taxas oficiais.

Dados divulgados pela Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (Fipe) relatam que o Índice de Preços ao Consumidor (IPC), referente à cidade de São Paulo, acelerou para 0,86% na segunda leitura deste mês, ante índice de 0,61% verificado na prévia anterior. No confronto com o período análogo do mês passado, o IPC ascendeu 0,57% sobre o índice dessa ocasião.

Entre a primeira e segunda semana de janeiro, cinco das sete séries sondadas minutaram alta de preços, com destaque para o grupo Educação, que avançou para 2,29%, contra 0,96% de antes.

Os custos praticados em Despesas Pessoais aumentaram de 0,37% para 0,61%, enquanto em Transportes houve incremento para 1,66%, ante 0,77% da prévia anterior, bem como em Alimentação, de 1,39% para 1,54%, e Habitação, de 0,21% para 0,23%.

Diferentemente dos dados acima, os preços do grupo Saúde arrefeceram de 0,17% para 0,15%, enquanto de Vestuário para 0,03% negativo (na atual prévia) contra 0,26% positivo constatado na primeira leitura.

Por Luiz Felipe T. Erdei

Fonte: G1



Fipe – IPC (SP) – Crescimento na 1ª Prévia de Janeiro de 2011


O consumidor precisa estar atento aos movimentos inflacionários. Estima-se que neste ano a inflação poderá crescer para conter, assim, vertiginosas expansões vislumbradas em vários setores desde o ano passado. Dados divulgados pela Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (Fipe) indicam que o Índice de Preços ao Consumidor (IPC) no município de São Paulo cresceu 0,61% na primeira prévia de janeiro, contra 0,54% do percentual constatado no final de dezembro.

Com crescimento de 1,39%, a Alimentação foi o grupo de maior compressão sobre o IPC – já havia avançado 1,38% no mês passado. Educação também exerceu certa pressão, com incremento de 0,96% na primeira leitura de janeiro, ante 0,10% de dezembro.

O grupo Transportes também apresentou expansão na prévia inicial do mês, de 0,77%, contra 0,39% do último mês do ano passado. O aumento na categoria Despesas Pessoais, por sua vez, foi de 0,31% na leitura anterior para 0,37% na atual.

Na contramão dos grupos anteriores figuraram Saúde e Vestuário, que decresceram de 0,23% para 0,17% e de 0,67% para 0,26%, respectivamente. Diferente dos anteriores ocorreu na Habitação, em que a variação manteve-se no patamar de 0,21%.

Por Luiz Felipe T. Erdei

Fonte: G1



Fipe – Carne Bovina – Alta nos Preços em 2010


Um dos itens mais consumidos nos lares brasileiros, além dos tradicionais arroz, feijão e ovos, a carne bovina registrou amplo crescimento de preços, por quilo, entre janeiro e dezembro de 2010. Cálculos feitos pela Federação Instituto de Pesquisas Econômicas (Fipe) examinam que a alta foi de 34,5% no ano – apenas o filet mignon subiu 67,74%.

O custo mais elevado da carne no bolso dos brasileiros também foi sentido no Índice de Preços ao Consumidor (IPC) calculado pela entidade (variação de 6,40% em comparação a 2009). De acordo com Antonio Evaldo Comune, coordenador do medidor, a rigorosa entressafra no meio do ano foi prejudicada pela escassez na chuva, situação que lesou o pasto. Além disso, a demanda em crescimento contribuiu para a variante de preços.

Reportagem veiculada pelo portal de notícias G1 assinala que a carne foi o grande colaborar para o ramo Alimentação avançar 12,2% no ano passado e representar 2,65% de toda a variação do índice de preços. Possivelmente, prevê, Comune, em 2011 novos aumentos deverão ser sentidos no grupo devido a outras commodities do setor agrícola.

Por Luiz Felipe T. Erdei



Fipe – IPC Paulista – Queda em Dezembro de 2010


Dados divulgados no dia 05 de janeiro de 2011 pela Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas Aplicadas (Fipe) abalizaram que a inflação calculada ao consumidor de São Paulo recuou no mês passado em relação a novembro de 2010, fato impulsionado por elevação mais sucinta nos custos de Vestuário, Alimentação e Despesas Pessoais.

Segundo artigo veiculado pela agência de notícias Reuters, o Índice de Preços ao Consumidor (IPC) contraiu incremento de 0,54% no último mês de 2010, contra 0,72% constatado em novembro. O índice, portanto, está próximo do calculado por analistas examinados pelo meio de comunicação (0,50%). Em 2010, o medidor cresceu 6,4%, consideravelmente superior aos 3,65% vistos em 2009.

Por grupos, o de Alimentação saltou 1,38% no período em questão, 0,64% inferior ao percentual registrado em novembro (2,02%). O ramo de Despesas Pessoais, por sua vez, cresceu 0,31%, ante 0,59% de antes. Os preços de Vestuário mantiveram a tendência dos dois anteriores, com incremento de 0,67% em dezembro perante 0,84% de um mês antes.

Por Luiz Felipe T. Erdei



Fipe – IPC Paulista – Crescimento na 1ª Quadrissemana de Dezembro de 2010


Dados divulgados pela Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (Fipe) na quinta-feira (9 de dezembro) revelam que o Índice de Preços ao Consumidor (IPC) paulista contraiu avanço de 0,67% na primeira quadrissemana do mês, contra 0,72% de novembro.

As despesas do grupo Alimentação, que têm apresentado crescimento nas últimas semanas, proporcionaram desaceleração para 1,92% na leitura atual, contra 2,02% de antes. Os custos de Transporte, nutrindo essa tendência, também cresceram em menor volume, para 0,29% na primeira quadrissemana de dezembro ante 0,36% do mês passado.

De acordo com a Reuters, as despesas de Habitação mantiveram o mesmo preceito ao contabilizar alta de 0,10% na leitura atual, contra 0,20% no relatório anterior. Diferentemente dos demais, os preços de Despesas Pessoais e Vestuário cresceram em nível mais elevado, para 0,62% e 1,29%, respectivamente.

Por Luiz Felipe T. Erdei



Fipe – IPC Paulista – Crescimento em Novembro de 2010


O aumento de preço de vários componentes abrangidos pela inflação começou a abrandar. Segundo informações emitidas pela Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (Fipe), o Índice de Preços ao Consumidor (IPC) de São Paulo cresceu 0,72% no mês passado, abaixo do 1,04% de outubro. Analistas previam alta de 0,70%.

Os custos do grupo Alimentação cresceram 2,02% em novembro, inferior aos 2,84% do mês imediatamente anterior. Os preços de Transportes apresentaram acréscimo mais ameno, de 0,36% no primeiro período, ante 0,88% de antes. As Despesas Pessoais mantiveram a mesma tendência, com elevação atual de 0,59% sobre 0,64% de outubro, assim como saúde (0,25% contra 0,37%).

O grupo abarcado pela Fipe que se mostrou diferentemente foi o de Vestuário, que passou de um arrefecimento de 0,22% em outubro para avanço de 0,84% em novembro.

Por Luiz Felipe T. Erdei

Fonte: Reuters



Fipe – IPC Paulista – Queda na 3ª Quadrissemana de Novembro de 2010


Nota emitida à imprensa pela Fundação Instituto de Pesquisa Econômicas (Fipe) enuncia que a inflação ao Consumidor em São Paulo desacelerou em novembro, conjeturando, portanto, início de baixa da elevação de custos dos Alimentos, bem como variações mais amenas nos grupos Transportes e Habitação.

Na terceira quadrissemana do mês o Índice de Preços ao Consumidor (IPC) paulista contraiu avanço de 0,77%, ante incremento de 0,87% contabilizado na segunda quadrissemana. Os preços de Alimentação, especificamente, elevaram-se um pouco menos, para 2,02%, sobre 2,15 de antes.

Os custos de Habitação, influenciados pelo reajuste dos combustíveis, contabilizaram ascensão de 0,54% na terceira quadrissemana de novembro, ante acréscimo de 0,73% anterior.

Por outro lado, os custos de Vestuário apresentaram tendência diferente, pois aceleraram para o avanço de 0,54%, contra 0,37% de antes.

Por Luiz Felipe T. Erdei

Fonte: Reuters