Atualizações anteriores



Aumento do Índice de Desemprego na Espanha


O aprofundamento da crise econômica na Espanha fez o número de requisições do auxílio desemprego no país subir no mês de outubro. Nesse mês houve um aumento de 2,7% nos pedidos de auxílio desemprego no país, com um número 128.242 mil pedidos a mais do quem em setembro.

O número de pedidos de auxílio desemprego no país vem crescendo constantemente nos últimos meses. No mesmo período do ano passado houve o crescimento de 134.182 mil pedidos do auxílio.

Na comparação dos períodos de junho a outubro de 2011 e de junho a outubro de 2012, os pedidos de benefício aos desempregados espanhóis apresentaram altas respectivas de 119.339 mil e 171.267 mil. Embora em um ritmo menor, o número de pedidos de auxílio desemprego não para de subir na Espanha.

No mês passado o Instituto Nacional de Estatísticas espanhol divulgou que o número de desempregados no país superou o patamar dos 25% da população economicamente ativa. De acordo com os dados, o desemprego atinge mais os jovens. Os dados da Espanha mostram que mais de 50% dos jovens entre 18 e 21 anos não conseguem arrumar um emprego no país.

Fonte: O Estado de São Paulo

Por Matheus Camargo



Desemprego na Europa chega a 10%


O Eurostat, escritório europeu de estatística, divulgou os dados do desemprego na zona do euro e as notícias não foram animadoras, já que 10% da população encontra-se desempregada, repetindo os resultados de maio deste ano.

Essa percentagem implica em mais de 23 milhões de pessoas desempregadas só em junho deste ano na União Européia, sendo que nos últimos 12 meses a taxa de desemprego tem subido em toda a região, sendo que as maiores taxas de desempregados estão na Espanha e Letônia, como 20% da população.

Mas por que o desemprego é tão nocivo? A taxa de desemprego de um país ou de uma região, como a zona do euro, é calculada como uma percentagem do total da população economicamente ativa. Quando esta taxa aumenta, a sociedade como um todo perde, de várias maneiras. Perde os bens que os desempregados poderiam ter produzido, perde o capital investido na formação educacional de pessoas que no momento não produzem trabalho, em suma, desemprego é sinônimo de desperdício de tempo puro e simples, já que o tempo perdido na forma de ociosidade voluntária dos desempregados está perdido para sempre. Por isso a taxa de desemprego é uma das principais metas econômicas de todos os países.

Créditos: Cris Keller



General Motors congela salários de funcionários europeus por 2 anos


A montadora norte-americana General Motors anunciou que não irá reajustar os salários de seus metalúrgicos na Europa pelos próximos 2 anos, segundo o acordo firmado nos países onde possui fábricas da Opel, com os sindicatos locais.

Depois de firmar acordo na Alemanha, agora foi a vez da Inglaterra e, além do corte no reajuste de salários, a GM ainda pretende demitir mais 8.300 empregados, chegando ao numero de 50 mil postos de trabalho extintos em toda a Europa.

O motivo de tamanho corte, que deve amenizar as despesas em mais de 260 milhões de euros, é a reestruturação e modernização das fábricas da Opel.

Por José Alberi Fortes Junior



Crise nos EUA, Japão e Europa pode ser a pior desde a Segunda Guerra Mundial


Se você está cansado dos salários baixos pagos no Brasil e está querendo se mudar para o exterior para tentar uma vida melhor lá fora, pense novamente.

Infelizmente, o mundo já não é mais o mesmo. O desemprego está em alta nos EUA, Japão e Europa, países que, em conjunto, representam mais de 80% da riqueza gerada no mundo. A retração é, talvez, a mais forte desde a Segunda Guerra Mundial. Felizmente, nosso país, embora tenha sido atingido pela crise, está a salvo do pior, por enquanto.

Um termômetro da crise são as notícias que temos visto, como Japão vive pior crise econômica desde a 2ª Guerra Mundial (Invertia)Europa tem pior recessão em 50 anos (Estadão)PIB americano registra maior queda em 27 anos (Veja).

A queda mais dramática foi mesmo a do Japão, com uma incrível retração de 12,7% na atividade econômica. O paraíso dos dekasseguis e arubaitos virou um inferno com a queda brutal nas exportações daquele país.

Portanto, a menos que você tenha um emprego certo, um local definido para ir trabalhar, o melhor, neste momento, é deixar a tormenta passar. Ir para algum desses países agora é um risco enorme de perder as economias e ficar desempregado. Principalmente no Japão.