Atualizações anteriores



Empréstimo Consignado – FGTS poderá ser Usado como Garantia


Confira aqui as regras para realizar um empréstimo consignado usando o FGTS como garantia.

Os trabalhadores já podem usar a nova linha de crédito, que deve ser uma das mais baratas do mercado. Eles podem usar o saldo do Fundo de Garantia de Tempo de Serviço (FGTS) para realizar empréstimo consignado, ou seja, o desconto será realizado na própria folha de pagamento.

A nova linha de crédito pode ser utilizada por trabalhadores da iniciativa privada que tenham saldo no FGTS, a taxa de juros é de até 3,5% ao mês, que chega a aproximadamente 51% ao ano, o prazo máximo é de 48 meses e o limite de garantia em caso de inadimplência corresponde a 10% do saldo do FGTS, e em caso de desemprego, 100% da multa por demissão por justa causa.

Por oferecer risco mais baixo para os bancos, estima-se que as taxas devem ter valores acessíveis para os trabalhadores. Todavia, eles correm o risco de perder a poupança que os protegem se ocorrer desemprego. Desta forma, cabe ao colaborador avaliar se vale a pena ou não aproveitar a nova modalidade de crédito.

Segundo o Banco Central, por exemplo, em fevereiro a taxa média cobrada dos trabalhadores do setor privado no crédito consignado era em torno de 43,8% ao ano e os juros do cartão de crédito chegavam a aproximadamente 486% no mesmo mês. Em relação aos juros médios cobrados, em todas as modalidades de crédito para as pessoas físicas correspondiam a 73,2% ao ano.

Além disso, de acordo com o Ministério do Trabalho, devido à garantia do FGTS, as taxas do consignado não poderão ultrapassar cerca de 3,5% ao mês. A nova modalidade é indicada para as pessoas que estejam com dívidas elevadas como, por exemplo, as que são relacionadas com o cheque especial ou do cartão de crédito.

Segundo a agência de classificação de risco Moody’s, a modalidade de empréstimo consignado é recomendada para os bancos, pois diminui o risco de perda com crédito em caso de demissões. Desta forma, a garantia do FGTS é positiva, uma vez que os bancos não tinham acesso a estes recursos quando o trabalhador era demitido. Entretanto, o colaborador precisa avaliar e ponderar se realmente vale a pena fazer este tipo de empréstimo.

Por Babi



Câmara aprovou uma alta do limite do crédito consignado


Empréstimo consignado, que é descontado diretamente na folha do trabalhador ou do aposentado, teve seu limite aumentado, indo para 35% do valor total do salário.

Na última terça-feira (dia 15), a Câmara dos Deputados aprovou uma medida provisória que aumenta o limite do crédito consignado. O crédito é um tipo de empréstimo, que é descontado diretamente na folha do trabalhador. Podem contratar o chamado empréstimo consignado, empregados com cargo público e aposentados. Antes a margem era de 30% do valor total do salário, e agora a margem vai para 35%. O percentual a mais servirá para incluir as despesas geradas pelo cartão de crédito.

A votação terminou em 249 votos a favor e 200 contra, com 4 abstenções. Inicialmente os deputados deixaram um destaque (proposta para alterar o texto), para ser votado posteriormente, mas o trecho acabou sendo retirado da proposta e não foi votado. Agora a matéria vai em direção ao Senado para ser analisada.

O texto aprovado é de autoria do relator da comissão mista, o senador Valdir Raupp, do PMDB de Roraima. Segundo o texto, o percentual a mais, poderá ser usado para um possível saque, utilizando o cartão de crédito.

Houve críticas por parte de alguns deputados, pela elevação do teto de endividamento do servidor. Esses deputados cobram a redução dos juros cobrados pelas empresas de cartão de crédito. Nas palavras do deputado Edimilson Rodrigues, do  PSOL do Pará, os juros cobrados pelas empresas de cartões são um “saqueio aos recursos do cidadão”.

Uma proposta semelhante foi lembrada pelo deputado Pompeo de Mattos, do PDT do Rio Grande do Sul, na proposta anterior, o aumento previsto para a margem consignável seria de 30% para 40%, a proposta, porém, foi vetada pela Presidente Dilma.

Na avaliação do deputado, a MP é melhor do que a proposta anterior. Segundo ele “dos males, o menor”. O deputado resolveu apoiar a Medida provisória apresentada na terça-feira à Câmara.

O aumento do percentual de endividamento do servidor e dos aposentados é um risco à saúde financeira do brasileiro. Em um período onde a economia não anda bem das pernas, comprometer parte do salário com dívidas pode não ser a melhor coisa a se fazer. Mesmo que o percentual de 5% possa parecer irrisório para alguns, no final das contas representará um gasto representativo para o bolso de quem pagar. Saem ganhando as empresas de cartão de crédito, e o próprio governo, que arrecadarão uma boa fatia de juros.

Por Patrícia Generoso

Crédito consignado



Banco Mundial anuncia empréstimo de 200 Milhões para o Bolsa Família


O Banco Mundial anunciou neste sábado, 18, empréstimo de US$ 200 milhões ao Brasil para serem investidos no Bolsa Família, no que eles consideraram “um dos programas de luta contra a pobreza mais bem sucedidos do mundo”. Segundo a entidade, mais de 20 milhões de pessoas conseguiram sair do estado de miséria no Brasil com o auxílio do programa.

O empréstimo deverá constar no montante de apoio à segunda etapa do programa e deverá ser investido na inscrição de beneficiados, entrega e controle das distribuições. Com isso, o Bolsa Família visa completar 75% da renda familiar de uma fatia de 20% dos brasileiros mais pobres.

Atualmente 12,7 milhões de famílias recebem o Bolsa Família.

Por Diego Diniz



The Economist contesta crescimento do BNDES


A maioria dos brasileiros está satisfeita com os progressos do país nos últimos anos, afirmação justificada com base em levantamentos entre os cidadãos com relação à aprovação do governo de Luiz Inácio Lula da Silva. Apesar desse ponto altamente favorável, a revista The Economist, de origem britânica, voltou a contestar algumas realizações da nação tupiniquim.

O veículo de comunicação alegou, nesta semana, existir crescimento rápido do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), porém, com pouca competição e transparência. o veículo de imprensa usou como comparação os empréstimos concedidos pelo Banco Mundial, abaixo, portanto dos feitos pela instituição do Brasil.

Além de relacionar essas características, a revista cruzou alguns cargos e seus respectivos nomes. Em reportagem enunciada pelo portal de notícias G1, avaliou existir junções políticas do BNDES, tais como Guido Mantega, ministro da Fazenda, ser ex-presidente do banco brasileiro e Luciano Coutinho, atual gestor da entidade, o preferido da presidenciável Dilma Rousseff (PT) para sucedê-lo.

Embora esteja situada em outro continente, a revista parece muito bem acompanhar as entidades brasileiras. Qual é o seu objetivo principal?

Por Luiz Felipe T. Erdei



FMI sugere ao Brasil diminuir contenção de empréstimos


As pesquisas de intenção de votos têm envolvido vários motivos para Dilma Rousseff, presidenciável petista, estar à frente de seus demais adversários. Recentemente, estudos revelaram que a boa aceitação de sua candidatura deve-se, em parte, ao bom andamento da economia do país – situação percebida nos últimos anos. O presidente Luiz Inácio Lula da Silva, segundo alguns, é um dos principais responsáveis e o pilar primordial no acesso, pela população, à aquisição de bens antes inimagináveis.

O Fundo Monetário Internacional (FMI), entidade subliminarmente criticada por Lula tempos atrás, tem percebido a progressão do país, tanto que estimou crescimento da economia em 7,1% neste ano. Apesar de possivelmente ocasionar uma euforia, o órgão pediu às autoridades brasileiras políticas para a manutenção da estabilidade financeira e macroeconômica.

Dominique Strauss-Kahn, diretor-gerente do FMI, mencionou em reportagem veiculada pelo portal de notícias G1 que aguarda a estabilidade do crescimento brasileiro, pois seria inviável qualquer sobreaquecimento, situação já relatada anteriormente pelo Fundo meses atrás. No objetivo de indicar alguns pontos, a entidade aconselhou a contínua redução de despesas e contenção de empréstimos outorgados pelo Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES).

Pois bem, será que a economia deve ser o único foco a ser levado em consideração por autoridades estrangeiras, pois, ao que tudo indica, só veículos de comunicação mais conservadores enxergam algumas desigualdades.

Por Luiz Felipe T. Erdei



Santander irá liberar R$ 280 milhões em empréstimos em 2010


No filme cinematográfico “Sim, Senhor”, o personagem estrelado por Jim Carrey se destaca em seu trabalho por conceder microcréditos à população, que recorria ao plano para abrir negócios ou sanar suas dívidas. Na película, a modalidade é bem vista e apresenta grande sucesso, com o pagamento praticamente pontual dessas pessoas.

O Banco Santander, uma das entidades bancárias de grande destaque no país, almeja liberar R$ 280 milhões em empréstimos de pequeno porte em 2010, segundo atesta José Paiva Ferreira, vice-presidente executivo de varejo da empresa. De acordo com o portal mercado UOL, o valor suplanta o conferido entre 2002 e o ano passado, que totalizou R$ 227 milhões.

UOL revela que essa ampliação tem por base o desenvolvimento financeiro dos clientes com remuneração baixa, ao mesmo tempo em que conseguem ampliação de suas rendas. A entidade indica a possibilidade de agregar outros planos para angariar novos correntistas, porém, ainda não assoalhou quais são.

Por Luiz Felipe T. Erdei