Atualizações anteriores



Dia das Mães – Faturamento do varejo online apresentou crescimento em 2011


Comparativo de preços, comodidade de realizar compras sem sair de casa ou do escritório, inúmeras formas de pagamentos. Estas são apenas algumas das condições oferecidas pelo varejo online, que com o aumento das medidas de segurança na rede ganha novos interessados a cada dia.

Números reunidos pela Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL) revelam que o faturamento do comércio virtual saltou 22% no Dia das Mães de 2011 em comparação à mesma data de um ano atrás, para R$ 760 milhões. Enquanto a modalidade via rede mundial de computadores apresentou tamanho avanço, o varejo físico cresceu 6,53%.

Embora o acesso mais amplo dos internautas tenha culminado na alta, estudo realizado pela e-Bit, consultoria especializada no varejo online, assinala que o tíquete médio apresentou baixa do Dia das Mães do ano passado para a ocasião de 2011, de R$ 380 para R$ 350.

Há um ano, o comércio virtual e físico teve como estimulante a Copa do Mundo realizada na África do Sul, pois antes do mundial de futebol os consumidores procuraram antecipar compras de televisores, um dos itens que mais apresentou avanços de demanda no período.

Na opinião de Alexandre Umberti, diretor de marketing e produtos da e-Bit, o aumento do poder de renda da população, inserindo muitos na classe C, impulsionam as vendas inclusive de produtos de maior valor em função da facilidade de pagamentos, geralmente em até 12 vezes sem juros.

O Plano Nacional de Banda Larga (PNBL) desenvolvido pelo governo do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e fomentado pela presidenta Dilma Rousseff pode colaborar ainda mais aos números.

Por Luiz Felipe T. Erdei

Fontes: SPC Brasil, Diário do Grande ABC



Dia das Mães 2011 – Estimativas de faturamento do comércio


As perspectivas para o Dia das Mães são otimistas, mesmo com indícios de desaceleração da economia – na verdade, esta é uma situação já anunciada desde 2010, quando o Banco Central (BC) postou por diversas vezes em seu relatório Focus projeções de expansão do Produto Interno Bruto (PIB) próximas de 4,50% (atualmente o índice está mais baixo).

Sondagem desenvolvida pela Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de São Paulo (Fecomercio) prevê faturamento 3% a 4% maior no Dia das Mães deste ano em comparação à comemoração realizada em 2010. A ocasião, por sinal, é considerada pelo comércio como a segunda melhor data do ano, perdendo apenas para o Natal.

Os varejistas de São Paulo podem, realmente, esperar bom movimento. De acordo com o estudo, 66,3% dos paulistanos almejam presentear suas genitoras, índice 10% acima do patamar registrado em 2010.

A federação ressalta que do total de entrevistados, 72,5% pretendem e devem gastar valores acima de R$ 70, com valor médio de R$ 62. Entre os principais presentes destacam-se vestuário, acessórios e calçados, com 31,6% da preferência, seguidos por perfumes e cosméticos, 10,1%, e eletrodomésticos, 9%.

Por Luiz Felipe T. Erdei



Dia das Mães – Valores dos produtos em 2011


Estudo divulgado pela Fundação Getúlio Vargas (FGV) indica aquilo que os consumidores não se lembram com exatidão: diferença de preços de produtos entre um ano e outro. Assim, o Dia das Mães promete ser rentável para praticamente todos os setores com produtos dedicados às genitoras, desde sapatos e vestuário a artigos do campo tecnológico.

A FGV anuncia que os 22 produtos relacionados no levantamento apresentaram avanço médio de preços de 5,93% entre os meses de maio do ano passado e abril de 2011, índice, portanto, abaixo da inflação acumulada do período, atualmente em 6,05%. Por tratar-se de uma média, obviamente parte dos produtos contraiu elevação de dois dígitos.

O maior aumento sentido ocorreu no item relógios, que de maio de 2010 para cá acumula alta de 12,20%. Em seguida, de acordo com a FGV, aparecem livros em geral, incremento de 6,81%, e cintos e bolsas, alta de 6,47%. Descreveram tendência oposta televisores, com taxa negativa de 11,68%, celulares, -9,53%, e máquina de lavar roupas, -4,33%.

O estudo também aponta aumento superior à inflação acumulada nos setores de serviços, como restaurante, cuja taxa ascendeu 9,94%, academia de ginástica, incremento de 9,35%, e passeios e férias, índice positivo de 8,37%.

Por Luiz Felipe T. Erdei



Procon (SP) – Diferença de preços entre artigos de beleza pode ultrapassar 148%


O tema mais comentado desta semana é, seguramente, compras para o Dia das Mães. A poucas horas da comemoração, muitas pessoas ainda percorrem shoppings e comércios de rua na intenção de adquirir um presente de última hora, independente do valor a ser pago, ou melhor, sem a devida comparação de preços.

O 5º dia útil de maio, pelo calendário nesta sexta-feira, deve estimular a ida de pessoas aos shoppings, favorecendo inclusive o setor de serviços – lanchonetes, cinemas e afins. Para salientar ao consumidor os preços de artigos de beleza, a Fundação de Proteção e Defesa do Consumidor (Procon-SP) realizou uma pesquisa ainda no mês passado.

Utilizando como base de estudo depiladores, pranchas para cabelos e secadores, a fundação percorreu grandes lojas para tecer o necessário comparativo de preços. Uma prancha bivolt com temperatura máxima de até 210º foi encontrada por R$ 79,99 em um dos estabelecimentos físicos sondados, mas em outro o preço voou para R$ 199,00. Em percentuais, diferença de 148,78%.

Por essas e outras diferenças é que os consumidores precisam se atentar e não deixar para comprar presentes de última hora. De real em real é possível economizar o suficiente para até adquirir outros bens para si ou à família.

Por Luiz Felipe T. Erdei