Atualizações anteriores



Como Pagar o INSS como Autônomo


Saiba como contribuir para o INSS como autônomo. Como fazer e como pagar.

Uma das preocupações de milhões de trabalhadores em todo o Brasil é, sem sombra de dúvidas, a contribuição juntamente ao INSS. Vale destacar que é esta contribuição que irá definir a aposentadoria do empregado por tempo de trabalho. Mas e quanto aos trabalhadores autônomos, ou seja, aqueles que trabalham por conta própria seja prestando serviços a outras pessoas físicas ou qualquer outro tipo de atividade. Eles também podem efetuar sua contribuição e ter direito a sua aposentadoria e demais benefícios como os outros trabalhadores.

O primeiro passo para começar a efetuar sua contribuição mensal junto ao INSS é fazer a sua inscrição no INSS através de cadastro no NIT ou PIS. É por meio deste cadastro que você será identificado de forma a ter acesso aos benefícios sociais. Para aqueles que nunca trabalharam de carteira assinada é necessário fazer sua inscrição na categoria de filiado na Previdência Social. A boa notícia é que esse cadastro é extremamente fácil de ser realizado, sendo possível concluir o mesmo através de central de atendimento por telefone, por meio da internet ou em uma agência física da Previdência Social.

Os interessados em se cadastrar através da internet devem acessar o site www.dataprev.gov.br. Se preferir ainda é possível fazer o contato por telefone através do número 135 ou em uma agência física mais próxima. Alguns dados pessoais serão solicitados como, por exemplo, número do CPF, RG e etc.

Tipos de contribuição, valores e percentuais das alíquotas

Outro passo importante neste processo é a escolha do tipo de contribuição. Os autônomos deverão optar pela categoria denominada “Contribuinte Individual”. Porém, existem algumas variantes dentro de cada categoria de contribuição. Cada variante conta com um código pré-definido que deverá ser informado na Guia da Previdência Social (GPS). Confira abaixo essas variantes e uma breve explicação a respeito delas.

· Contribuinte Individual com recolhimento mensal (código 1007): Irá reconhecer o direito do trabalhador se aposentar por idade ou por tempo de contribuição. Essa opção de contribuição requer uma alíquota de 20% do salário mínimo ou renda por mês no caso dos autônomos. Segundo as atuais regras do INSS devem ser pagos 20% referente a uma renda de até R$ 4.663,75.

· Contribuinte Individual com recolhimento trimestral (código 1104): Esse código também irá garantir o direito de aposentadoria tanto por tempo de contribuição como por idade. Entretanto, a alíquota de 20% sobre sua renda será aplicada apenas a cada período de três meses.

· Contribuinte Individual com recolhimento mensal (código 1163): A vantagem deste código é que o mesmo recolhe apenas 11% do salário mínimo vigente ou da renda mensal do autônomo. Apesar disso, a única opção de aposentadoria é aquela por idade.

· Contribuinte Individual com recolhimento trimestral (código 1180): Também disponibiliza apenas a opção de aposentadoria por idade, sendo que sua alíquota é de 11% e a arrecadação do valor funciona da mesma maneira que o código 1104.

· Contribuinte Individual Rural com recolhimento mensal (código 1287): Está disponível apenas para os trabalhadores rurais autônomos. Oferece a disponibilidade de se aposentar via tempo de contribuição ou por idade. Sua alíquota é de 20% em relação à renda mensal do contribuinte.

· Contribuinte Individual Rural com recolhimento mensal (código 1236): Com as mesmas características do código anterior, suas principais diferenças são a alíquota que é de 11% e a opção de aposentadoria apenas por idade.

Como preencher o carnê?

O preenchimento da Guia da Previdência Social (GPS) é bastante importante. Você poderá fazer isso de forma simples e rápida através do site oficial da Previdência Social (portal.inss.gov.br/servicos-do-inss/calculo-da-guia-da-previdencia-social-gps). Basta selecionar sua categoria de contribuinte, informar o número de cadastro no INSS (seja ele PIS ou NIT). Você deverá preencher os seguintes campos: salário de contribuição, competência, código do pagamento além de dados do pagamento. Uma vez preenchido o carnê online, basta imprimir a sua Guia e efetuar o a pagamento.

A opção acima é bem prática e simples, mas se desejar você poderá adquirir a Guia em papelarias ou bancas de jornal e preencher a mesma manualmente.

Pagamento

Com a Guia devidamente preenchida em mãos agora só resta efetuar o pagamento da mesma. Para isso basta procurar a casa lotérica ou banco mais próximo da sua residência.

Vale destacar que a data de vencimento da Guia sempre será no dia 15 do mês seguinte àquele que você está efetuando a contribuição. Dessa forma, se você irá fazer a contribuição de fevereiro, então a data de vencimento desta Guia é 15 de março. Se essa data acabar sendo no final de semana ou feriado, o vencimento será prorrogado para o próximo dia útil.

O atraso no pagamento resultará no pagamento de multas de atraso por parte do autônomo. Tais multas chegam a custar caro, por isso, sempre mantenha seu pagamento em dia.

Por Bruno Henrique

Guia GPS



Artesãos podem se tornar micro-empresários


Cada vez mais artesãos estão provando que é possível viver apenas com o resultado de seus trabalhos manuais. Muitos já se tornam micro-empresários, atingindo ganhos de até 2 mil reais ao mês – isso sem contar os ganhos extras com palestras e aulas. Uma opção para quem quer começar a vender a sua produção, sem sair de casa, é o site Elo7. Trata-se de uma verdadeira vitrine do artesanato.

Se você não quiser ou puder trabalhar em casa, a solução é buscar as cooperativas. A Superintendência do Trabalho Artesanal nas Comunidades (Sutaco), por exemplo, oferece aos paulistas a oportunidade de vender as suas peças para grandes empresas. Além disso, promove a capacitação técnica e gerencial do artesão para que ele possa tocar o seu próprio negócio, com nota fiscal e tudo.

Por Rosália do Vale



Empreendedorismo – Mulheres Superam Homens na Criação de Empresas


Desde que as mulheres conquistaram direitos antes pertencentes somente aos homens, essa fatia social tem conseguido estabelecer novos padrões para o mercado mundial. Especialistas admitem que o lado feminino da sociedade age com mais cautela ante à camada masculina e que o sucesso em qualquer área onde atuam é quase sempre certo.

Um levantamento concretizado no ano passado e revelado nesta semana pelo Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae) relata que das quase 20 milhões de pessoas que lideram algum empreendimento pelo Brasil, 53% são mulheres e o restante são homens. O portal de notícias G1 afirma que esta é a primeira vez que isso acontece no país.

Além desse fator crucial para a nova configuração do cenário brasileiro, o estudo, com base em pesquisa da Global Entrepreneurship Monitor (GEM), avalia que as mulheres também sobrepujaram os homens em relação ao empreendedorismo por oportunidade, ou seja, quando algum cidadão não abre uma empresa por necessidade, mas sim como ganha pão.

O levantamento recolheu dados de mais outros 54 países e constatou, pois, que o mesmo panorama visto no Brasil também aconteceu na Guatemala e em Tonga.

Para conferir mais informações aqui.

Por Luiz Felipe T. Erdei



Autônomos possuem dificuldades em Comprovar Renda


A dificuldade em apresentar comprovantes de rendas aceitáveis para instituições bancárias causam um grande transtorno para empregados autônomos ou independentes.

Por isso muitas pessoas aceitam ganhar ou receber menos em regime de CLT, ou seja, com carteira assinada e comprovante de renda reconhecido.

O credito é maior para quem consegue comprovante, e isso também facilita ao credor a facilidade de confirmação.

A segurança para quem empresta dinheiro financia bens ou faz qualquer movimentação bancaria também é algo para se analisar, afinal autônomos não mostram a mesma segurança e estabilidade de alguém com registro trabalhista.

Por José Alberi Fortes Junior