Abono Salarial PIS Pasep 2020 – Como Consultar pelo Celular



Saiba aqui como fazer a consulta do Abono Salarial pelo celular.

O pagamento do abono salarial PIS/PASEP foi liberado pelo Banco do Brasil e pela Caixa Econômica Federal desde a segunda metade do mês de agosto, mais precisamente a partir do dia 19. O benefício — que em alguns casos pode chegar ao valor de um salário mínimo — é válido para os profissionais que trabalharam formalmente no ano de passado.

O PIS, pago pela Caixa Econômica, é direcionado as pessoas que trabalharam por, no mínimo, 30 dias no decorrer de 2019, sendo com carteira assinada. Já o PASEP, com responsabilidade de se pago pelo Banco do Brasil, é voltado para os funcionários públicos que atenderem os mesmos requisitos.



É importante ressaltar que, tanto no PIS quanto no caso do PASEP os valores são pagos para quem recebeu uma média de até 2 salários por mês.

Para quem ainda não sabe se tem direito a este benefício, não é preciso se preocupar. Felizmente, a consulta do abono salarial pode ser feita diretamente por meio do celular. Confira, a seguir, o passo a passo de como fazer a consulta pelo aplicativo da Caixa:



1 – É necessário fazer o download do aplicativo Caixa Trabalhador na Google Play (Android) ou App Store (iOS);

2 – Após instalar o app, basta dar um toque no botão “Acessar”;

3 – Quem já fez uso desse serviço em algum momento apenas precisa informar o CPF e a senha que foi cadastrada. Se não for esse o caso, o usuário deve tocar em “Cadastre-se” para criar sua conta;

4 – Depois de inserir os dados no aplicativo (feito o login), os passos são “Consultas” > “Exercício Vigente” > “Abono Salarial”.

Leia também:  Novo Salário Mínimo 2016

5 – Seguindo as orientações acima as informações referentes ao benefício serão apresentadas na tela.

Observação: este método de consulta do abono salarial somente está disponível para os trabalhadores que são atendidos pela Caixa Econômica Federal.

Servidores públicos: como consultar

Já para quem é servidor público e deseja saber se tem direito ou não ao abono salarial, a consulta poderá feita no site do Banco do Brasil. O interessado precisa apenas informar os dados que foram solicitados.

Calendário de pagamentos

  • Para pessoas nascidas em julho: 16/07/2020 até 30/06/2021
  • Para pessoas nascidas em agosto: 18/08/2020 até 30/06/2021
  • Para pessoas nascidas em setembro: 15/09/2020 até 30/06/2021
  • Para pessoas nascidas em outubro: 14/10/2020 até 30/06/2021
  • Para pessoas nascidas em novembro: 17/11/2020 até 30/06/2021
  • Para pessoas nascidas em dezembro: 15/12/2020 até 30/06/2021
  • Para pessoas nascidas em janeiro: 19/01/2021 até 30/06/2021
  • Para pessoas nascidas em fevereiro: 19/01/2021 até 30/06/2021
  • Para pessoas nascidas em março: 11/02/2021 até 30/06/2021
  • Para pessoas nascidas em abril: 11/02/2021 até 30/06/2021
  • Para pessoas nascidas em maio: 17/03/2021 até 30/06/2021
  • Para pessoas nascidas em junho: 17/03/2021 até 30/06/2021

Conforme apontado acima, a data de pagamento do abono salarial depende do mês em que trabalhador nasceu. Por isso, vale a pena ter atenção para saber quando ir até a agência fazer a retirada.

Em 2019, as estimativas do governo federal era de que cerca de 23,6 milhões de pessoas receberiam o abono em relação aos meses em que trabalharam durante o ano. Entretanto, a concessão desse benefício para uma parcela da população ainda levanta vários questionamentos.

O principal deles envolve o fato de o abono ser destinado para pessoas que estão trabalhando, têm direitos trabalhistas garantidos e altos rendimentos, além de receberem aumentos de salário.

Leia também:  Valor do Salário Médio de Engenheiro em 2015

Do outro lado da história, os trabalhadores informais, que sentem mais o peso das variações e crises da atividade econômica, contam com um rendimento médio inferior ao dos formais, não se enquadram nos critérios para receber o Bolsa Família e muito menos gozam de direitos trabalhistas.

Ou seja, alguns críticos apontam que o abono salarial deveria ser repensado, especialmente em decorrência da atual situação de crise provocada pela pandemia, onde os mais vulneráveis são exatamente aqueles que menos apoio conseguem.

Denisson Antunes Soares

Outros Conteúdos Interessantes

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *