Taxas de juros do cheque especial subiram novamente



  

Taxas subiram de 13,56% ao mês em setembro para 13,72% ao mês em outubro. Segundo dados, essa é a nona alta consecutiva.

De acordo com uma pesquisa realizada pela Equipe de Pesquisas da Diretoria de Estudos e Pesquisas do Procon de São Paulo, as taxas de juros do cheque especial tiveram aumento pelo nono mês consecutivo. A taxa média de 13,56% ao mês cobrada em setembro subiu para 13,72% ao mês em outubro. Ao todo, foram observadas as taxas cobradas em sete bancos: Banco do Brasil, Caixa Econômica Federal, Safra, Itaú, Bradesco, Santander e HSBC.

Esse é nono aumento consecutivo da taxa. Em 2016, a taxa só se elevou. Em janeiro, o valor dos juros cobrados no cheque especial era de 12,52%. Observa-se um aumento de 1,2 pontos percentuais em menos de um ano. Especialistas alertam o consumidor que, por conta das altas taxas de juros, as dívidas podem se tornar impossíveis de serem quitadas e pedem cautela na hora de contrair novos gastos. Para exemplificar, um consumidor com uma dívida de R$ 1.000 no cheque especial, se deixar essa dívida acumular sem pagar nada, após um ano terá uma dívida atualizada de R$ 4.677, tomando por base a taxa de juros atual, de 13,72% ao mês.

Leia também:  FGTS - Como saber o saldo de contas inativas

Três bancos foram os responsáveis por mais aumento na taxa do cheque especial. Bradesco, Itaú e Caixa Econômica Federal tiveram uma variação positiva na modalidade de crédito. No banco público foi onde se observou a maior variação nos juros: houve um aumento de meio ponto percentual em relação ao mês de setembro. A taxa, que em setembro era de 13,05% ao mês, agora está em 13,55% ao mês. Em seguida, vem o Bradesco, que teve uma variação de 13,15% ao mês para 13,55% ao mês. Apesar de mais modesta, a taxa do Itaú também subiu. Foi de 12,95% a.m. em setembro, para 13,14% ao mês agora em outubro.

Leia também:  Consulta do Saldo do FGTS por meio de Aplicativo




Outra taxa que também registrou aumento foi a do empréstimo pessoal. A taxa média do empréstimo pessoal subiu de 6,8% ao mês em setembro para 7,05% ao mês em outubro. O aumento foi causado por uma elevação grande promovida pelo Banco do Brasil, que aumentou a taxa de 5,60% ao mês em setembro para 7,40% ao mês em outubro. Nesta modalidade de crédito, a Caixa Econômica Federal possui a menor taxa, de 5,5% ao mês, enquanto o HSBC possui a maior, de 8,99% ao mês.

Por Renato Senna Maia

Juros