Previsões indicam maior inflação e economia mais retraída

  

  

Especialistas em economia acreditam que neste ano de 2015 e em 2016 a situação do Brasil ficará ainda mais preocupante.

O prognóstico dos especialistas em economia e áreas afins não é nada animador para os brasileiros, em meio à crise e com a alta do dólar nos últimos dias o cenário do próximo ano é preocupante.

Alguns acontecimentos contribuíram para que o dólar atingisse a casa de mais de R$ 4,00 nesta semana como, por exemplo, a perda do grau de investimento, o rebaixamento do rating no Brasil pela agência Standard & Poor’s.


Vale lembrar que o grau de investimento é extremamente importante no cenário econômico, ele é uma espécie de selo de qualidade que garante que determinados países são bons pagadores, minimizando a possibilidade de prejuízos e calotes e melhorando a imagem no mercado.

Leia também:  Reajuste do Bolsa Família em 2018

A alta do dólar já demonstra impacto sobre os IGPs (que mede a evolução dos preços em um determinado período), segundo os dados divulgados pela Fundação Getúlio Vargas o IGP-10 e o IGP-M  subiram mais de 0,60% na segunda análise do mês de setembro.

A estimativa para alta do IPCA (Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo) 2016 segue sofrendo dificuldades e após a sexta derrota seguida distanciou-se ainda mais da meta de 4,5%.

  

Com a recente alta do dólar, as projeções em relação à inflação para o final deste ano e 2016 subiram e é preciso ter cautela, pois a economia está passando por uma fase bastante delicada.

Leia também:  Valor do Salário Mínimo 2019 - Previsão do Governo

No âmbito industrial, a perspectiva de produção para 2016 também preocupa, a projeção divulgada é de apenas 0,20% de crescimento.

Especialistas no assunto acreditam que os juros neste ano de 2015 fiquem na casa dos 14,25% e enxergam de maneira geral pouco crescimento econômico para o Brasil no próximo ano.

Para nós, resta torcer para que os esforços consigam conter a crise que já vem demonstrando reflexos tanto no bolso dos contribuintes quanto no desenvolvimento do Brasil em diversas áreas.

Por Beatriz 

Economia brasileira