Custo de vida em São Paulo teve alta de 0,95% em julho



  

Os principais grupos que impactaram na alta do custa de vida em São Paulo foram Habitação, Alimentação, Educação e Transporte.

O Dieese (Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos) informou que o custo de vida em São Paulo registrou um aumento em 0,95% no mês de julho se comparado com o mês anterior.

O Dieese informou que esse aumento se deve a vários fatores onde podemos perceber que as maiores contribuições para aumentar o ICV (Índice do Custo de Vida) vieram dos seguintes grupos:

  • Habitação (2,69%);
  • Alimentação (0,69%);
  • Educação (0,68%);
  • Transporte (0,12%).

Esse resultado do ICV reflete diretamente nas famílias que apresentam baixa renda, pois nos últimos 12 meses ocorreram um acúmulo de exatamente 10% e no caso dessas famílias ficou em 11,78%, para uma taxa que em 2015 estava em 8,05%.

Outros dados que merecem também uma maior observação são os seguintes:

  • Como a tarifa de energia elétrica teve um aumento de 15,06%, o subgrupo de operações do domicílio teve um aumento de 4,01%;
  • No grupo referente a alimentos, podemos destacar o aumento direto no subgrupo de alimentos in natura e semielaborados (0,94%), onde temos o destaque direto para as raízes e os tubérculos, sobretudo para a cebola (7,05%) e depois para a batata (4,6%). Fora isso, ainda temos o subgrupo de produtos da indústria alimentícia (0,50%) e também alimentação fora do domicílio (0,44%), onde no quesito dos industrializados o leite longa vida teve aumento de 4,16% e o chocolate caiu em 2,06%;
  • No grupo da educação e leitura, o subgrupo da educação teve um aumento de 0,72%, do qual os cursos formais ficaram com 0,97%, decorrentes do reajuste de 2,525 dos cursos universitários;
  • No grupo de transporte a tarifa de ônibus interestadual foi um grande atenuante para o aumento (7,67%) e no caso do transporte individual foi o contrário, onde teve uma diminuição de 0,14%, decorrente a uma queda de 0,66% diretamente dos combustíveis.
Leia também:  Dinheiro das Contas Inativas do FGTS - Transferência para outros bancos

Fora tudo isso que foi analisado o Dieese ainda realiza o cálculo do custo de vida da renda dos paulistanos e o divide em 3 partes:





1.       Família de baixa renda com taxa de 1,33%;

2.       Famílias com uma renda intermediaria apresentam um aumento de 1,05%;

3.       Famílias com alta renda obtiveram um aumento de 0,8% no seu custo de vida.

Por Fernanda de Godoi

Custo de vida