Bradesco comprou o HSBC Brasil por US$ 5,2 bilhões



  

Com a aquisição, o Bradesco chega bem perto de seu maior concorrente, o Banco Itaú, que é considerado o maior banco privado do País. Os clientes e as agências do HSBC passarão a ser geridos pelo Bradesco.

Na última segunda-feira (dia 3) o banco HSBC anunciou à imprensa que vendeu sua subsidiária para o Banco Bradesco. A operação teve o total de US$ 5,2 bilhões em movimentação financeira, o que equivale a R$ 17,6 bilhões.

Depois da compra, o Bradesco chega bem perto de seu maior concorrente, o Banco Itaú, que é considerado o maior banco privado do País. O Itaú possui ativos no total de R$ 1,2 trilhão.

O presidente do Bradesco, Luiz Carlos trabuco Cappi, afirmou através de uma teleconferência na última segunda-feira, que a empresa está grata em ter chegado a um bom termo. Desde o ano de 1943, o Bradesco já realizou 48 novas aquisições, sendo a mais importante, a aquisição do HSBC, banco de enorme relevância dentro do país.

Leia também:  Saque do FGTS Inativo - Calendário de Pagamento Oficial

Depois da aquisição, o Bradesco tomará conta de todas as operações do banco de HSBC, incluindo operações de varejo, seguros e administração de seus ativos. Com a venda, os clientes e as agências do HSBC também passarão a ser geridos pelo Bradesco. Porém, o banco HSBC manterá a sua presença no país, somente para as grandes empresas.





A venda foi selada definitivamente no dia 31 de julho e atualmente está em processo de aprovação regulatória. O processo completo tem previsão para ser concluído até junho do próximo ano.

A transação para a aquisição do HSBC ficou em um valor acima do esperado pelo mercado. Mas segundo alguns analistas da agência Credt Suisse, a transação foi estratégica e o Bradesco agora pode implantar mais eficazmente o seu excesso de capital, já que a perspectiva para o crescimento de crédito para os próximos anos é fraca.

Leia também:  FGTS Inativo - Caixa pode Depositar Crédito Automaticamente nas Contas

Já para os analistas da agência BTG Pactual consideram a compra estratégica, pois o cenário macroeconômico do país está frágil e dificulta altos níveis de retorno, inclusive para o principal rival do Bradesco, o Itaú Unibanco.

Por Patrícia Generoso

Bradesco e HSBC