Itens que a inflação pesou mais e menos em junho

  

  

No 1º semestre deste ano a inflação atingiu seu maior índice desde 2003. Grupos como Despesas Pessoais e Transporte foram os que registraram maior alta na inflação e grupo Alimentação e Bebidas foi que menos pesou na inflação.

Desde 2003 que a inflação no Brasil não subia tanto como agora, no primeiro semestre do ano, e os brasileiros vão buscando alternativas para conseguirem driblar a alta dos preços em todos os setores, sendo que alguns subiram mais e outros menos em junho, mas a alta foi generalizada. O IBGE monitora 9 grupos e em 5 deles a inflação pesou bem mais agora neste mês de junho.

E por mais estranho que possa parecer, a inflação pesou muito mais nos jogos de azar, que tiveram um reajuste de 30%, elevando para o alto o grupo das "Despesas Pessoais". Neste grupo, a inflação pesou mais, subindo de 0,74% para 1,63% em apenas um mês.

Leia também:  Como Comprar na Black Friday Sem Cair em Armadilhas

Outro fator que ajudou na alta da inflação foram as passagens aéreas, um item sempre muito instável no IPCA e que teve uma alta de 29% em apenas um mês e, por isso, o grupo "Transporte" também pesou muito na inflação, dando um salto de -0,29% para 0,70% comparando os meses de maio e junho.
No grupo "Alimentação e Bebidas" a alta foi de 0,63% e no de "Habitação" o aumento registrado chegou a 0,86%.

Em quase 2 décadas, a inflação oficial apresentou a maior alta para o mês de junho e além dos jogos de loteria e as passagens aéreas, as contas de água e esgoto ajudaram a pesar para o aumento da inflação.
E maio, a inflação medida pelo IPCA – Índice Nacional de Preços ao Consumidor – ficou em 0,74% e em junho foi para 0,79%, sendo a maior alta para o mês de junho desde o ano de 1996. Para o primeiro semestre deste ano a inflação oficial já chegou a 6,17%, o maior índice desde 2003.

Leia também:  Salário Mínimo Ideal - Valor em Janeiro 2018

Diferente do que muitos acreditavam, a inflação pesou menos nos alimentos, pois com raras exceções, o grupo "Alimentação e Bebida" chegou a desacelerar de 1,37% registrado em maio para 0,63% no mês de junho. Mas isso não significa que os preços dos alimentos caíram, pelo contrário, eles continuam subindo, só que menos do que os grupos que pesaram mais para a inflação de junho.

  

Tomate, cenoura e hortaliças ficaram mais baratos entre maio e junho. Em compensação, a cebola e o pãozinho francês ficaram mais caros, só que em um ritmo mais lento do que no mês de maio.

Por Russel

Inflação