Energia elétrica terá reajuste de 43,4% até o final de 2015



O reajuste da energia elétrica é consequência direta do repasse às tarifas do custo de operações de financiamento.

Em meio ao difícil cenário econômico brasileiro, alta das taxas de juros e aumento de impostos, mais uma notícia desagradável surgiu: até o final de 2015 a energia elétrica deve ter um reajuste de 43,4%. A informação foi divulgada pelo Banco Central na última quarta-feira, 24 de junho. A informação veio através do relatório de inflação do segundo trimestre de 2015.

Vale ressaltar que há apenas duas semanas atrás o Banco Central havia divulgado a sua previsão para o reajuste da energia elétrica em 2015: 41% até o final do ano. E para aqueles que não sabem, esse reajuste é uma consequência direta do repasse às tarifas do custo de operações de financiamento. Tais operações foram contratadas ainda em 2014 e faz parte da Conta de Desenvolvimento Energético.



Vale destacar que todo esse reajuste além da dificuldade do setor energético em 2015 é resultado direito de algumas ações do governo federal. O principal deles foi a decisão do governo de que não tinha mais interesse em fazer repasses a Conta de Desenvolvimento Energético em 2015. Era estimado um repasse de cerca de R$ 9 bilhões em 2015 para o setor. Portanto, isso explica em grande parte os aumentos enormes nas contas de energia em todo o Brasil.

Outro detalhe bastante importante e que também incide no aumento da conta de energia por todo o Brasil está relacionado ao custo de produção. Saiba que o custo de produção de eletricidade começou a aumentar a partir do final de 2012, haja vista uma queda expressiva no armazenamento de água nos reservatórios de grandes hidrelétricas do Brasil.

Leia também:  Bradesco comprou o HSBC Brasil por US$ 5,2 bilhões


Com isso, visando poupar água e manter o mesmo ritmo de distribuição de energia elétrica, o país vem utilizando em maior escala os serviços das termelétricas. É importante destacar que as termelétricas funcionam a base da queima de combustíveis, portanto, geram uma energia mais cara.

Também podemos destacar o plano do governo federal no final de 2012 que acabou levando a redução das contas de luz em 20%. O ponto negativo nessa questão é que o governo teve que antecipar a renovação das concessões de geradoras e transmissoras de energia. Em decorrência disso, as mesmas tiveram que receber indenizações referentes aos investimentos que não tinham sido pagos de forma integral.

Por Bruno Henrique

Energia elétrica

Outros Conteúdos Interessantes

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *