Juros do cheque especial e empréstimo pessoal tiveram alta



  

Em maio houve uma alta nos juros do cheque especial e do empréstimo pessoal nos bancos.

O ano de 2015 foi marcado por aumento de impostos e de juros. A atual situação da economia faz com que dia após dia o poder de compra dos brasileiros seja suprimido com a alta dos juros e as condições de compra, cada vez mais inviáveis.

O Procon do Estado de São Paulo adverte aos consumidores que verifiquem a real necessidade de contratar qualquer linha de crédito devido à alta dos juros do cheque especial e do empréstimo pessoal neste mês de maio.

A novidade, que não é tão nova assim, pois segue a tendência da economia neste ano, foi constatada pelo Órgão de Proteção e Defesa do Consumidor (PROCON) através de uma pesquisa realizada no dia 5 deste mês (maio).

O levantamento foi realizado em sete instituições bancárias. O resultado mostrou que das sete instituições duas aumentaram os juros referentes ao cheque especial e que três subiram a taxa de juros do empréstimo pessoal.

Leia também:  Como Calcular o Valor do Seguro-Desemprego

A nova taxa percentual do cheque especial nos bancos registrou média de 11% ao mês, contra 10,9% do mês anterior, o que representa um aumento médio de 0,1 ponto percentual.





Apesar da taxa parecer irrisória, os sucessivos aumentos nas taxas de juros implicam em um montante considerável a médio e longo prazo, o que demanda atenção por parte do consumidor para que não pague um valor muito acima do montante inicial.

Dentre as instituições pesquisadas, duas se destacaram pela taxa de aumento nos juros: o Banco do Brasil aumentou de 9,86% para 10,34% ao mês e o Santander corrigiu os juros com um aumento de 1,85% se comparado ao mês passado.

Leia também:  Salário Mínimo - Valor em 2017

Sendo assim, o Procon recomenda atenção máxima aos consumidores, principalmente para evitar a famosa “bola de neve” com as dívidas. A contratação de uma linha de crédito deve ser precedida de uma avaliação que verifique uma situação de real necessidade e urgência, que justifique o endividamento e principalmente que caiba no bolso do consumidor.

Por André César

Juros