IPC-S registrou desaceleração na 1ª quadrissemana de fevereiro de 2015



  

O retrocesso do Grupo Habitação de 2,01% no mês de janeiro para 1,69% em fevereiro foi a principal causa da desaceleração do Índice de Preços ao Consumidor-Semanal, o IPC-S.

O resultado obtido foi conseguido através de uma pesquisa realizada pela Fundação Getúlio Vargas em sete capitais do Brasil. Os dados resultantes foram divulgados pelo Instituto Brasileiro de Economia da FGV, o Ibre.

Na última quadrissemana do mês de janeiro, o IPC-S foi de 1,73% já na primeira semana do mês de fevereiro foi de 1,63%, registrando uma queda de 0,10 pontos percentuais. 

Neste período houve cinco classes que diminuíram suas taxas de variação. Dessas classes destacam-se alguns grupos.  O grupo de alimentação de Legumes e Hortaliças registrou uma queda de quase 3%, já os cursos formais tiveram uma queda de 2,06%, pacotes de telefonia fixa diminuíram sua taxa para 0,75%, dentro do grupo de despesas diversas o cartão de comunicação diminuiu sua taxa para 0,33%. 

Leia também:  Dinheiro das Contas Inativas do FGTS - Transferência para outros bancos

As maiores influências de alta isoladas foram registradas pelos itens referentes às tarifas de eletricidade, transporte urbano, refeição em bares e restaurantes, cursos de ensino superior e automóvel novo.





As menores influências de baixa foram detectadas nos itens: perfume, passagens aéreas, tarifas de taxi, blusa feminina, leite longa vida.

Mesmo com a recuada do IPC-S na maior parte das capitais pesquisadas (cinco de sete) em São Paulo, o IPC-S disparou. Em São Paulo o IPC-S da primeira semana de fevereiro ficou em 2,3% (índice bem alto se comparado ao registrado no país, 1,63%). Além do aumento do IPC-S na capital paulista, em Belo Horizonte também foi registrado um aumento nesse índice. Em Belo Horizonte a alta foi de 0,08%.

Leia também:  Salário Mínimo Ideal - Valor em Agosto 2017

Nessa pesquisa, o Rio de Janeiro ficou com o terceiro lugar em termos de alta no IPC fechando com 1,65% (0,02% a mais do que o IPC nacional). Porto Alegre, capital gaúcha, registrou uma alta de 1,26%. Esta mesma alta foi registrada em Brasília (DF).

Por Melina Mariel Menezes Pereda

IPC-S