O que Fazer com o 13° Salário – Dicas



  

De acordo com a legislação trabalhista no Brasil, o dinheiro do décimo terceiro salário pode ser pago em duas parcelas. O primeiro pagamento acontece em qualquer mês antes de dezembro, o segundo até o dia 20 do último período mensal do ano.

Existem empregadores que fazem depósito integral da quantia apenas no mês de dezembro, fato considerado ilegal ao levar em conta as regras trabalhistas. De qualquer maneira, quem recebe o dinheiro extra pode começar a saldar dívidas antigas ou adiantar o pagamento de contas básicas.

Quem tem dinheiro sobrando em caixa promove uma linda festa no final do ano no sentido de presentear a família. Ou mesmo, faz viagens para locais distantes, para curtir um momento de paz, obter tranquilidade e assim começar o ano com as energias renovadas.

Leia também:  Pesquisa Salarial 2018 - Diferença pela Escolaridade pode chegar a 118%

Porém, quem tem dinheiro de sobra também pensa em economizar ao invés de gastar e assim melhorar o planejamento dos gastos, aumentar a qualidade na disciplina financeira e ganhar força contra imprevistos que surgem no caminho.

Em termos práticos, grande parte dos especialistas indica que o principal destino do dinheiro extra equivalente ao décimo terceiro precisa seguir de forma imediata para pagar dívidas. É necessário ter em mente de que quanto maior o tempo para quitar, mais chances existem de aumentar os juros.





Vale ressaltar que a opinião de grande parte dos economistas converge com a pesquisa da ANEFAC (Associação Nacional dos Executivos de Finanças, Administração e Contabilidade), que entrevistou quase 640 consumidores ao fazer tal pergunta: O que você vai fazer com a quantia do décimo terceiro salário?

Leia também:  Consultar Nome no Serasa Experian pelo Computador

Cerca de 63% dos entrevistados indicaram que pretendem usar tal benefício no sentido de pagar dívidas contraídas de maneira prévia. Dos que pretendem quitar reveses financeiros, 33% desejam saldar o cheque especial, 25% débitos no cartão de crédito e 22% regularizar o nome “sujo”.

Por Renato Duarte Plantier