13º Salário – Trabalhadores devem Utilizar o Salário para Pagar Dívidas



  

Economistas indicam que grande parte dos brasileiros com benefício do 13° salário pretende pagar dívidas com a quantia. Trabalhadores formais e informais devem ganhar a renumeração extra, conforme indica as leis trabalhistas.

De acordo com a pesquisa da ANEFAC, que entrevistou 634 consumidores na cidade de São Paulo, cerca de 60% dos entrevistados devem pagar dívidas que foram contraídas com uso do cheque especial. Também existe uma porcentagem alta de pessoas que desejam limpar o nome na praça.

Por conta de dívidas contraídas no passado, o Natal pode ficar prejudicado. Ainda conforme a ANEFAC, 15% dos entrevistados indicam que usam o dinheiro para comprar presentes, visto que 11% poupam ou fazem investimentos. Além disso, cerca de 4% deseja reformar ou investir na compra da casa própria.

Leia também:  Como Calcular o Valor do Seguro-Desemprego

Até mesmo quem deseja poupar na verdade economiza para pagar dívidas posteriores. Por exemplo, há pessoas que seguram o décimo terceiro salário no intuito de pagar as contas que surgem no começo do ano, como no caso de matrículas em instituições de ensino, IPTU, IPVA, entre outros.

O poder público indica que quase 65 milhões de trabalhadores brasileiros recebem o décimo terceiro salário. Não se pode ignorar o fato de que idosos e pensionistas têm direito ao benefício.





Os valores de pessoas que ganham décimo terceiro salário têm como base números do CAGED (Cadastro Geral de Empregados e Desempregados) e RAIS (Relação Anual de Informações Sociais), grupos de pesquisas filiados ao MTE (Ministério do Trabalho e Emprego).

Por conta das dificuldades em mensurar recursos, não entra na contabilização oficial o público assalariado sem carteira assinada e que recebe o abono ao final do ano, embora categorias de trabalhadores informais também tenham direito ao benefício.

Leia também:  Título de Eleitor Digital - Como Fazer

Nos dados, deixam de fazer parte da contagem os pagamentos antecipados que aconteceram ao longo do ano, como nas férias.

Por Renato Duarte Plantier