Empresas são afetadas por legislação brasileira



  

Com a crise na Europa e nos Estados Unidos, é certo que muitas oportunidades aparecerão para as empresas, mas no que depender da legislação brasileira e de alguns projetos incoerentes que continuam sendo aprovados, as empresas não conseguirão aproveitar essa fase.

De acordo com o sócio-diretor da empresa de consultoria empresarial Pactum, André Crossetti Dutra, embora haja exemplos de avanços, eles são compensados com os retrocessos igualmente aprovados na mesma proporção.

Em 2011 foi reformada, por exemplo, o SBDC (Sistema Brasileiro de Defesa da Concorrência) que foi positivo para os empresários, mas também foi aprovado um aumento das contribuições previdenciárias das empresas que prestam serviços de TI e comunicação, concedida por meio da Medida Provisória 540.





Outro avanço, na opinião do empresário, foi o Super Cade, que deu mais segurança aos investidores ao analisar previamente empresas com faturamento entre R$ 400 milhões e de R$ 30 milhões.

Além de melhorias na evolução da legislação, Dutra aponta que a solução para dar mais competitividade às empresas seria melhorar e manter a coerência na legislação tributária.

“As oportunidades, que estão surgindo, desafiam os governos e legisladores a adotarem medidas para estimular e não prejudicar a competitividade das empresas brasileiras”, conclui.

Por Natali Alencar