Aumento da inflação é esperado pelos brasileiros




O consumidor está realmente atento com o mote inflação. Algumas pessoas já sentiram nos bolsos as medidas adotadas pelo governo, as mesmas que tiveram o intuito de frear o consumo para, assim, segurar a tão temida inflação. Entre as principais iniciativas encabeçadas pelo Banco Central (BC) estão a restrição ao crédito e o ciclo de aumento da taxa básica de juros da economia, a Selic.

Levantamento realizado pela Confederação Nacional da Indústria (CNI) abarca que o aumento inflacionário foi realmente percebido pela população. Dos seis componentes abrangidos pelo Índice Nacional de Expectativa do Consumidor (INEC) de abril, o de expectativa de inflação figurou como aquele como o pior por meio de uma queda de 111,12 pontos para 100,8 pontos em comparação a março, diferença de 9,4%; no comparativo anual decréscimo de 11,6%.


O resultado do INEC de abril corresponde à sexta baixa seguida em vocábulos mensais, com arrefecimento de 2,2% em comparação a março e 0,5% em relação a abril de um ano antes. Essa constatação também marca otimismo mais brando sobre uma perspectiva em relação ao aumento do endividamento do consumidor e sobre sua renda pessoal futura. Nestes dois, recuos de 3,3% e 4,1%, respectivamente.

Acompanhando esse pessimismo, o INEC constatou taxa de 2,6% de março a abril entre os consumidores que aguardam crescimento do emprego. Em contrapartida, aquisições de produtos de valores mais elevados e conjuntura financeira registraram, respectivamente, avanços de 1% e 2%.

Por Luiz Felipe T. Erdei