Inadimplência dos consumidores paulistas apresentou alta em fevereiro de 2011




O cenário econômico brasileiro, no ano passado, correspondeu às perspectivas de economistas, políticos e instituições. Dados reunidos e divulgados pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) apontaram que o Produto Interno Bruto (PIB) avançou 7,5% em 2010 em comparação a 2009.

As medidas de estímulo adotadas no ano passado incidiram positivamente sobre o aumento da confiança do consumidor e sobre a estabilidade da economia. De acordo com a Federação do Comércio de Bens Serviços e Turismo do Estado de São Paulo (Fecomercio) por meio da Pesquisa de Endividamento e Inadimplência do Consumidor (PEIC), o nível de endividamento do consumidor paulista pulou de 51,2% em janeiro para 53,8% no mês passado.


Outro indicador que revelou tendência semelhante foi o de contas em atraso, que no início do ano era de 14,7%, avançando para 15,3% no estudo mais recente. A Fecomercio assinala que o paulista está mais confiante com a economia no início de 2011 em comparação ao período igual de um ano antes em virtude do aumento da massa salarial real e do índice de ocupação.

Em termos mais detalhados, no mês passado 34,3% dos paulistas revelaram ter dívidas por mais de 365 dias, índice mais alto em comparação ao endividamento constatado de três a seis meses (25%) e mais elevado ainda ante os 22,5% referentes a débitos inferiores a três meses.

Os números poderão melhorar após o término do primeiro trimestre, pois a obrigação com o pagamento do Imposto sobre a Propriedade de Veículos Automotores (IPVA) aos que possuem carros, bem como o início do ano escolar, permitirão mais dinheiro sobrando em caixa.


Por Luiz Felipe T. Erdei