Inflação e Taxa Selic – Previsões para 2011



  

O controle da inflação é uma das principais preocupações da nova presidência do Banco Central (BC). As medidas relacionadas a restrição de crédito, adotadas no final do ano passado, são um dos capitais indícios dos esforços de Alexandre Tombini e equipe para manter o crescimento econômico sem, no entanto, prejudicar o bolso dos consumidores em ampla escala.

Para Evaldo Alves, professor de economia da Escola de Administração de Empresas de São Paulo da Fundação Getúlio Vargas (EAESP-FGV), a inflação deve terminar 2011 com índice de 5,79%, taxa próxima à prognosticada pelo BC.





Para este ano, ressalta Alves, o mercado já trabalha nesse patamar e para 2012, em 4,78%. Apesar de a desaceleração mensal ser um dos indicadores positivos no cenário de inflação, a elevação dos preços das commodities no mercado global incide na elevação de preços ao mercado brasileiro.

Leia também:  Salário Mínimo 2018 - Novo Valor depende da aprovação de Temer

Em sua visão, assinala que a economia está aquecida e apresenta demanda maior em relação à capacidade de produção para acolhê-la. Alves acredita que a taxa básica de juros da economia, a Selic, deve encerrar o ano com índice de 12,25%, ante 11,25% atuais.

Por Luiz Felipe T. Erdei