Mão de obra ainda é problema na indústria brasileira



  

Informações expressas na segunda-feira (31) pela Confederação Nacional da Indústria (CNI) apontam que a atividade na indústria da construção civil avançou para 51 pontos em dezembro do ano passado, deste modo representando crescimento acima de 50 pontos. Dentro duma escala de zero a 100 pontos há desenvolvimento.

Para Renato da Fonseca, gerente-executivo da Unidade de Pesquisa, Avaliação e Desenvolvimento da confederação, 2010 foi um ano de desenvolvimento para o setor, diferentemente da tendência observada em outros segmentos, de recuperação. O ano de 2011 deverá comportar mesma recorrência, em sua opinião, embora num ritmo mais brando.

Esse setor também apresentou bons dados com relação a contratações. De acordo com a sondagem, o resultado chegou a 53,7 pontos em dezembro, com destaque às companhias de grande porte, que ilustraram 58,2 pontos.





Para os próximos seis meses, a CNI prevê boas perspectivas entre os empresários. O setor, em si, tem conseguido números interessantes por meio de lançamentos de novos empreendimentos, situação que deve se repetir para além desse período. Por outro lado, a falta de mão de obra qualificada segue como uma das principais reclamações.

As empresas privadas, em conjunto com o governo federal, devem promover medidas de estímulo à qualificação da mão de obra. A Copa do Mundo de 2014 e as Olimpíadas de 2016 estão próximas. Países parceiros estão atentos e se a maior destreza estrangeira prevalecer, o Brasil pode perder.

Por Luiz Felipe T. Erdei