Governo de Dillma Rousseff – Diminuição dos Tributos de maneira Equilibrada



  

Os juros praticados no Brasil, dizem senso comum e especialistas, são um dos mais altos de todo o mundo. Esse discurso, vez ou outra ilustrado por meio da imprensa, poderá ganhar nova tonalidade caso a intenção de Guido Mantega, ministro da Fazenda, seja realmente seguida.

Em sua concepção, o governo continuará a política de diminuição de tributos, mas de maneira equilibrada, com foco na competitividade. Segundo o portal de Economia UOL, Mantega assegura que um dos escopos do governo da presidente eleita, Dilma Rousseff, é arrefecer a dívida líquida em relação ao Produto Interno Bruto (PIB) para 30% ao final de sua gestão, bem abaixo do índice do ano passado, de 42,8%, e dos 41% projetados para 2010.





O déficit nominal, um dos pontos abordados pelo ministro, poderá, caso suas expectativas sejam atendidas, chegar a 0,2% no último ano do novo governo. Atualmente representa 2,1% do PIB enquanto o de países europeus atinge a casa de 32%.

Para sustentar a tendência de desenvolvimento sustentável, diz Mantega, a intenção é diminuir gastos de mantimento do governo, tais como ao arrefecer subsídios ao Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), adoção que viria a aumentar a participação do segmento privado no financiamento de longo prazo.

Por Luiz Felipe T. Erdei