Reajuste do Salário Mínimo – Aguardando a aprovação de Lula



  

A aguardada reunião para o debate sobre o reajuste do salário do mínimo, atualmente em R$ 510, ocorreu na tarde da última quinta-feira, 18 de novembro. Durante os últimos dias as centrais sindicais assinalaram intenção de cobrar do governo aumento real, para R$ 580, superior em R$ 40 ao endossado por Paulo Bernardo, ministro do Planejamento.

Apesar de se mostrar irredutível, Bernardo assegura que o governo brasileiro tem feito as devidas contas e que a deliberação final ficará a cargo de Luiz Inácio Lula da Silva, presidente do Brasil, depois de sondada a opinião de sua sucessora, a ex-ministra da Casa Civil Dilma Rousseff.





O sistema atual para reajuste do mínimo ocorre a partir da variação do Produto Interno Bruto (PIB) de dois anos antes e da inflação do ano anterior. O que tem deixado as centrais sindicais com a orelha em pé é que a economia brasileira apresentou retração de -0,2% em 2009, bem diferente das perspectivas de avanço para 2010, algo no nível de 7,5% segundo cálculos do Banco Central.

Leia também:  Salário Mínimo 2018 - Novo Valor depende da aprovação de Temer

Se o sistema vigente prevalecer, de acordo com o portal de notícias G1, o reajuste ao mínimo seria de aproximadamente 5%, resultando, portanto, em R$ 540 (valor arredondado). No intuito de argumentar alta para R$ 580, Artur Henrique da Silva, presidente da Central Única dos Trabalhadores (CUT), ressalta que a ampla maioria das categorias conseguiu reajuste acima da inflação.

Por Luiz Felipe T. Erdei