Brasil tem o terceiro pior resultado em termos de desigualdade da América Latina



O momento econômico vivenciado pela população brasileira é para lá de positivo. As notícias veiculadas pela imprensa nacional ponderam inúmeros fatores como elementos integrantes a essa citação, tais como aumento no poder de renda dos cidadãos, ampliação no número de vagas criadas e o aumento do Produto Interno Bruto (PIB) no primeiro trimestre deste ano em relação aos últimos três meses de 2009 e em confronto anual.

Luiz Inácio Lula da Silva, presidente da nação, muito tem comemorado os resultados obtidos durante sua gestão, comparando seu mandato com o anterior regido pelo ex-líder Fernando Henrique Cardoso. Apesar de todos os dados propícios, o país é configurado como o terceiro pior no índice de desigualdade em todo o Caribe e a América Latina, segundo o Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento.



O Canal Executivo UOL, fonte deste artigo, sopesa que a nação, nesse bloco, aparece somente abaixo do Haiti e da Bolívia. O levantamento relacionado pelo órgão indica arrefecimento da desigualdade em quase 20% se levantada a questão do desenvolvimento humano abrangido até o momento.

Em novembro de 2007 a nação brasileira adentrava no plano de elevado desenvolvimento humano, porém em 2009, o choque da desigualdade em nível avançado voltou a assinalar percentual médio.

Por Luiz Felipe T. Erdei