OCDE crê que Brasil deve ter estabilidade inflacionária entre 2009 e 2011



  

A Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE), entidade na qual o Brasil não integra, apontou que a economia da nação de Luiz Inácio Lula da Silva pode degustar uma recuperação vigorosa no próximo ano, com dilatação prevista em 4,8%, depois de um crescimento zerado em 2009.

Para o órgão, a demanda doméstica deve apresentar um desenvolvimento robusto nos últimos três meses deste ano e no decorrer de 2010. Recomendou, ainda, que sejam retiradas, gradualmente, as medidas de estímulos fiscais a partir do início do próximo ano.





Parte dessa consideração se baseia nas medidas que o governo brasileiro adotou, dentre elas os cortes de impostos para muitos produtos de consumo – tais como a redução do Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI) a veículos e linha branca – e a expansão do crédito.

Leia também:  Regras para o Pagamento do Cartão de Crédito

Mesmo assim, inúmeros cortes tributários levaram o déficit do governo a uma ascensão preocupante. A OCDE previu, ainda, que os índices inflacionários entre os anos de 2009 e 2011 ficarão estáveis, entre 4% e 4,5%.

Por Luiz Felipe T. Erdei