Destaque em Salário Médio

Atualizações anteriores



Média Salarial no Brasil – Queda em Abril de 2012


Em abril, o salário médio do trabalhador brasileiro ficou 1,2% menor do que o registrado no mês de março. Em números absolutos, a média de remuneração foi de R$ 1.719,50. Por outro lado, o resultado apresentou crescimento de 6,2% quando comparado a abril de 2011. A informação é do IBGE, em levantamento feito em sete regiões metropolitanas e divulgado na quinta-feira (dia 24 de maio).

Avaliando-se por regiões e em comparação a março, em dois locais foi registrado aumento na média salarial: Belo Horizonte teve alta de 0,5% e Porto Alegre teve crescimento de 1%. Já em Recife (-1,6%), São Paulo (-1,7%), Salvador (-1,4%) e Rio de Janeiro (-1,6%), o IBGE registrou queda no valor da média de remuneração. Em relação a abril de 2011, todas as regiões tiveram aumento do valor médio do salário.

De todos os setores analisados, o de serviços domésticos foi o que teve o maior aumento da renda, com alta de 10,9%.

Quanto às modalidades de posição de ocupação, os que trabalham por conta própria tiveram a maior diferença salarial, chegando a uma alta de 12,9%. Os empregados em carteira no setor privado ficaram na segunda posição, com alta de 3,8%.

Fonte: IBGE

Por Matheus Camargo



OIT – Salário Médio Mundial é de R$ 2.700,00


A Organização Internacional do Trabalho (OIT) divulgou um estudo que aponta que cada pessoa do mundo receberia cerca de R$ 2.700,00 se não houvesse desigualdade social. O valor correto é US$ 1.480,00 e inclui parte dos rendimentos mundiais.

O número foi alcançado depois que os técnicos da OIT avaliaram que a receita de todo o mundo é de US$ 70 trilhões anualmente. Somando-se todas as pessoas do planeta, chega-se a sete bilhões. Numa conta simplificada, o salário de cada um seria US$ 10 mil, mas também foram considerados os fatos de que nem todos possuem a mesma remuneração e alguns não compõem a força de trabalho.

O cálculo complexo está sendo feito pela OIT há alguns anos. No entanto, o primeiro levantamento foi divulgado somente agora. A instituição ligada às Nações Unidas utilizou 72 países como base. Os dados foram recolhidos em 2009 e foi utilizada somente a massa assalariada, ou seja, os autônomos e aqueles que vivem com benefícios não foram inclusos na conta.

Depois do resultado do estudo, os analistas entenderam que o valor de US$ 1.480,00 é bastante baixo. Atualmente, mais de um terço dos habitantes do mundo vivem abaixo da linha da miséria, com renda inferior a US$ 2,00 por dia.

Fonte: OIT Brasil

Por Matheus Camargo



MTE – Salário Médio de Admissão – Crescimento entre 2003 e 2010


O aumento da remuneração do trabalhador é um dos pontos altos do bom ambiente econômico brasileiro, mas não o único. Dados do Ministério do Trabalho e Emprego assoalham que o salário médio de admissão (descontada a inflação) cresceu 29,51% entre 2003 e 2010, justamente durante os dois mandatos de Luiz Inácio Lula da Silva.

Com base nas informações do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) e da Relação Anual de Informações Sociais (Rais), essa média geral, porém, ilustra dessemelhanças enraizadas há tempos entre homens e mulheres. Na primeira ala o incremento foi de 31,79%, no período, e na segunda, 25,84%.

O ministério abaliza que além dessa constatação, também ocorreu crescimento do rendimento médio dos trabalhadores com carteira assinada (formalizados) em 18,25% desde 2003 (descontada a inflação).

Matéria conduzida pelo portal de notícias G1 ressalta que nesse período de oito anos R$ 36,5 bilhões do abono salarial foram destinados diretamente a mais de 97 milhões de trabalhadores.

Por Luiz Felipe T. Erdei



Salário Médio e Taxa de Desemprego no Brasil – Outubro 2010


Nesta quinta-feira, 25 de novembro, o Instituto Nacional de Geografia e Estatística (IBGE), divulgou levantamento mensal, onde se constatou que ficou em R$ 1.515,40 o rendimento médio real dos trabalhadores brasileiros no último mês de outubro.

Este valor é o maior já registrado desde o ano de 2002, quando teve início a série histórica.

O recorde anterior, de acordo com o Instituto, no valor de R$ 1.511,49, havia sido verificado no último mês de setembro.

A taxa de desemprego de outubro deste ano foi a menor já registrada nos últimos oito anos, com índice de 6,1%. No mês de outubro do ano passado, esta taxa havia ficado em 7,5%.

Das seis regiões pesquisadas pelo IBGE, São Paulo foi a que apresentou o maior salário médio no último mês de outubro, registrado em R$1.610,00.

Por Elizabeth Preático



Salário Mínimo ideal para suprir as necessidades básicas pessoais e familiares


Provavelmente, parte dos que leem este artigo atuam em determinadas funções que, consequentemente, não incidem remuneração em conformidade com as responsabilidades. Apesar de haver crescimento do número de empregos e aumento da renda mensal do trabalhador, a tendência de enxugamento de salários permanece em algumas atividades específicas.

A realidade, nem sempre transcrita pela imprensa oficial de maneira ampla devido a pouca existência de dados mais específicos, é árdua. Para exemplificar, recentemente o Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese) revelou que o salário mínimo do brasileiro deveria ter chegado a R$ 2.047,58 no mês passado para que este assegurasse as necessidades básicas individuais e familiares.

O valor é superior em mais de quatro vezes ao mínimo atual (R$ 510). De acordo com o Estadão, o cálculo da entidade foi baseado na Pesquisa Nacional da Cesta Básica de setembro, que também divulgou expansão do preço da cesta básica em 14 das 17 regiões estudadas.

Em comunicado, o Dieese revela que o tempo médio de trabalho imprescindível para o brasileiro adquirir os itens da cesta básica foi de 91 horas e outros quatro minutos, superior às 89 horas e 38 minutos necessárias em agosto, ocasião na qual o conjunto de bens essenciais alcançou R$ 2.023,89.

Por Luiz Felipe T. Erdei



Diferença de Salário entre Homens e Mulheres


As mulheres ainda estão em desvantagem diante dos homens em relação aos salários recebidos. De acordo com uma pesquisada realizada pela Catho online, a diferença chega a 51%.

Em relação à gerência, os homens chegam a ganhar até 51,6% a mais que as mulheres. No operacional a diferença pode chegar a 50,7% e no técnico a diferença pode ser de 37,5%. Os homens podem ganhar até 35,5% a mais que as mulheres, na posição de diretores, e 32,2% a mais se for em relação ao cargo de supervisão.

As mulheres procuram estudar e se preparar melhor para a vida profissional. Elas chegam a estudar mais que os homens. Em relação à escolaridade, 63,7% das mulheres possuem ensino superior, enquanto que 55,3% dos homens possuem alguma faculdade.

Mesmo as mulheres estudando, procurando se aperfeiçoar para suas tarefas, se atualizando sempre mais, mesmo assim ainda recebem menos que os homens.

Fernanda T. Sodré



Brasileiro está gastando mais nos Supermercados


Em um mundo corriqueiro, onde pessoas passam a maior parte de seu dia fora, com café da manhã, almoço e, em alguns casos, janta – em ambiente externo ao lar –, não é de espantar que as despensas fiquem mais vazias, sobretudo nas famílias em que a mulher também tem de sair para o mercado de trabalho.

Um estudo denominado “Retratos do Varejo” elaborado pela Associação Paulista dos Supermercados (Apas) indica que a população brasileira tem adquirido mais alimentos nos supermercados, denotando, pois, que o hábito de se alimentar em casa aumentou, embora a globalização jogue a maré contra esses “esforços”.

Com gasto médio mensal de R$ 1.663, os brasileiros passaram a comprar alimentos, produtos de limpeza, bebidas e produtos de higiene mais amplamente. De acordo com o Canal Executivo UOL, o uso do dinheiro para esse fim foi 8% maior em 2009 ante os 365 dias de 2008.

Martinho Paiva, vice-presidente de comunicação da entidade, avalia que as novas informações assinalam uma alteração no comportamento da população do país. Isso pode refletir que o aumento na oferta de crédito fez as pessoas gastarem acima dos próprios ganhos, notabilizando, por fim – neste sentido –, uma tendência já vista em anos anteriores.

Por Luiz Felipe T. Erdei

Fonte: Portal Exame.



Brasil tem recorde em reajuste salarial dos trabalhadores


Segundo dados do Dieese (Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos), em 2009 o Brasil apresentou o maior índice de reajustes salariais iguais ou acima da média da inflação, em comparação aos dados obtidos desde o ano de 1996.

Segundo os resultados, cerca de 80% ou mais dos trabalhadores conseguiram um reajuste salarial em 2009 com valor de no mínimo o obtido pela inflação, medida pelo IBGE. Atualmente tem-se uma inflação de cerca de 5% ao ano.

Os valores foram medidos para os salários brutos, sem levar em conta os demais benefícios. No resultado por setores, o único que apresentou desempenho negativo foi o industrial mas a redução foi pequena, de 88% para 85% de trabalhadores que tiveram reajustes maiores que o valor da inflação.



Salário das Mulheres é Menor que dos Homens


Pesquisa realizada pelo IBGE – Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística apontou o que muitas mulheres já sabiam: elas ganham menos do que os homens. Apesar do crescimento de mulheres com formação qualificada, e especialmente a formação feminina no nível superior, a mão-de-obra delas equivale, em média, 72% do orçamento deles.

A média da educação feminina é de 11 anos e, do total de mulheres inseridas no mercado, cerca de 20% tem ensino superior completo, contra 14% dos homens. Comparados com os últimos anos, os números ainda mostram desvantagem feminina. No entanto, aumentou o número de mulheres do mercado de trabalho e a diferença entre os sexos no mercado tem diminuído.



Salariômetro: o valor das profissões no Brasil


Você já ouviu falar em Salariômetro? Trata-se de um medidor dos salários em todo o Brasil.

Informações sobre salários muitas vezes são muito restritas, geralmente a departamentos de Recursos Humanos. Agora poderá ser consultado o salário de determinadas profissões, segmentado por estado e até mesmo por cidade (no caso de São Paulo).

Será informado o salário médio do trabalhador, por localidade, idade, escolaridade, raça, e outros cruzamentos estatísticos.

Exemplo: arquiteto urbanista em São Paulo, com 25 anos de idade, tem um salário médio entre R$ 2,3 mil e R$ 2,4 mil. Já com 50 anos de idade, o salário médio é de R$ 9 mil. Nesse caso, o que pesa é a experiência.

Acesse o Site do Salariômetro.