Atualizações anteriores



Venda de títulos do Tesouro Direto bateu recorde


Comercializações ultrapassaram R$ 1 bilhão, sendo que os títulos mais buscados foram os indexados ao IPCA, como o Tesouro IPCA e o Tesouro IPCA com Juros Semestrais.

O volume de comercializações do Tesouro Direto atingiu um recorde histórico em março, ultrapassando R$ 1 bilhão, divulgado recentemente pelo tesouro Nacional. Os resgates foram de R$ 457 milhões, onde R$ 168 milhões relacionados às recompras e R$ 289 milhões foram a respeito dos vencimentos.

Os títulos mais buscados pelos investidores se trataram dos indexados ao IPCA, sendo o Tesouro IPCA, que anteriormente era NTN-B Principal, e o Tesouro IPCA com Juros Semestrais, que anteriormente era NTN-B, onde a participação nas comercializações alcançou 51,0%. Os títulos prefixados Tesouro Prefixado, que anteriormente era LTN, e Tesouro Prefixado com Juros Semestrais, que anteriormente era NTN-F, tiveram 17,3% do total. Os indexados à taxa Selic Tesouro Selic, que anteriormente era LFT, teve 31,8%.

Sobre o prazo de emissão, 15,4% das comercializações no Tesouro Direto no mês foram equivalentes a títulos com vencimentos superiores a 10 anos. As comercializações de títulos com prazos de 5 a 10 anos foram equivalentes a 36,1% e as que tiveram prazo de 1 a 5 anos representaram 48,5%. No mês de março, os títulos públicos do Tesouro Direto tiveram novas denominações para tornar mais fácil para os investidores. O Tesouro Nacional também tornou a fazer recompras diárias dos papéis dos investidores que abandonarem a aplicação, sendo uma alternativa de saída mais eficaz.

Segundo o governo, a alternativa do investidor abandonar a aplicação e fazer a revenda dos papéis para o Tesouro Nacional ocorre todos os dias úteis. No Tesouro Direto, formado em janeiro de 2002, os investidores pessoa física têm a possibilidade de adquirir títulos públicos na internet, através de um banco ou correta, sem necessitar fazer a aplicação em um fundo de investimentos.

É sugerido que os investidores realizem pesquisa nas taxas cobradas pelas corretoras, buscando custos inferiores a 1%, entretanto, existem companhias que não cobram taxas. A aplicação mínima trata-se de R$ 30.

Por Felipe Couto de Oliveira

Tesouro Direto



Vale recebeu um grande investimento


US$ 2 bilhões foram investidos na Vale mineradora pela Eximbank para o desenvolvimento da empresa e do Brasil.

A mineradora Vale está entre as maiores empresas do Brasil. Privatizada na segunda gestão do governo de Fernando Henrique Cardoso (FHC), a companhia a cada ano tem apresentado lucratividade recorde, gerando empregos, contribuindo com o crescimento do Brasil e inovando em suas ações a ponto de atrair o olhar de investidores coreanos para serem parceiros da empresa.

Para firmar essa intenção de fazer companhia à mineradora Vale em seu crescimento constante, foi assinado um acordo extraoficial, em cerimônia que contou com a presença da presidente do Brasil, Dilma Rousseff, para  confirmar uma colaboração de US$ 2 bilhões que visa ajudar a Vale a tocar projetos importantes para o desenvolvimento da empresa e do Brasil.

Essa quantia de alta monta veio da empresa sul-coreana, Export-Import Bank (Eximbank), empresa que pretende entrar mais firme num trabalho de cooperação com a Vale, com a finalidade também de se integrar no êxito que a empresa tem obtido ao longo da sua história. A grandiosidade da parceria entre a Vale e a Export-Import Bank (Eximbank) pode ser analisada não apenas pela presença da presidente brasileira na cerimônia como também pelas presenças do presidente da Vale, Murilo Ferreira, e pelo chairman e presidente do Eximbank da Coreia, Lee Duk-Hoon, além da presidente da Coreia do Sul, Park Geun-hye.

A intenção de colocar esse investimento na Vale não será apenas com a meta de fins lucrativos, uma vez que a Export-Import Bank (Eximbank), também será o pontapé inicial para estreitar os laços em relacionamentos econômicos e sociais entre o Brasil e a Coreia do Sul, país asiático que consta na lista das grandes potências da economia mundial.

Para entender um pouco mais sobre a empresa coreana que chegou para unir forças com a brasileira Vale, o Export-Import (Eximbank) da Coreia do Sul atua como uma agência para empréstimos de capital de alta quantia, tendo a finalidade de garantir que projetos empresariais – os quais a agência considerar de relevância – tenham capital suficiente para sair do papel e tornar-se uma realidade.

Não foi comunicado pela Vale o prazo de devolução desse empréstimo, nem se será feito em parcelas e nem tão pouco qual o juro a ser cobrado, até então apenas foi informado que o memorando já foi assinado – garantindo os US$ 2 bilhões para integrar o capital da Vale e promover a execução de alguns projetos importantes da companhia.

Por Michelle de Oliveira

Vale



Rendimentos da poupança deverão perder para a inflação em grande parte de 2015


Muitos brasileiros gostam de realizar o seu investimento através da Caderneta de Poupança, pois é mais seguro, porém, com menores taxas de rendimento do país.

No mês de janeiro de 2015 o rendimento da poupança foi pequeno, e os investidores perderam para a inflação, e isso deve acontecer mais vezes no decorrer do ano. O valor do rendimento da Caderneta de Poupança deverá voltar ficar atraente quando a inflação começar a diminuir, assim como os juros e as demais aplicações.

No mês de janeiro o rendimento da poupança foi de apenas 0,59%, sendo um índice muito abaixo do IPCA (Índice Oficial de Inflação). Em 2014 a poupança perdeu menos, pois ela teve o aumento de 7,5% nos últimos doze meses, mas esse número ainda foi abaixo da inflação que teve o aumento de 7,14%.

Existe a previsão que neste ano de 2015 a poupança renda cerca de 7,44%. De acordo com o IPCA existe a projeção do mercado onde a poupança deverá subir cerca de 7,15%, aumentando a cada semana. No ano de 2014 a estimativa era chegar a 6,53%, porém, o resultado real surpreendeu e foi maior como já descrevemos acima.

Os especialistas mencionam que a poupança já deu sinais de fraqueza no ano passado, e o cliente precisa entender que uma aplicação tão segura como a poupança pode ter rendimentos maiores.

Já existem muitas pessoas que decidiram realizar a variação dos investimentos para aproveitar a Selic (taxa básica de juros) de 12,25%. Quem pensa em comprar um imóvel pode ter essa como a melhor alternativa e com risco moderado.

Os principais investimentos que estão sendo escolhidos por essas pessoas que desejam ter rendimentos maiores do que a poupança são os fundos de multimercado que têm as aplicações de renda fixa e ações.

A expectativa é que a poupança continue rendendo pouco, e o investidor que desejar procurar por investimentos de renda fixa pode fazer isso através das LFTs (Letras Financeiras do Tesouro) que são vendidas pela Tesouro de Ouro. 

Por Yasmin Fernandes Robles

Investimentos



Dicas do que fazer com o seu 13° salário


Final do ano chega e você recebe da empresa aquele seu tão esperado 13° salário. Sabendo que é um dinheirinho a mais que entrará em seu orçamento, o que você faz? Gasta? Vai fazer aquela viagem dos sonhos?

Bom, seja lá qual for sua decisão, saiba que ela precisa ser tomada com muita cautela, pois caso contrário você correrá o risco de passar o final de ano sem dinheiro nenhum.

Siga as dicas abaixo e veja algumas alternativas de utilizar seu 13° salário:

– Faça investimentos:

Os investimentos são alternativas mais seguras e rentáveis para seu dinheiro. Conheça mais sobre as opções de investimentos e invista de acordo com seu perfil. Pode ser bolsa de valores, poupança, títulos, entre outras diversas formas. Nesse caso, vale a pena investir 100% do seu dinheiro se o retorno dele for rentável para você e se você também conhecer bem a opção que escolheu para investir. Caso contrário, passe mais tempo pesquisando sobre as diversas opções de investimentos do mercado financeiro para ter toda a certeza na hora de investir e não fazer coisa errada, pois o prejuízo pode ser grande e irreversível.

– Utilize apenas 10% do dinheiro:

Você pode fazer também um planejamento com esse dinheiro. Para isso, reserve 10% dele para investimentos de longo prazo ou alguma coisa que você gostaria de fazer, comprar, etc. O restante você pode usar como deve, mas lembre-se de ter total responsabilidade pelos seus gastos. O ideal seria utilizá-lo para alguma necessidade que você já vinha planejando há tempos, como, por exemplo, a reforma de sua casa, a quitação daquela dívida ou ir viajar para ver um parente que mora em outro estado e que você não vê há anos.

Saiba que se o seu dinheiro for usado para uma coisa construtiva, você terá a consciência tranquila de que ele não foi utilizado em vão. Mas lembre-se sempre de investir pelo menos os 10%.

Por Daniela Almeida da Silva



Dicas de onde investir o 13º salário


Com a chegada do fim do ano, todo mundo logo espera os benefícios que são ofertados pelas empresas. Um deles é o 13º salário, que é dado ao trabalhador com carteira assinada em duas parcelas, sendo a primeira em novembro e a segunda em dezembro. Mas, como você pode aproveitar bem o seu 13º? Aqui vão algumas dicas de especialistas.

Ao receber seu 13º, pense bem antes de ir ao shopping e sair gastando esse dinheiro extra que recebeu, pois, caso você tenha alguma dívida alta como a de cheque especial ou cartão de crédito, aproveite a oportunidade para pagar já que os juros que correm sobre essas dívidas são altos. Vá ao banco e veja o que pode ser feito, veja se consegue adiantar parte do pagamento ou mesmo quitar a dívida.

Já para você que não está em nenhuma situação conforme as que foram citadas acima, aproveite para deixar sua casa em ordem, troque o que precisa e pague as festas do fim de ano à vista. Você pode também, guardar o dinheiro para pagar o IPVA, o IPTU e todas as despesas de começo de ano, que logo estão batendo à sua porta. Caso já tenha todo o dinheiro que necessita guardado, você pode investir esse valor, na poupança ou mesmo em investimentos nos bancos, pode também investir naquela tão sonhada viagem com a família e/ou os amigos.

Para que você possa aproveitar o dinheiro do 13º salário para viajar e se divertir, comece o seu ano fazendo um planejamento da sua vida financeira e pessoal, para ter um ano tranquilo e sem dívidas. Todo cuidado é importante para não pagar juros exagerados

Aproveite bem os benefícios que a empresa te oferece para ficar em dia com as contas e se divertir. Comece um ano livre das dívidas e se possível relaxado após todas as comemorações. 

Por Juliana Ghisi

Dinheiro

Foto: Divulgação



Mitos e verdades sobre a Previdência Privada


A MetLife, companhia multinacional de seguros, realizou uma lista que apresenta todos os mitos e verdades sobre a previdência privada. Confira a lista abaixo e conheça mais a respeito.    

1. Você pode definir quanto e quando você quer receber a sua renda.

Sim, isso é verdade! Quando o período de concessão do benefício for atingido, a sua reserva acumulada transformará efetivamente em uma renda. Você ainda pode optar pela melhor forma de recebê-la, como rendas vitalícias ou temporárias ou simplesmente como um benefício.  

2. A previdência privada é um investimento que pode garantir uma renda estável para o seu beneficiário ou comprador.

Sim, também é verdade! A maioria das pessoas pensa que a previdência é apenas uma forma de investimento, e não uma garantia de renda.

3. É preciso investir muito dinheiro para aderir a um plano de previdência privada. 

Isso é um mito! Existem alguns planos no mercado que permitem você fazer contribuições a partir de R$ 30 por mês. Outros, ainda depois de abertos, recebem apenas aplicações, e a qualquer momento, para aproveitar "sobras" do investidor.  

4. Todos os planos da previdência são aplicações para longo prazo. 

Sim, é verdade! Fazer o resgate do dinheiro com pouco tempo de investimento não é bom negócio, pois a alíquota de IR é mais alta do que a de fundos de investimento a longo prazo.  

5. O Imposto de Renda tende a aumentar à medida que o tempo passa.

Isso depende! Para obter um sistema regressivo, quanto mais tempo seu dinheiro permanecer aplicado, menos imposto você pagará. Já no sistema progressivo não, pois o IR aumentará constantemente. 

6. É possível ter outros benefícios além da aposentadoria. 

Sim, é verdade! Quem contrata o plano pode ter outros benefícios durante o período que for acumulando, como seguro de vida contra invalidez ou morte.

7. A Previdência privada só pode ser indicada para alguns tipos de renda e de classe social. 

Isso é um mito! O benefício mais alto que pode ser pago pela previdência social é de R$ 3.689,66, e são recomendados apenas para quem tem salário superior a este valor. Portanto, o investidor, que começar a investir desde cedo e com valores cada vez mais populares, será uma forma de garantir uma renda complementar com mais estabilidade durante a aposentadoria.

8. Quem é jovem não precisa se preocupar, pois ainda há muito tempo para pensar em investir na aposentadoria, e quem já é velho não tem mais tempo para aderir ao plano.

Isso é um mito! Começar a investir cedo, com apenas uma quantia mensal, poderá acumular futuramente uma boa quantia na aposentadoria. Pois uma pessoa com 45 anos de idade, por exemplo, tem ainda 10 ou 15 anos para poder se aposentar. Nossa expectativa de vida está aumentando, por isso, mesmo que seja um pouco mais tarde, ainda haverá tempo de investir e garantir uma aposentadoria mais estável e tranquila.

9. Caso a instituição escolhida falir, o beneficiário perde todo o dinheiro investido. 

Sim, isso é verdade! Com a Lei Complementar 109, a previdência privada conta agora com uma grande segurança jurídica, e, as regras que regulamentam o setor aumentaram e ficaram mais rígidas para as empresas comercializarem a intermediação do serviço. Por isso, é importante pesquisar e procurar uma empresa sólida e com muita experiência.

10. O segurado poderá migrar para outra entidade. 

Sim, isso é verdade! Durante a acumulação do seguro, a lei permite que o segurado migre sua reserva para outra instituição ou empresa, sem precisar arcar com custos adicionais. 

Por Daniela Almeida da Silva



Dicas de boas empresas para investir em ações


Quem investe no mercado de ações tem uma grande chance de ganhar dinheiro, contudo algumas avaliações podem ser significantes para quem deseja investir. Segundo o Infomoney algumas empresas geram mais dividendos que outras e desta vez a Telefônica dividiu o ranking com a Tractebel. O ranking estabelece as empresas com cotações nas bolsas brasileiras, que podem render mais, tornando-se uma ótima opção tanto para investidores com compra direta de ações quanto para fundos de investimentos.

A Telefônica ainda está no topo por conta do crescimento, que apesar de ficar um pouco abaixo do esperado, ainda mantém a empresa como uma boa fonte de investimentos ao médio prazo. Por isso vale considerar quanto tempo você pretende poupar e o segundo ponto é ter um objetivo. O mercado de ações é bom para quem tem outro investimento, pois o retorno pode ser em dois, três ou cinco anos.

É um investimento de risco e por isso é uma boa alternativa, gerando ativos maiores que outras aplicações. O ideal é que os investidores saibam investir e por essa razão buscar informações junto a uma corretora é essencial.

Já a Tractebel se mostrou uma empresa na defensiva, com um fluxo de caixa com números bem acentuados, além do bom desempenho em suas operações. Espera-se que a empresa gere dividendos de R$ 0,85/ação, após divulgar os números do último trimestre de 2013.

Empresas como CCR, Alupar, Grendene, Cielo, Valed, Vale, Banco do Brasil, Bradesco e outras também estão no Ranking da Infomoney, que leva em consideração as indicações de diferentes portfólios.

É possível investir até pouco menos de R$ 200 dependendo dos fundos de investimentos. Principalmente naqueles que podem obter retorno de índices comprados em cotas na bolsa. São os chamados conjuntos de ações, cujos dividendos são automaticamente reaplicados no próprio fundo. Os clubes de investimentos também são opções para quem deseja investir em ações. 

Por Robson Quirino de Moraes



Investimentos sociais devem estar ligados aos setores de cada empresa


A ministra do Desenvolvimento Social e Combate à Fome, Tereza Campello, falou na sexta-feira (30/03) que o “progresso dos investimentos sociais precisa estar relacionado ao desenvolvimento da economia”. Na verdade, o que Campello quis dizer é que as empresas precisam investir socialmente nos setores em que atuam. A frase foi dita durante o 7º Congresso do Grupo de Institutos, Fundações e Empresas (GIFE) – Novas Fronteiras do Investimento Social.

Tereza Campello foi convidada a participar de uma mesa redonda que abordou a união das ações sociais privadas com as políticas públicas do mesmo segmento. Por isso, a ministra declarou que o Brasil já não está no período de realização de projetos-piloto, mas avançou e segue um ciclo de constante desenvolvimento social. Ela ainda relembrou que 30 milhões de pessoas saíram da situação de miséria e 40 milhões chegaram à classe média.

Perguntada sobre o que deveria ser feito para ampliar os investimentos sociais provenientes de empresas privadas, a ministra disse que uma alternativa é unir as ações sociais aos negócios da empresa. “Somente isso garantirá escala e a permanência das iniciativas. Ou seja, o dinheiro não deve ser pulverizado em ações piloto e que não dialogam com o negócio”, ressaltou.

Por Matheus Camargo

Fonte: Ministério do Desenvolvimento Social



Investimentos para a Qualificação de Mão de Obra na Indústria


Quem está à procura de uma boa oportunidade de emprego em 2012 pode ter surpresas ao longo do ano. O governo está ampliando o investimento em capacitação profissional.

Muitos profissionais deixam de conseguir uma boa oportunidade de emprego por não estarem qualificados. Principalmente no segmento industrial, a demanda de ofertas é alta, mas faltam profissionais qualificados e especializados em determinadas áreas.

Com o objetivo de aumentar a mão de obra qualificada na indústria brasileira, o BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social) aprovou um financiamento de R$ 1,5 bilhão, que será destinado ao “Programa Senai para a Competitividade Industrial”.

O valor parece alto, mas tem metas bem ambiciosas.

O projeto visa aumentar as matrículas em educação profissional e tecnológica, aumentar a oferta por serviços, bem como priorizar a modernização das escolas. A organização prevê alcançar mais de 4 milhões de matrículas até 2014.

O financiamento foi concedido com a aprovação do Programa BNDES de Apoio à Qualificação Profissional do Trabalhador. Espera-se que esse aporte para estimular a especialização de mão de obra, contribua também com a competitividade da indústria brasileira.

As informações são da Secretaria de Comunicação da Presidência da República.

Por Natali Alencar



Investimentos sociais diminuíram a desigualdade de renda no Brasil


Estudo divulgado pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) revelou que a elevação dos investimentos sociais realizados entre 2003 e 2009 colaboraram para a diminuição da desigualdade de renda por todo o país. No primeiro período do intervalo, o índice Gini (responsável por medir o nível de dessemelhança entre pobres e ricos) registrou pontuação de 0,548, enquanto ao final desse espaço caiu para 0,496.

O Ipea aponta que quanto mais perto de 1, maior é o patamar de desigualdade em um país. De acordo com Fernando Gaiger, técnico do instituto responsável pelo levantamento, dois terços da carga de tributos no Brasil são indiretas, sobre o consumo, afetando de maneira proporcional o rendimento das classes mais pobres.

Por isso, a distribuição de recursos públicos voltada às castas menos providas financeiramente foi um meio explorado pelo governo para equilibrar o peso tributário. Para o leitor ter ideia, o Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS), o Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI) e o PIS/Cofins afetam o consumo sem a distinção entre as pessoas que ganham mais e as que ganham menos. Por outro lado, o Imposto de Renda, sim, influencia diretamente na parcela populacional de renda mais elevada.

Apesar do Bolsa Família ter contribuído para melhorar a vida dos consumidores de baixa renda, o estudo do Ipea assinala que os investimentos realizados nas áreas da educação e de saúde foram os responsáveis pela diminuição do Gini.

Embora essa descrição saliente as ações do governo, o cidadão que utiliza diretamente os serviços das duas áreas citadas pelo levantamento sabe que muito ainda precisa ser feito e que essa condição não é suficiente para uma vida mais digna.

Por Luiz Felipe T. Erdei

Fonte: Secom



Brasileiro volta a Investir Dinheiro na Poupança


De acordo com o jornal A Folha de São Paulo online, desta quinta-feira, 04/03/10, o Brasil teve uma captação de recursos na poupança, neste mês de fevereiro super positivo.

Baseado no relatório do Banco Central, A Folha relatou que R$2,32 bilhões foi o valor da captação, o maior que o mês de fevereiro já teve desde 1995. Isto quer dizer o brasileiro está voltando a investir na caderneta de poupança, indicando aumento do emprego no país e a recuperação da sua economia.

Tomara que os números sejam cada vez melhores daqui para frente, pois já estava mais do que na hora do Brasil dar uma guinada na vida econômica de sua população, gerando mais empregos e tornando a vida dos brasileiros mais tranqüila e produtiva.



Economia do Brasil em ótima fase


Não é só no exterior que o Brasil está bem cotado. A boa fase do Brasil está refletida nos rostos, estampado em bolsas e nas cangas nas praias, mas principalmente se faz presente em nossa economia. Nunca o país se mostrou tão rentável, houve congestionamento de estrelas no Carnaval carioca.

A onda de otimismo começou de fato, com a política de incentivo ao consumo, comandada pelo nosso presidente. O comércio agradeceu na forma de novos postos de trabalho e preços competitivos.

De acordo com os índices, as taxas de empregabilidade são as maiores do século e ainda nem terminamos o primeiro bimestre de 2010.

Outros setores da economia estão em franca expansão, como o da construção civil. Nunca a população esteve tão perto de realizar o sonho da casa própria.

Jardim das delícias para os turistas, bom lugar para investir, viver e dar forma a sonhos dourados, de todas as cores e bolsos.

Por Andrea Cardoso



São Paulo irá investir mais de 70 milhões em Escolas


Na primeira quinta-feira útil do ano, Paulo Renato Souza, secretário da Educação, assinou convênios com 28 municípios da Grande São Paulo, do interior e do litoral. A margem monetária conquistada com o pacto foi de R$ 72 milhões, a serem divididos, pois, em obras e reformas de unidades escolares.

O repasse da verba será feito durante ano, gradualmente, em conformidade com o processo de execução dos serviços. Estima-se que 26 novas escolas sejam edificadas, comportando, então, quase 240 salas de aula para o atendimento educacional de 8.330 alunos.

Além disso, convênios com 64 prefeituras para a municipalização de 151 escolas foram estabelecidos. Os municípios, portanto, serão os responsáveis pelas unidades – que abrigam, aproximadamente, 98 mil estudantes. Com tal intento, os municípios passam a receber recursos financeiros do Estado à gestão de unidades escolares.

Por Luiz Felipe T. Erdei



Telefônica deve investir 2 Bilhões no Brasil em 2010


Mariano de Bier, vice-presidente executivo do Grupo Telefônica no Brasil, afirmou que os investimentos da companhia no país, para o próximo ano, devem ser os mesmos constatados ao longo dos 365 dias deste ano, que é de R$ 2 bilhões.

Antonio Carlos Valente, presidente do Grupo Telefônica, disse, por sua vez, que os focos da companhia continuarão cerceando a banda larga e a busca pela satisfação dos clientes. Além disso, a melhoria da rede de telefonia fixa, os pacotes de dados e as redes corporativas, bem como a própria televisão, terão dedicação efetiva.

Para tanto, Valente revela que diversos procedimentos internos na companhia foram revistos em 2009. Até o terceiro trimestre deste ano, afirma que R$ 1,4 bilhão foi investido pela Telefônica, mas não ilustra, no entanto, se a previsão inicial fora alcançada.

Por Luiz Felipe T. Erdei



Redução do IR de renda fixa vai depender da Selic


O ministro da Fazenda, Guido Mantega, informou que a redução do imposto de renda para investimentos de renda fixa irá depender da queda da Selic (taxa básica de juros).

Mantega declarou que por enquanto não há motivos para preocupação  pode ser que esta redução sem seja necessária.

As alterações na poupança, que passará a ser cobrado IR com saldos superiores a R$ 50 mil, só passarão a valer no próximo ano, quando o Congresso aprovar.