Atualizações anteriores



Índice de Confiança do Consumidor (ICC) – Março de 2012


A confiança do consumidor registrou alta no mês de março, quando comparado a fevereiro deste ano, segundo a pesquisa do Índice de Confiança do Consumidor (ICC), realizada pela Fundação Getúlio Vargas (FGV).

Os dados divulgados na segunda-feira (dia 26 de março) demonstraram que o crescimento no indicador foi de 2,8%, sendo que o ICC passou de 119,4 pontos para 122,7 pontos. Este foi o nível mais alto desde julho do ano passado, quando foram registrados 124,4 pontos.

O ICC avalia cinco itens que compõem a Sondagem de Expectativas do Consumidor. Avaliando-se os quesitos, foram registradas melhoras nas avaliações sobre o momento atual e também quanto ao esperado para os próximos meses.

O Índice da Situação Atual (ISA) teve alta de 1,6%, indo de 140,5 para 142,7 pontos. Já o Índice de Expectativas apresentou resultados melhores, com alta de 3,6%, passando de 108,3 para 112,2 pontos.

Ainda segundo a pesquisa, 29,8% dos consumidores acreditam que a situação econômica do país é positiva. Já 17,6% têm avaliação ruim sobre o momento atual.

O item que mais influenciou a alta do ICC foi a intenção de compras de bens duráveis.

Fonte: Fundação Getúlio Vargas

Por Matheus Camargo



Empresários estão menos confiantes, diz CNI


A economia do país entre 2009 e 2010 deu uma boa decolada, reflexo do alto consumo proveniente de todas as classes sociais e de adoções de estímulos por parte do governo. Bens e serviços foram altamente procurados e traduziram com maestria a confiança do brasileiro quanto ao plano econômico. Os empresários, nesse meio tempo, também se sentiram mais a vontade para investimentos, mas dados recentes apontam queda no otimismo.

De acordo com a Confederação Nacional da Indústria (CNI), o Índice de Confiança do Empresário Industrial (ICEI) arrefeceu 0,8% neste mês em comparação a março, para 59,7 pontos. Esse recuo é o terceiro seguido em termos mensais. No confronto anual, ressalta o órgão, o medidor arrefeceu 7,2%.

Enquanto a CNI aponta que o índice de confiança apresentou a mesma taxa registrada na média histórica, assinala ser a primeira vez desde julho do ano passado que isso acontece com valores abaixo de 60 pontos. Para Renato da Fonseca, gerente-executivo da Unidade de Pesquisa da confederação, esse resultado aponta que os empresários estão mais incomodados com o futuro dos negócios e da economia, tanto que esse índice pode suscitar corte de investimentos.

O levantamento da CNI revela que a baixa no otimismo, no mês passado, aconteceu em todos os portes (pequenas, médias e grandes indústria) e em todos os locais do Brasil.

Por Luiz Felipe T. Erdei



Empresários brasileiros estão confiantes em 2011


O horizonte positivo da economia brasileira passou a despontar significativamente bem após os primeiros indícios de superação do país diante da crise financeira mundial. Tanto empresários como consumidores estão otimistas, na atualidade, situação que propicia benefícios interessantes a todas as partes envolvidas.

Informações divulgadas pela Confederação Nacional da Indústria (CNI) indicam que o Índice de Confiança do Empresário Industrial (ICEI) abraçou 62 pontos neste mês, patamar semelhante ao constatado em novembro de 2010 e 0,5 ponto acima do conquistado em dezembro (61,5 pontos).

Considerando valores de zero a 100 pontos, o ICEI aponta otimismo entre os empresários quando ultrapassa 50 pontos. Apesar de ilustrar confiança, o índice constatado há exatamente um ano foi bem superior ao atual, de 68,7 pontos.

Separado por regiões, o estudo indica os empresários situados no Nordeste e Centro-Oeste como aqueles com maior otimismo, com índices em 65,2 pontos e 64,7 pontos, respectivamente. Por outro lado, se considerados os empreendedores da região Sul do país, o indicador ilustra avanço de 1,6 ponto em janeiro ante dezembro, o mais alto em todo o Brasil.

Por Luiz Felipe T. Erdei

Fonte: CNI