Atualizações anteriores



Novas regras da Aposentadoria


Com as novas regras aprovadas pela presidente Dilma Rousseff, ocorrerá um aumento gradativo no total da soma dos anos para a aposentadoria até que se chegue à soma de 90 anos para mulheres e 100 anos para homens.

Conforme já previsto, foram sancionadas as novas regras da lei de aposentadoria que varia progressivamente de acordo com a expectativa de vida da população brasileira.

Já existia uma medida provisória com as novas regras aprovadas pela presidente Dilma Rousseff em maio de 2015.

Após publicada e sancionada no “Diário Oficial da União”, a presidente aposentou o fator previdenciário e criou uma alternativa para a regra de 85/95 anos.

Existia a expectativa que fosse aprovada a possibilidade do aposentado que continuasse trabalhando efetuar um novo cálculo do benefício, chamado de “desaposentação” ou “desaposentadoria”, porém o artigo foi vetado. A justificativa foi que essa possibilidade fosse aprovada geraria um déficit de 70 bilhões de reais à Previdência Social.

A antiga regra de 85/95 consistia que mulheres precisariam de 85 anos somando a idade com o tempo de contribuição e 95 anos a soma para os homens.

Com a nova fórmula ocorrerá um aumento gradativo no total da soma até que se chegue à soma de 90 anos para mulheres e 100 anos para homens. Será acrescido 1 ano ao total da soma de idade e tempo de contribuição a cada 2 anos.

A partir do dia 31 de dezembro de 2018 a soma sobe para 86/96 anos, em 31 de dezembro de 2020 o total fica em 87 anos para mulheres e 97 anos para homens. Após 2 anos, em 31 de dezembro de 2022 é acrescido mais 1 ano a soma da idade com o tempo de contribuição, totalizando 88 e 98 anos. Em 31 de dezembro de 2024 sobe para 89 anos para mulheres e 99 anos para homens. Finalizando a graduação em 31 de dezembro de 2026, chegando aos 90 anos para mulheres e 100 anos para homens.

Resumindo a explicação, em um período de 8 anos compreendidos entre 2018 e 2026 a soma do tempo de contribuição com a idade passará de 85 anos para mulheres e 95 anos para homens, para 90 anos para mulheres e 100 anos para homens.

Por Jean Fretta Pereira

Aposentadoria



Número de idosos inadimplentes no Brasil aumentou


Em agosto o número de idosos inadimplentes no Brasil teve um aumento de 8,56%, sendo o principal motivo os empréstimos para ajudar os filhos, que não pagam as dívidas aos pais.

Infelizmente, o número de idosos inadimplentes no Brasil continua crescendo e o pior desta constatação é que em boa parte dos casos isso ocorre porque os idosos fazem empréstimos para ajudarem os filhos que depois acabam não pagando os pais que ficam com o nome protestado.

No mês passado houve um aumento de 8,56% entre os consumidores com idade entre 65 e 94 anos que passaram a atrasar o pagamento de suas dívidas. Estima-se que em todo o país o número de idosos inadimplentes já ultrapasse os 4,3 milhões.

Dados divulgados pelo SPC Brasil – Serviço de Proteção ao Crédito, juntamente com a CNDL – Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas, apontam um aumento no número de idosos inadimplentes se comparado os meses de agosto e julho deste ano.

Já o IBGE divulgou dados indicando que em uma década e meia o número de pessoas com idade entre 65 e 94 anos aumentou de 5,61% para 7,90% em todo o país.

Para Marcela Kawauti, economista chefe do SPC Brasil, a tendência é que o número de idosos inadimplentes no Brasil continue aumentando, sendo que um dos principais motivos além dos empréstimos feitos para terceiros, principalmente filhos e parentes, é o fato da expectativa de vida ser maior e também vem mudando os hábitos de consumo também entre os idosos que agora viajam mais e procuram aproveitar mais a vida, ao invés de ficarem em casa como era há alguns anos atrás.

Acontece que a maior parte dos idosos brasileiros vive com uma baixa renda e conta ainda com a falta de um bom planejamento financeiro. A inadimplência entre os idosos avançou acima da média nos últimos anos e a situação poderá piorar daqui para frente, por causa da crise que assola o país e não tem previsão de melhorar em um curto espaço de tempo.

Ainda de acordo com o SPC Brasil já são mais de 4,3 milhões de consumidores idosos com o nome registrado em serviços que oferecem proteção ao crédito. Uma outra curiosidade sobre esta questão, é que boa parte destes idosos está inadimplente por causa do não pagamento das contas de água e também de luz.

Por Russel

Idosos inadimplentes



Descaso com a saúde dos idosos – Uma história real


O envelhecimento não acontece para alguns e sim para todos, sendo assim devemos nos preparar para a aceitação dessa nova fase, que não é nada fácil. Vários fatores podem tornar esse processo ainda mais desgastante, o descaso com os idosos é o meu foco nesta postagem.

É inaceitável como se trata o idoso; relatando experiência própria fiquei indignada quando meu pai aos 73 anos precisou de atendimento médico, primeiro foi levado a um hospital onde o descaso do médico poderia ter levado ele a óbito, ficou sentado em uma cadeira no meio do corredor sentindo muita dor, foi medicado com um analgésico e em seguida o mandado para casa.

Logo tiveram que retornar para o hospital, mas para outro hospital, então veio à notícia: ele estava enfartando e o médico ficou indignado com o atendimento do seu colega, daí foram 15 dias de internação em uma emergência super lotada e condições precárias, onde acontecem atendimentos pelos corredores do hospital. Em meio tudo isso estão nossos idosos com saúde já fraca e agora ainda mais abalada por tudo que presenciam.

Gostaria muito que nossos governantes tivessem uma visão especial, um cuidado melhor para com a saúde dos nossos idosos, melhor idade depende de uma saúde bem cuidada isso é apenas um dos DIREITOS dos IDOSOS.

Se não for assim, afinal, pra que existem estatutos e leis se não funcionam?

Por Aline Medeiros da Silva