Atualizações anteriores



Condomínios – Queda na inadimplência em 2011


Um levantamento feito pelo Departamento de Economia e Estatística do Secovi-SP (Sindicato da Habitação) mostrou que o número de processos por falta de pagamento em condomínios caiu para 9.947, contra 11.808 registrado em 2010, o que representa uma queda de 15,76%.

O resultado reforça uma queda iniciado a partir de 2007 (15.902), em 2008 (13.084) e em 2009 (11.459).

 Em relação aos processos de dezembro, houve queda de 33,68%, com 579 casos. No mês anterior o índice foi de 873 casos. Já em relação a dezembro de 2010 a queda foi de 27,99%, com 804 casos registrados.

Para o vice-presidente de Administração Imobiliária e Condomínios, Hubert Gebara, a redução se deve ao bom momento em que vive a economia brasileira, principalmente porque as pessoas estão regularizando suas pendências financeiras com acordos extrajudiciais.

Ele argumenta que o acordo é vantajoso para todas as partes envolvidas, já que uma ação dessa categoria pode levar muitos anos para ser concluída e resolvida.

Outro fator que tem contribuído para essa queda nos percentuais é a lei 13.160, que prevê a possibilidade de protesto aos boletos de condomínio, por isso é aconselhável que os síndicos e as administradoras também procurem negociar com os inadimplentes, principalmente no sentido de conscientizá-los mostrando a importância do pagamento para a manutenção financeira do prédio.

Por Natali Alencar



Taxas de condomínios variam em até 1.300%


Os moradores em edifícios residenciais buscam nesses empreendimentos certo tipo de segurança que muitas casas não oferecem, principalmente em questões relacionadas a deixar a moradia à toa, o dia inteiro, e o regresso, no final da tarde, na certeza de que se essa encontrará sem qualquer tipo de avaria decorrente da violência urbana.

Obviamente, toda opção gera um custo, o que, dependendo do empreendimento, varia em até 1.300% segundo levantamento da Lello, companhia especializada em administração condominial. Em locais com inúmeras torres, geralmente de cunho mais popular, o valor médio mensal da taxa condominial, em São Paulo, chega à cifra de R$ 250, muito inferior aos prédios de altíssimo padrão, que podem alcançar montante de R$ 3,5 mil.

Entre esses extremos existem os condomínio denominados “clássico médio”, em que o valor médio constatado é de R$ 565,00. Nos de alto padrão, a taxa sobe para R$ 840,00.

Angélica Delgado Arbex, gerente de Marketing da Lello Condomínios, avalia que a discrepância é decorrente da enorme diversidade no padrão dos empreendimentos, diferentemente de anos atrás, quando existiam locais meramente semelhantes.

Quer saber mais detalhes do levantamento? Acesse o Canal Executivo UOL, base deste artigo, aqui.

Por Luiz Felipe T. Erdei