Atualizações anteriores



Preço da gasolina sobe enormemente e assusta motoristas


O preço médio da gasolina disparou em todo o Brasil e os aumentos, apesar de serem esperados, assustaram a todos.

Com um aumento médio de 7,5%, o preço médio da gasolina passou de R$ 3,03 para R$ 3,26, mas há locais onde o valor já ultrapassa os R$ 3,50. No Acre, por exemplo, o preço médio da gasolina é de R$ 3,62 sendo um dos preços mais elevados no Brasil.

O aumento no preço da gasolina é devido ao aumento das alíquotas do Programa de Integração Social e da Contribuição para o Financiamento da Seguridade Social, que está em vigor desde o último dia 1º de fevereiro.

Em Porto Alegre, o aumento da gasolina subiu R$ 0,34 em apenas 10 dias. O valor tem como base os dados oficiais da ANP – Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis. Foi divulgado também o preço máximo encontrado nas bombas de combustível de Porto Alegre, sendo que de R$ 3,09 o litro da gasolina passou para R$ 3,45.

No Rio Grande do Norte, o preço da gasolina aumentou cerca de 5,6% de acordo com a mesma pesquisa divulgada pela ANP. O litro de gasolina está custando em média, R$ 3,273. No ranking de gasolina mais cara do Brasil, o Rio Grande do Norte ocupa a 17ª posição. O primeiro lugar ficou com o Acre, onde o preço médio da gasolina foi para R$ 3,62. A Paraíba vem em último lugar com o preço médio da gasolina no valor de R$ 3,089. No nordeste, o Maranhão ficou o 1º lugar com o preço mais alto, com o litro de gasolina custando R$ 3,37.

O preço da gasolina disparou também em Curitiba onde o aumento foi de 12%, subindo bem mais que o imposto! Até o etanol que não teve nenhum reajuste na tributação, também teve o preço aumentado.
O reajuste no PIS/Confins entrou em vigor no dia 1º de fevereiro e o aumento deveria ser de R$ 0,22, mas muitas regiões apresentaram um valor superior ao que foi calculado pela Receita Federal. Em Curitiba o preço médio da gasolina subiu R$ 0,35 indo de R$ 2,875 para R$ 3,225.

Por Russel

Gasolina



Etanol tem alta de 11,7% em março


Abastecer um carro flex parece ser bastante simples, mas o consumidor precisa estar muito atento com relação aos preços praticados nas bombas de combustíveis. Há muitas semanas o etanol sobe de cotação e em todos os locais do país, nos dias atuais, é mais rentável abastecer o veículo com gasolina.

O Índice de Preços no Varejo (IPV) divulgado pela Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de São Paulo (Fecomercio) aponta que o avanço no custo dos combustíveis foi o grande motivador pelo aumento dos preços em São Paulo no mês passado em comparação a fevereiro.

Nesse intervalo, os preços na capital paulista cresceram 0,38% em média, dos quais 0,26% proveniente do setor de combustíveis e lubrificantes. A Fecomercio pondera que no acumulado de janeiro a março o índice registra avanço de 0,81% e nos últimos doze meses encerrados no mês, 4,54%.

Como se pode supor, o custo do etanol subiu 11,7% em março ante fevereiro. Aos que esperavam para breve uma diminuição do preço, por litro, do álcool podem se surpreender. A antecipação da safra da cana-de-açúcar, matéria-prima para a extração do combustível, deve ser retardada em função do excesso de chuvas.

Além dessa constatação, a federação assoalha que a qualidade da cana da safra atual diminuiu o material voltado à fabricação do combustível (parte da cultura também é destinada à fabricação de açúcar). Como consequência, pela gasolina utilizar em sua composição anidro (álcool hidratado), seu valor também subiu, porém 1,95% entre fevereiro e março.

Por Luiz Felipe T. Erdei