Atualizações anteriores



Programa Minha Casa, Minha Vida – Novas Regras e Cotas para Idosos e Deficientes


Nesta terça-feira, o Governo Federal anunciou que pretende investir cerca de R$125,7 bilhões até 2014 para a construção de cerca de 2 milhões de casas participantes do Programa Minha Casa, Minha Vida, projeto que é uma das prioridades da presidente Dilma Rousseff.

Entre outras medidas anunciadas pelo ministro das cidades, Mário Negromonte, há a destinação de ao menos 3% desse volume de recursos para o atendimento de pessoas idosas e deficientes. Com isso, a Presidente pretende atender a essa faixa da população que tem renda abaixo da média e, em geral, vive em condições precárias de moradia.

Para fazer parte do Programa Minha Casa, Minha Vida, é necessário ter renda familiar bruta de até R$5.000,00, não ter um financiamento imobiliário e não comprometer mais de 30% com as prestações para a compra da nova casa. As demais regras são as mesmas para o financiamento convencional e devem ser consultadas no site da Caixa Econômica Federal.

O Programa Minha Casa, Minha Vida, foi lançado pelo então presidente Lula em março de 2009, no auge da Crise Econômica Mundial, com a meta de construir 1 milhão de moradias para reduzir o déficit habitacional no Brasil. Hoje o programa permite faixas de renda maiores e, portanto, sua vocação passou de assistência à população carente para motor da economia, já que a construção civil é responsável por milhares de empregos diretos e indiretos, e movimenta uma soma vultosa de recursos em todos os estados da federação.

 

Por Luiz Moreira



Caixa Econômica Federal – Contratos Imobiliários – 1º Semestre de 2010


Nesta segunda-feira, 19 de julho de 2010, a Caixa Econômica Federal apresentou o resultado dos contratos firmados até o momento no primeiro semestre deste ano, para aquisição de imóveis.

Até agora foram cerca de quinhentos e setenta e cinco mil contratos, com uma liberação de mais de trinta e quatro bilhões de reais pela Caixa Econômica para este fim, sendo que quase a metade foi destinada ao programa Minha Casa Minha Vida.

Em relação ao mesmo período ano de 2009, o valor aumentou em 95,1%. Já em comparação a 2008, o valor já superou todo o investimento feito naquele ano, onde houve uma liberação total de 23,3 bilhões de reais.

Por Elizabeth Preático

Fontes: G1, O Globo



Programa Minha Casa Minha Vida – São Paulo atinge Meta


O “Minha Casa, Minha Vida”, principal programa habitacional do governo federal, tem favorecido diversas famílias brasileiras. Ao Estado de São Paulo, Valter Nunes, superintendente regional da Caixa Econômica Federal, avalia que a meta de 184 mil unidades estimadas será contratada.

Segundo ele, que teve discurso mensurado pela Agência Estado, isso acontecerá devido às parcerias bem estruturadas entre o governo e a prefeitura paulista. A licitação para a escolha das construtoras seguirá até 10 fevereiro, e cada uma poderá ficar responsável por, no máximo, 600 unidades.

Os locais escolhidos para a implementação de residências sob os moldes da Companhia de Desenvolvimento Habitacional e Urbano (CDHU) são o Jaraguá, a Vila Maria, a Penha, o Parque do Carmo, Ermelino Matarazzo, entre outros.

Jorge Hereda, vice-presidente de Governo da Caixa, acredita que o programa é uma interessante ferramenta disponível à população, pois permite que pessoas com faixas salariais de até três mínimos por mês adquiram residência própria.

Para saber mais detalhes sobre o assunto, acesse aqui.

Por Luiz Felipe T. Erdei



Programa Minha Casa Minha Vida – Construção de Casas Populares


Com o propósito de fazer a bandeira habitacional “Minha Casa, Minha Vida” cair na graça da população, Luiz Inácio Lula da Silva, presidente do Brasil, anunciou que o governo destinará R$ 3 bilhões ao programa a municípios com até 50 mil habitantes.

Desse montante, quase 35% será destinado à construção de 74 mil moradias distribuídas em pouco mais de 2 mil municípios, selecionados anteriormente em oferta pública. Os recursos correspondem ao orçamento da União e tem por objetivo acolher famílias que recebem até três salários mínimos mensais.

Para afastar qualquer tipo de especulação partidária, conforme ilustra a Agência Estado, em reportagem, Márcio Fortes, ministro das Cidades, relatou que a escolha de cada município teve por base a disponibilidade de terrenos oferecidos pelos governos locais e o déficit habitacional.

Observe outras informações aqui.

Por Luiz Felipe T. Erdei



Financiamento Imobiliário pela Caixa Econômica cresce 93%


Até o último dia de novembro, pouco mais de R$ 39 bilhões foram concedidos pela Caixa Econômica Federal em financiamentos imobiliários. Estimativas dão conta de que o valor suplanta em 93% o percentual registrado no mesmo período de 2008.

A Caixa garante que quase 757 mil famílias foram acatadas, 42% delas com renda estimada em até cinco salários mínimos. De acordo com a instituição, a média de financiamento habitacional é de R$ 69 mil por meio do banco.

Mais de 2,7 mil propostas de financiamento de empreendimentos ligados ao programa “Minha Casa, Minha Vida” foram recebidas pela Caixa Econômica até o dia 30 de novembro. Além disso, 322 mil são voltadas a pessoas com renda de até três salários mínimos mensais, 138 mil para indivíduos de três a seis salários mínimos e quase 107 mil para cidadãos que recebem entre seis e dez salários mínimos.

Por Luiz Felipe T. Erdei



Financiamento da Casa Própria com o FGTS – Como Fazer


A Caixa Econômica Federal oferece diversas modalidades de financiamento imobiliário, entre as opções, a possibilidade de utilizar o seu FGTS para financiar a aquisição da casa própria. Para tanto é necessário que o trabalhador, além de não ser proprietário de imóvel, tenha idoneidade cadastral e capacidade de pagamento.

Os interessados devem procurar uma agência da CAIXA com a documentação necessária e entregá-los para que seja feito o cadastro e a avaliação das condições de financiamento: o valor total e o prazo para a amortização. Depois de aceito o contrato, a CAIXA paga ao vendedor do imóvel e se inicia o processo de amortização.

Nos dois primeiros anos, a parcela do encargo referente à amortização, seguros e taxas de administração é recalculada a cada 12 meses, enquanto à referente aos juros é recalculada mensalmente. O encargo mensal não pode ser superior a 30% da renda familiar bruta no mês.

Para fazer uma simulação de um financiamento, visite o site para habitação da Caixa Econômica Federal: http://www.caixa.gov.br/habitacao/index.asp

Por Caio Kruse de Morais