Atualizações anteriores



Como sacar o FGTS e o abono salarial durante a greve dos bancários


Mesmo com os bancos em greve é possível sacar o FGTS e o Abono Salarial.

O período de greve das agências bancárias é muito complicado e prejudicial para a vida de muitas pessoas. Isso se dá pelo fato de atualmente muitas contas serem pagas nas agências. Sem falar do problema maior que é a questão de saques e recebimentos. Sem dúvidas esse período de paralisação é causador de muitos transtornos.

Os bancos brasileiros, privados e públicos, inclusive a Caixa Econômica Federal estavam em greve desde o dia 06 de setembro. Durante esse tempo as pessoas enfrentam muitas dificuldades para realizar suas operações bancárias. E muitas não sabem o que fazer, considerando que a maioria dos bancos estão fechados.

Entre as agências que aderiram à greve a Caixa se encontra entre elas. Daí não é possível o saque do FGTS e/ou do abono salarial. Mas existem outras maneiras de sacar esses recebimentos.

Se você se encontra nessa mesma situação, informe-se através deste post e descubra as opções para receber seu esperado dinheiro.

Para sacar o FGTS: A Caixa possui caixas eletrônicos distribuídos em casas lotéricas, ou comércios que possuem o Caixa Aqui. Para realizar o saque é preciso ter o Cartão Cidadão com senha e os saques têm limites de R$1.500,00.

Para sacar o abono salarial: o saque do abono pode ser feito pelo trabalhador do setor privado também em caixas eletrônicos da Caixa (mesmo a agência estando em greve, os caixas eletrônicos funcionam normalmente), casas lotéricas ou em lugares que trabalhem com o Caixa Aqui. Da mesma forma são necessários para o saque o Cartão Cidadão e senha.

Agora, se você é servidor público, você somente poderá sacar seu abono salarial em agências do Banco do Brasil. Ainda que o Banco do Brasil esteja também em greve, existem agências que estão funcionando normalmente. Diante disso, faça uma busca e saque o seu dinheiro. Já para aqueles servidores públicos que possuem conta no BB, o dinheiro é depositado automaticamente, o que facilita a retirada, pois pode-se usar os caixas eletrônicos.

Não deixe de receber o abono salarial, ele é um direito do trabalhador. Até o final deste ano o governo disponibilizou o saque do abono referente ao ano de 2014 e parte do de 2015. Confira a data de recebimento no Calendário do PIS.

Por Sirlene Montes



Alta na contribuição sobre o Lucro Líquido dos bancos


Dilma Rousseff sancionou a lei que elevou a alíquota da Contribuição Social sobre o Lucro Líquido de bancos, indo de 15% para 20%.

Através de vetos, a presidente Dilma Rousseff sancionou a lei que acabou elevando a alíquota da Contribuição Social sobre o Lucro Líquido de bancos, a chamada CSLL. Dessa forma, a nova alíquota passa a vigorar na casa dos 20%, sendo que anteriormente a alíquota era de 15%. Tal medida estará em vigor até o final de 2018. É importante destacar que o texto já foi publicado no “Diário Oficial da União”, edição de 07 de outubro.

Confira mais detalhes na continuação desta matéria.

Essa lei faz parte do chamado pacto de ajuste fiscal do Governo. Esse pacto é um conjunto de medidas que visa à recuperação fiscal do país através do equilíbrio das contas públicas. A medida incide sobre bancos, seguradoras, administradores de cartões de crédito, corretoras de câmbio, dentre outras instituições.

Apesar de o texto oficial ter sido publicado em 07 de outubro, a medida é válida a partir do dia 1º de setembro de 2015 e se estende até o dia 31 de dezembro de 2015. A partir do dia 1º de janeiro de 2019 a taxa da alíquota volta a ser de 15% para as pessoas jurídicas de seguros privados, bem como aquelas da área de capitalização.

Além disso, é importante destacar que a partir de 1º de outubro de 2015 foi elevada para 17% a alíquota da CSLL referente a cooperativas de crédito. A medida será válida até 31 de dezembro de 2018. Em 1º de janeiro de 2019 a taxa volta a ser de 15%.

Com tais medidas, fica evidente que o aumento da tributação que incide sobre os bancos é uma das alternativas que o Governo Federal encontrou para restaurar as contas públicas. Dessa forma, o Governo espera estimular a confiança dos empresários e evitar a temida perda do grau de investimento.

O atual cenário de crise econômica e rombo nas contas públicas é algo presente em 2015. Nos últimos meses o Governo vem anunciado uma série de medidas que visam aumentar a arrecadação.

Por Bruno Henrique

Contribuição dos bancos



Bancos estão dispostos a renegociar dívidas de clientes


Situação econômica do Brasil fez com que os bancos ficassem mais dispostos a renegociar as dívidas de seus clientes, oferecendo mais opções de pagamento.

Com o crescente aumento da inadimplência provocada pelo agravamento da crise financeira do país, os bancos estão cada vez mais dispostos a renegociar dívidas com os seus clientes.

Como a inadimplência é um fenômeno inevitável no cenário atual da crise no país, o esforço feito pelas instituições bancárias é para evitar que o indicador de inadimplência aumente em uma velocidade ainda maior do que já está acontecendo.

Os esforços são para garantir o pagamento mínimo das dívidas, já que no mês de junho, os calotes vindos das pessoas físicas aumentaram nos bancos, após vários trimestres em redução.

O Banco Central divulgou dados recentes em que se percebe um índice no mercado de crédito com recursos livres com uma queda em seu fechamento do mês de agosto: foram 5,5%, 0,1% a mais que o mês anterior, onde o índice foi de 5,4%. O mês registrou o índice mais alto de todo o ano. O BC registrou também número recorde da taxa de desemprego do brasileiro. No mês de agosto, o número era de 7,6%, o maior número apurado pela Pesquisa Mensal de Emprego, que é realizada desde 2013, pelo IBGE.

Perante esse cenário pessimista, os bancos tentam retomar uma postura de renegociação com os clientes, para ajudá-los também com o controle de suas contas e dar um fôlego a já  desgastada vida financeira destes.

Uma das alternativas para renegociação das dívidas é a proposta do banco espanhol, que reempacota diferentes dívidas do cliente em um só empréstimo. Que possui juros e prazos melhores. A iniciativa foi batizada de Crédito sob controle e engloba casos como cartão de crédito, crédito pessoal e cheque especial, que são créditos sem garantia.

Os clientes adimplentes sob o risco de default também ganharão atenção especial dos bancos. A partir do próximo dia 15 de outubro, o banco oferecerá uma opção de renegociação de dívidas pela internet, por meio do Portal da Renegociação, que foi lançado no final do último ano e já fez com que o BB recuperasse quase R$ 1,5 bilhão com cerca de 140 mil inadimplentes, e agora espera aumentar o número arrecadado, incluindo também os clientes adimplentes. Para isso, o sistema analisará o perfil de seus investidores, cruzando diversas informações, para identificar futuros inadimplentes.

Uma das soluções dos bancos para o risco da inadimplência é o crédito pessoal com a garantia do imóvel, chamado de home equity. O crédito oferece prazo mais longo e juros bem menores do que o convencional, porém ainda não caiu no gosto dos brasileiros, pelo medo da perda da casa própria para pagar o empréstimo pessoal.

Por Rodrigo Silva

Dívidas



Bradesco comprou o HSBC Brasil por US$ 5,2 bilhões


Com a aquisição, o Bradesco chega bem perto de seu maior concorrente, o Banco Itaú, que é considerado o maior banco privado do País. Os clientes e as agências do HSBC passarão a ser geridos pelo Bradesco.

Na última segunda-feira (dia 3) o banco HSBC anunciou à imprensa que vendeu sua subsidiária para o Banco Bradesco. A operação teve o total de US$ 5,2 bilhões em movimentação financeira, o que equivale a R$ 17,6 bilhões.

Depois da compra, o Bradesco chega bem perto de seu maior concorrente, o Banco Itaú, que é considerado o maior banco privado do País. O Itaú possui ativos no total de R$ 1,2 trilhão.

O presidente do Bradesco, Luiz Carlos trabuco Cappi, afirmou através de uma teleconferência na última segunda-feira, que a empresa está grata em ter chegado a um bom termo. Desde o ano de 1943, o Bradesco já realizou 48 novas aquisições, sendo a mais importante, a aquisição do HSBC, banco de enorme relevância dentro do país.

Depois da aquisição, o Bradesco tomará conta de todas as operações do banco de HSBC, incluindo operações de varejo, seguros e administração de seus ativos. Com a venda, os clientes e as agências do HSBC também passarão a ser geridos pelo Bradesco. Porém, o banco HSBC manterá a sua presença no país, somente para as grandes empresas.

A venda foi selada definitivamente no dia 31 de julho e atualmente está em processo de aprovação regulatória. O processo completo tem previsão para ser concluído até junho do próximo ano.

A transação para a aquisição do HSBC ficou em um valor acima do esperado pelo mercado. Mas segundo alguns analistas da agência Credt Suisse, a transação foi estratégica e o Bradesco agora pode implantar mais eficazmente o seu excesso de capital, já que a perspectiva para o crescimento de crédito para os próximos anos é fraca.

Já para os analistas da agência BTG Pactual consideram a compra estratégica, pois o cenário macroeconômico do país está frágil e dificulta altos níveis de retorno, inclusive para o principal rival do Bradesco, o Itaú Unibanco.

Por Patrícia Generoso

Bradesco e HSBC



Bancos brasileiros são mais rentáveis que bancos americanos


Bancos no Brasil chegam a ser 2 vezes mais rentáveis que bancos americanos

Todos têm visto de perto que a  economia  brasileira vem passando por um período nebuloso. Mas chegar ao ponto de que os bancos brasileiros chegam a ser 2 vezes mais rentáveis que os  bancos americanos é  algo surpreendente de se saber.

É isso que  está acontecendo, de acordo com um levantamento  feito pela “Economática”,  que  mostrou que os  bancos  brasileiros têm a maior rentabilidade sobre patrimônio líquido (ROE – Retorno sobre o Patrimônio Líquido) do que as  instituições dos Estados Unidos.

No ranking, aparecem quatro bancos  brasileiros com capital aberto: Banco do Brasil, Itaú-Unibanco, Bradesco e Santander, que  marcaram presença com outros 14 bancos americanos.

O estudo considerou apenas instituições financeiras com ativo total acima de 100 bilhões de dólares. O ROE dos bancos brasileiros ficou em 18,23% contra 7,68% dos bancos americanos.

No Brasil, entre os quatro bancos que se destacaram, somente o Banco do Brasil apresentou queda na rentabilidade sobre patrimônio líquido de 24% para 16,65% na comparação de  2013 e 2014, uma queda de 7,35 pontos percentuais.

Já o Itaú-Unibanco, é a  instituição com a  melhor  rentabilidade tanto para o Brasil quanto para os Estados Unidos, com uma alta de 20% para 22,68%, o Bradesco, de  17% para 19,81% e o Santander passou de 3,61% para 3,90%.

O Itaú ainda  teve um aumento de seu  lucro de  30,2% em 2014, considerado o maior lucro da  história dos bancos brasileiros de capital aberto segundo a Economática (R$ 20,6 bilhões).

O Bradesco também expandiu bastante, em torno de 25,6%, e isso em um momento em que consultorias  econômicas estimam um crescimento próximo a  zero para  o  PIB de 2014.

O melhor momento  das  instituições financeiras do Brasil, segundo os  dados, foi em 2006, quando a média do ROE obtida foi de 33,16%.

Isso significa que os  bancos brasileiros conseguem ter um melhor retorno do negócio em  relação ao patrimônio que  possuem.

Por André Escobar

Bancos no Brasil



Santander entra em acordo sobre funcionários demitidos


Nesta terça-feira, dia 18 de dezembro de 2013, houve um entendimento entre os Sindicatos de Bancários de São Paulo e o Banco Santander.

A pendência surgiu em decorrência de aproximadamente 447 demissões de funcionários do banco no estado de São Paulo. Em decorrência disso, o Sindicato entrou com ação no TRT para tentar impedir os desligamentos e teve a sua solicitação acatada pela justiça trabalhista.

E agora as duas entidades chegam a um acordo para reintegrar ou indenizar os funcionários demitidos no mês passado bem como a revisão de casos de pacientes com doenças graves e prestes a se aposentar.

Fonte: Infomoney

Por Ana Camila Neves Morais



Bradesco cria caixa eletrônico que dispensa uso do cartão


As atividades bancárias estão cada vez mais facilitadas e a última novidade neste ramo vem do Banco Bradesco que divulgou nesta quinta-feira, dia 13 de dezembro de 2012, a possibilidade de realizar saques e consultas sem o uso do cartão de débito.

Esta inovação é possível por meio do uso da biometria, disponível em cerca de 93% dos terminais de auto-atendimento do Banco Bradesco, que realiza a leitura do padrão vascular da palma da mão do cliente.

Com o uso desta técnica, os clientes devem informar o número da agência e da conta em caso de saques além de precisar digitar a sua senha bancária com seis dígitos.

Para utilizar este sistema é preciso que os clientes do banco se cadastrem no sistema de biometria em qualquer agência.

Por Ana Camila Neves Morais



Tarifas Bancárias no Brasil estão entre as Menores do Mundo


Uma pesquisa feita pela Accenture com instituições bancárias de 15 países indicou que as tarifas cobradas pelos 7 maiores bancos do Brasil oscilam entre R$ 27,00 e R$ 59,60. Dos locais pesquisados, essas taxas só são inferiores no México, na Índia e na França.

O estudo também revelou que os consumidores do Brasil estão mais exigentes e atentos em relação aos serviços e tarifas cobradas pelas instituições bancárias, mas também não tem medo de experimentar serviços de outras instituições. 7% dos consumidores declararam ter a previsão de mudar de banco e de 36% a 43% já mudaram de banco.

Outro fator analisado foi o poder emergente da Classe C. Segundo a pesquisa, 50% dos consumidores entrevistados já mantêm contas bancárias e 53% já possuem cartão de crédito.

A pesquisa consultou os principais bancos de varejo de 15 países (Hong Kong, México, Argentina, França, EUA, Inglaterra, África do Sul, Alemanha, Índia, Turquia, Rússia, Japão, Singapura e Austrália).

Em cada um deles buscou-se as informações dos 2 maiores bancos por volume de receita, apenas no Brasil foram pesquisados 7 bancos.

As informações foram adquiridas por canais públicos que estão acessíveis a qualquer consumidor.

Por Natali Alencar



BC – Conta eletrônica poderá ser oferecida aos clientes – Benefícios


A bancarização do brasileiro tem estimulado as instituições bancárias a oferecem número ilimitado de serviços. A alta geração de empregos pelo país, o maior acesso ao crédito e a massa salarial em alta são apenas algumas constatações da nova configuração do Brasil, situação que também suscita investimentos de empresas, nacionais e estrangeiras.

Desde 1º de março (terça-feira), medida encabeçada pelo Conselho Monetário Nacional já vigora. Os consumidores que quiserem efetuar transições bancárias pela rede mundial de computadores terão conta especial, isenta de cobrança de tarifas desde que a movimentação se dê apenas pela world wide web, por celulares e por caixas eletrônicos.

Mesmo assim, cada banco pode decidir, ou não, se irá oferecer o serviço. Apesar dessa característica ‘sem taxas’, o Banco Central ressalta que uma única cobrança, de cadastro para novos clientes, poderá ser feita.

Um pouco mais adiante, novas regras de tarifas sobre cartões de crédito beneficiarão as pessoas físicas. A partir de 1º de junho, contratos formalizados só poderão receber cinco tarifas concernentes à utilização de serviços do dinheiro de plástico (emissão de segunda via, anuidade, função saque, pagamento de contas e solicitação de apreciação emergencial do limite de crédito).

Em relação aos contratos efetivados até o último dia de maio, as regras também têm início a partir de junho, ou seja, até lá as atuais tarifas permanecem.

Por Luiz Felipe T. Erdei

Fonte: Banco Central



Medidas para a diminuição das taxas de juros dos Bancos


A transição do governo do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva para o de Dilma Rousseff causou certa apreensão entre investidores, empresários e a própria população. Por enquanto, a ex-ministra-chefe da Casa Civil tem procurado estabelecer bom relacionamento com os diversos setores sociais e de atividades, bem como entre políticos de partidos adversários, mostrando-se também receptiva, bilateralmente, para com as esferas federal e estadual.

Outra preocupação gerada, até similar, foi a mudança de direção do Banco Central (BC). Alexandre Tombini, funcionário de carreira, veio a substituir Henrique Meirelles, criticado por Dilma devido à política de juros altos. No fim da primeira quinzena deste mês, a instituição estabeleceu o término da exclusividade bancária, permitindo à população realizar empréstimos no banco que melhor convier.

De acordo com Odilon dos Anjos, chefe do Departamento de Normas do Sistema Financeiro (Denor) do BC, a iniciativa recém-abarcada contribuirá para a diminuição das taxas de juros praticadas pelos bancos. Entretanto, a regra é válida somente para contratos novos, pois os antigos, com diretrizes de exclusividade, permanecem.

Mesmo com todas as positivas perspectivas, analistas de mercados não acreditam tanto nessa possibilidade, a de arrefecimento das taxas de juros. O principal motivador, neste caso, é o aumento da Selic, taxa básica de juros da economia, atualmente em 10,75%, podendo se distender para 11,25%.

Por Luiz Felipe T. Erdei

Fonte: Terra



Idec – Necessidade de ampliar a inserção bancária no Brasil


Estudo recente divulgado pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) revela que 39,5% da população brasileira não tem acesso aos serviços bancários, embora a dita bancarização tenha avançado consideravelmente nos últimos anos. Desse total, boa parte almeja fazer uso dos serviços de bancos.

De acordo com o Instituto de Defesa do Consumidor (Idec), é necessária a ampliação da política de inserção bancária no Brasil. Na visão de Lisa Gunn, coordenadora executiva do instituto, esse público que não faz uso de bancos acabam se utilizando dos serviços por meio de correspondentes bancários, como é o caso de farmácias, caixas de supermercados e lotéricas – que permitem pagamento de contas de maneira similar às próprias instituições financeiras.

A executiva, porém, indaga o atendimento realizado pelos correspondentes, tanto que eles, a seu ver, não são reconhecidos como bancários, algo que pode tornar o serviço precário.

Por Luiz Felipe T. Erdei

Fonte: Economia UOL



GfK – Instituições Bancárias – Benefícios e Satisfação para os Consumidores


Criticadas pelas taxas praticadas em vários quesitos, as instituições bancárias não representam somente a tão almejada segurança – embora existam casos de fraudes e outras incorreções –, mas também possibilidades de pagamentos de contas de várias maneiras, mesmo que o valor no final da tramitação (dependendo de qual) seja elevado para padrões vistos em outros países.

Estudo erguido pela consultoria GfK alista, porém, que a imagem dos bancos está bem-conceituada entre os consumidores. Para 65% da população residente no Brasil as instituições financeiras acrescentam mais benefícios a problemas.

A pesquisa, feita por meio da opinião de 985 pessoas em julho de 2010, em 12 cidades situadas nas regiões metropolitanas, contabiliza que um em cada quatro cidadãos assegura que bancos só trazem benfeitorias e somente 6% dos consultados assinalaram que apresentam apenas problemas.

Curiosamente, a população de baixa renda parece ser a mais satisfeita com os bancos, sobretudo entre as pessoas de 35 a 44 anos de idade localizadas nas regiões Centro-Oeste e Norte do país.

Na concepção de Mario Mattos, diretor de marketing da GfK, o entendimento em favor dos bancos não possui relação com a qualidade dos seus serviços.

Por Luiz Felipe T. Erdei

Fonte: Band Online



Sistema para consulta de tarifas bancárias


A partir dessa quarta-feira (1º), os clientes dos 13 maiores bancos do Brasil poderão consultar a relação de 72 pacotes de tarifas para pessoas físicas. Segundo a Febraban (Federação Brasileira de Bancos), o cliente poderá consultar pacotes de determinados parâmetros, como valores. Os clientes poderão, também, consultar pacotes por palavras-chave.

Antes, o consumidor só tinha direito a comparar 46 tarifas que eram as mais utilizadas, e verificar pacotes padronizados criados pelo Banco Central (BC). Hoje, os consumidores têm acesso ao Sistema de Divulgação de Tarifas e Serviços Financeiros (Star) – disponível em www.febraban-star.org.br.

A ideia da Febraban é adicionar um recurso ao sistema já existente.

Fonte: Folha de S. Paulo

Por Luana Costa



Banco do Brasil amplia Horário de Atendimento para o Feriado 7 Setembro


As agências do Banco do Brasil nas cidades de São Paulo deverão abrir uma hora mais cedo que o horário habitual, de acordo com informação divulgada pela instituição bancária na última quinta-feira.

As mudanças devem acontecer nos dias 3, 6 e 9 de setembro. As agências da capital paulista começarão a atender os clientes às 9h nos dias informados e as unidades do Banco do Brasil nas demais cidades do estado de São Paulo, onde as agências iniciam atendimento às 11h, o horário de atendimento nos três dias deverá ser antecipado para as 10h.

A antecipação da abertura das agências da instituição bancária no estado tem como objetivo agilizar o atendimento aos clientes nos dias anteriores e posteriores ao feriado do dia 7 de Setembro.

Outras informações sobre as mudanças nos horários das agências estão disponíveis no site: www.bancobrasil.com.br

Por Luana Neves



Transações bancárias via internet estão sendo cada vez mais utilizadas


Desde o ano de 2006 a realização de transações bancárias via internet vem aumentando. Nesta segunda-feira, 05 de julho, o Banco Central informou que este sistema foi o mais utilizado pelos brasileiros no ano de 2009, onde trinta e um por cento das operações bancárias foram feitas através deste acesso virtual, superando os terminais de autoatendimento.

Os serviços mais acessados pelos usuários foram a consulta de saldo e extrato. Além disto, também foi verificado um aumento no uso de papel moeda per capita, que passou de R$408,93 no ano de 2008 para R$459,94, no ano posterior.

As operações realizadas com cartões de crédito e débito não apresentaram um crescimento significativo. Já a utilização de cheques apresentou uma redução.

Por Elizabeth Preático

Fonte: G1



Novo Limite Mínimo para Transferências Eletrônicas Disponíveis (TEDs)


Na finalidade de facilitar a vida do cidadão brasileiro a Federação Brasileira de Bancos (Febraban) modificou, há algumas semanas, o limite mínimo para as Transferências Eletrônicas Disponíveis (TEDs), antes restritas a transações superiores a R$ 5 mil. Desde 21 de maio, sexta-feira, o novo valor fixado é R$ 3 mil, montante que poderá ser conferido praticamente em tempo real àquele que realizou a operação.

Existem, na atualidade, duas opções para a efetivação de transferências entre contas de bancos diferentes entre em si, segundo o portal dinheiro UOL, que são os Documentos de Ordem de Crédito (DOCs) ou as já mencionadas TEDs.

No mês passado, a Câmara Interbancária de Pagamentos, responsável por essa modalidade de transação, fez 309 mil TEDs por dia. Com o novo limite, a Febraban acredita que o volume desse meio de operação será de 335 mil diários.

Fonte: UOL



O Banco Amigo na Praça está de volta – Banorte


O antigo Banco Nacional do Norte S.A. (Banorte), que tinha como slogan “Um Amigo na praça”, teve algumas das suas principais marcas adquiridas pelo Banco Gerador. A instituição financeira, com sede em Pernambuco, está em operação há cerca de dois anos e tem atuação no mercado nordestino.

A intenção do Banco Gerador ao adquirir as marcas “Banorte”, “Banorte Corretora de Valores Mobiliários e de Câmbio” e “Banorte Seguradora” é resgatar para o mercado financeiro nomes que, pela sua força e tradição, ainda estão presentes no inconsciente dos pernambucanos. O Banorte, que teve as suas atividades encerradas pelo Banco Central na segunda metade da década de 1990, tinha sede em Pernambuco.

O Banco Gerador quer, com a utilização das novas marcas, expandir-se no mercado financeiro pernambucano e, em médio prazo, conquistar e consolidar-se no segmento regional (Nordeste e Norte).

Por Alexandre de Souza Acioli



PIB brasileiro pode chegar a 6,3% em 2010


Diante de tantos números positivos, alguns negativos, o Brasil tem se saído bem em relação aos últimos acontecimentos no mundo das finanças, tanto que um estudo feito pela Federação Brasileira de Bancos (Febraban) revelou, recentemente, que o Produto Interno Bruto (PIB) do país deverá alcançar índice de 6,3% ainda em 2010.

O percentual descrito, referente a pesquisas realizadas em abril, é superior aos números levantados em março deste ano pela entidade, quando a estimativa de crescimento do PIB estava na casa dos 5,5%.

Em reportagem do Canal Executivo UOL, Rubens Sardenberg, economista-chefe da Febraban, avalia que o aumento entre um mês e outro se deve à tendência de desenvolvimento de três importantes ramos da produção brasileira, que são o agropecuário, a produção industrial e os serviços.

Quer obter informações mais detalhadas e outros percentuais não mencionados? Acesse o UOL aqui.

Por Luiz Felipe T. Erdei



Comunidades carentes pacificadas agora vão ter agências bancárias


Com a implantação das Unidades de Polícia Pacificadora em comunidades carentes, instituições financeiras voltam suas miras para as classes mais baixas (C e D), enxergando um filão atraente de captação de negócios para estas faixas da economia.

Além de agências que já foram implantadas em áreas onde o poder legal tornou-se presente através das UPPs, como a Rocinha,  existe a previsão de abertura de outras mais, como por exemplo uma agência do Banco Santander no complexo do Alemão.

Os serviços oferecidos são os mesmos das demais agências e específicos para estas classes até agora excluídas, tais como : pequeno crédito, cadernetas de poupança e serviços sociais (FGTS, PIS, etc), inclusive seguro por acidentes que inclui até bala perdida e custa menos de cinco reais por mês.

Como um efeito dominó, estas comunidades esperam que agora o estado além da segurança e da inclusão econômica, traga também educação, emprego, saúde, saneamento e qualidade de vida.

Fonte : Jornal O Dia


Sem aumento dos juros no Banco Central


Uma estimativa lançada por Flávio Castelo Branco, gerente-executivo da Unidade de Política Econômica da Confederação Nacional da Indústria (CNI), assinala que o Banco Central não precisa aumentar os juros em março do ponto de análise da atividade industrial do país.

Segundo ele, não haverá problemas ao país para o atendimento à demanda doméstica neste ano, principalmente porque a tão comentada pressão da inflação não tem origem na indústria. Ainda para Branco, se algum aumento ocorrer à taxa Selic terá, simplesmente, um efeito amortecedor no crescimento econômico do Brasil.

Embora alguns dos fundamentais indicadores da atividade da indústria tenham contraído recuperação, o gerente-executivo avalia que o parque fabril do país ainda não conseguiu alcançar o mesmo ritmo visto em setembro de 2008; porém, acredita que isso acontecerá ainda nos seis primeiros meses deste ano – ou seja, faltam apenas três meses e meio para que sua análise vigore.

Por Luiz Felipe T. Erdei



FMI pede que taxas de juro sejam mantidas baixas


O Brasil pode ser notado como um grande espelho ao mundo financeiro e econômico. O Fundo Monetário Internacional (FMI) – com base nisso? – recomendou ao G-7 (grupo dos sete países mais industrializados do planeta) que mantenha medidas de incentivo às suas economias, mas que prepare terreno para a retirada estratégica de cada uma.

Um porta-voz do FMI, segundo o Portal de Economia do Estadão, com suporte na Agência Estado, avalia que existe – e existirá – desenvolvimento das economias, mas que o processo ainda continuará lento. Embora o discurso seja conservador ao extremo, o órgão preferiu manter os percentuais de crescimento ao G-7 em 2,1% para este ano e 2,3% para 2011.

Em relação aos Bancos Centrais, o FMI pede que as taxas de juros sejam mantidas em níveis baixos até o final deste ano, bem como os estímulos fiscais previstos, que precisam ser implementados.

Clique aqui e confira mais pontos difundidos pelo FMI.

Por Luiz Felipe T. Erdei



Bancos Privados demitiram mais de 9,5 mil em 2009


Apesar de contabilizarem números salientes e crescimento potencial, as três mais destacadas instituições financeiras privadas do Brasil – Bradesco, Itaú Unibanco e Santander –, infelizmente, despediram mais de 9,5 mil pessoas no ano passado.

De acordo com o Portal de Economia do Terra, o Itaú Unibanco foi a instituição que mais demitiu trabalhadores (6,387) – a fusão entre ambas as companhias é uma das possíveis justificativas. Em seguida, o Santander cortou mais de 1,6 mil empregos, enquanto que o Bradesco encerrou 1,55 mil postos de trabalho.

Uma pesquisa realizada entre o Departamento Intersindical de Estatísticas e Estudos Socioeconômicos (Dieese) e a Confederação Nacional dos Trabalhadores do Ramo Financeiro (Contraf-CUT) ressalta que isto ocorreu no mesmo instante em que as três tiveram crescimento em seus lucros, que somados chegam a R$ 24 bilhões líquidos.

Uma realidade nada agradável a todos os brasileiros e aos demais cidadãos do mundo continua a existir e não tem prazo para término. Os bancos privados – não somente esses três – realizam, rotineiramente, rotatividade de mão-de-obra, que permite, principalmente, redução de salários.

Cabe um parecer bem clichê: quanto mais se tem mais se quer; quanto menos se tem menos se consegue.

Por Luiz Felipe T. Erdei



Caixa Econômica lucra mais de R$ 970 milhões em 2009


A Caixa Econômica Federal encerrou os últimos três meses do ano passado com um lucro líquido de mais de R$ 970 milhões, configurando, assim, um desenvolvimento de 57,4% em comparação ao mesmo período de 2008, segundo reportagem veiculada pelo Yahoo! Notícias, com base na agência de notícias Reuters.

No acumulado de 2009, o lucro da Caixa Econômica alcançou R$ 3 bilhões, bem abaixo do constatado em 2008, quando à ocasião apresentou lucros de R$ 3,9 bilhões. No final de 2009, a carteira de crédito do banco figurava mais de R$ 124 bilhões, uma ascensão de 55,3% em um ano.

Outro dado levantado pela CEF foi o saldo de operações vencidas com prazo superior a três meses, com recuo de 2,4% para 2,2% do total.

Fonte: Yahoo!Notícias

Por Luiz Felipe T. Erdei



Bancos investem em bom atendimento aos clientes


As instituições financeiras estão cada vez mais preocupadas em atender bem os seus clientes.

Bom, podemos dizer isso pelo menos para aqueles que fazem parte do grupo seleto na carteira de um banco. Muitos nomes já existiram e alguns continuam em vigor, você pode ser Personalite, Uniclass, Prime, entre outros.

Com a fusão do Santander com o Real, que tinha o segmento Van Gogh, quem é cliente Santander vai ter todas as vantagens do segmento, isso inclui gerentes à disposição, inclusive por telefone, assessoria financeira no Portal de Investimentos e diversas orientações, como seguros, previdências e crédito imobiliário.

Então, se você tem o perfil para ser cliente desse segmento e possui conta no Santander usufrua dos benefícios oferecidos.



Dívidas com Bancos – Brasília é a cidade mais endividada


Informações divulgadas pelo Banco Central revelam que o povo brasiliense é o que mais deve aos bancos, no Brasil. A cifra média estimada, por pessoa, é de R$ 7.538, um valor quase 700% maior que o constado entre os cearenses, por exemplo, que chega a R$ 1.305.

A média nacional estabelecida nesse mesmo estudo aponta que os brasileiros possuem R$ 2.732 em dívidas contraídas em instituições bancárias. O Sistema de Informações de Crédito (SCR) ilustra que os maiores endividados da nação se encontram no Centro-Oeste, seguidos, depois de Brasília, por cidadãos residentes em Mato Grosso do Sul.

De acordo com a Agência Estado, o baixo endividamento das famílias nordestinas causa surpresas, o que é justificável, segundo Ricardo José de Almeida, professor de finanças. Para ele, isto se deve a falta de formalização da economia nordestina, isto é, o pouco acesso da população aos serviços presentes nos bancos.

Leia mais sobre a matéria no site da Agência Estado aqui.

Por Luiz Felipe T. Erdei



Itaú Unibanco nega Compra de Participações em Bancos Britânicos


Contrariando aquilo que fora veiculado pelo jornal inglês Sunday Times, o Itaú Unibanco assegurou que não está comprando participações em bancos britânicos que foram amparados pelo governo do Reino Unido, em virtude de uma possível quebra. A instituição brasileira garantiu, também, que atualmente não negocia aquisições em outros países, dentre eles os Estados Unidos.

A assessoria de imprensa do Itaú Unibanco assevera que as informações não precedem, visto que o jornal inglês citou dois nomes alvos da recente fusão nacional, que são o Lloyds Banking Group e o Royal Bank of Scotland.

A Agência Estado relata que o Sunday Times disse existir dois motivos a serem balanceados nas aquisições. O primeiro deles é o momento econômico incerto do cenário global e o segundo, as eleições presidenciais no Brasil.

Por Luiz Felipe T. Erdei



Linhas de Créditos Bancários para pagamentos de impostos


O comércio brasileiro sabe muito bem apostar no poder aquisitivo dos consumidores e seus 13º salários. Por isso, todo início de ano grande parte dos cidadãos encontra dificuldades para pagar os impostos iniciais, dentre eles o Imposto Predial Territorial Urbano (IPTU) e o Imposto sobre Propriedade de Veículo Automotor (IPVA).

Com base nisso, diversas instituições bancárias passaram a oferecer linhas de crédito específicas, com taxas de juros que não são lá muito diferentes das oferecidas normalmente pelo mercado, algo em torno de 3% a 4,5% ao mês.

A Agência Estado fez um levantamento com alguns dos bancos. Um dos que dispõe mais flexibilidade, conforme se percebe na reportagem, é o Santander, com prazos que se estendem em até 48 meses. Por outro lado, o Bradesco aposta em um prazo maior para que o solicitante efetue o pagamento da primeira parcela.

Confira outros pontos da notícia em http://aeinvestimentos.limao.com.br/economia.

Por Luiz Felipe T. Erdei



Caixa Econômica adquire parte do PanAmericano por pouco mais de R$ 730 mi


Após a confirmação da aquisição do Banco PanAmericano pela Caixa Econômica Federal, o mercado já tem noção, por meio de dados consistentes, de quanto a CEF pagou à instituição gerida pelo apresentador e dono do SBT, Silvio Santos.

Com uma participação de 35,54% no Banco Panamericano, o montante exato foi estipulado em R$ 739.272 milhões. Entre outros dados primordiais, a Caixa Econômica ficará com 49% das ações ordinárias do banco do Grupo Silvio Santos e 20,69% dos papéis preferenciais, ou seja, 35% do capital social total.

O acordo estima, ainda, que a comercialização de serviços e produtos será feita pelas duas instituições, em conjunto. O início desta negociata tem por base as intenções de a Caixa Econômica Federal ampliar sua área de atuação em operações de leasing e financiamento de veículos automotores.

O negócio, por fim, aconteceu por meio da Caixa Participações S.A., ou simplesmente CaixaPar, que fora criada neste ano a partir de uma ajuda de R$ 3 bilhões.

Por Luiz Felipe T. Erdei



Marca Nossa Caixa ainda não tem data prevista para sua extinção


A recém-aquisição da Nossa Caixa pelo Banco do Brasil terá a integração tecnológica prevista para até o final de 2010. Porém, Aldemir Bendine, presidente do BB, diz não existir uma decisão final para o mantimento da marca Nossa Caixa.

Para o presidente, atualmente existem estudos que apontam que a marca Banco do Brasil se apresenta mais forte do que a da Nossa Caixa. Mesmo assim, ratifica que durante algum bom tempo as duas continuarão prevalecendo.

As operações realizadas em São Paulo terão como objetivo primordial a concessão de crédito às pessoas físicas, às micro, pequenas e médias empresas. A fim de atender a uma futura demanda, o Banco do Brasil pretende ampliar o número de agências para quase 1.500 – atualmente existem 1.350 unidades.

Por Luiz Felipe T. Erdei



Caixa Econômica compra parte do Banco Panamericano


Um dos principais assuntos da semana é a aquisição de parte do Banco Panamericano pela Caixa Econômica Federal. Rumores não confirmavam totalmente a vigência desta negociata, porém, agora já existe a certeza de negócio entre as duas instituições.

Com um valor estimado entre R$ 800 milhões e R$ 900 milhões, a Caixa Econômica adquirirá, provavelmente em 30 de novembro ou 1º de dezembro, 49% das ações ordinárias e 20% dos papéis preferenciais do banco do Grupo Silvio Santos, o que totaliza 35% do capital da financeira. Ao que tudo indica ambos já resolveram questões primordiais, entre elas aquelas que cerceiam temas trabalhistas.

O valor patrimonial do Banco Panamericano é de R$ 1,5 bilhão. Por isso, o valor mencionado no parágrafo acima de ser, efetivamente, o que a Caixa Econômica pagará ao “Homem do Baú”, que cada vez mais, sabiamente, preenche as inúmeras fissuras e condições do mercado.

Por Luiz Felipe T. Erdei



Caixa Econômica pode comprar parte do Banco Panamericano


Rumores dão conta de que a Caixa Econômica Federal tem o interesse em adentrar no segmento de crédito pessoal. Isto já pode ser confirmado: o Banco Panamericano, pertencente ao grupo Silvio Santos, assegura que há uma negociação em andamento entre ambas as partes.

Inicialmente, o banco do “Homem do Baú” poderá vendar cerca de 49% do seu capital votante e outros 20% do capital não votante, o que resulta, no final das contas, em aproximados 35% de seu capital social. Por enquanto há somente percentuais, haja vista que o preço de negócio ainda não está definido, de acordo com o Panamericano.

Com esses boatos, em 25 de novembro as ações do banco do apresentador e dono do Sistema Brasileiro de Televisão (SBT) acumularam alta de 35% no mês de novembro. Ao que tudo indica, não existe, por enquanto, qualquer documento assinado entre o Panamericano e a Caixa Econômica Federal.

Por Luiz Felipe T. Erdei



Banco do Brasil deve consolidar Integração com Nossa Caixa


Está para ser finalizado, em junho do próximo ano, o processo de integração entre o Banco do Brasil e a Nossa Caixa. Isto será finalmente consolidado após a conclusão da migração das agências do banco paulista, com previsão para início em fevereiro de 2010.

Um cronograma apregoado em 24 de novembro norteia que a partir de dezembro deste ano, a migração das áreas corporativas terá início, isto é, após o término do processo de anexação societária, ainda neste mês.

Outras obtenções recentes do Banco do Brasil acontecem na rede de agências do Banco do Estado do Piauí, com previsão de encerramento para os últimos dias deste ano, além de um outro processo, que é o de otimização da rede de atendimento do Banco do Estado de Santa Catarina, previsto para ser finalizado apenas em 2010.

Por Luiz Felipe T. Erdei



Secretário do Tesouro dos EUA pede a Colaboração dos Bancos


Os principais personagens envolvidos na economia norte-americana passaram a adotar medidas e apresentar discursos para que haja estímulos em vários setores. Entre eles figura Timothy Geithner, secretário do Tesouro dos Estados Unidos, que recentemente pediu aos bancos que obtiveram ajuda do governo, durante a crise financeira, para aumentarem seus empréstimos, no mesmo instante em que o crédito continua limitado em vários segmentos econômicos.

Geithner afirmou, durante fórum que ambiciona o planejamento de meios para o fortalecimento do fluxo de crédito a pequenas empresas, que os bancos precisam trabalhar ao lado do governo norte-americano, para um fim comum, e não no sentido contrário, que pode, inclusive, configurar uma atitude desastrosa.

O secretário disse que a recuperação nos ganhos por parte do sistema bancário ocorreu devidos aos milhares de contribuintes do país, que decidiram, então, salvar a economia. Rebaixando um pouco os próprios bancos, Geithner ressalvou que o governo foi o grande responsável pela recuperação do sistema financeiro.

Por Luiz Felipe T. Erdei



Novo vírus está roubando senhas bancárias


Após a isenção do banco Itaú da acusação do sumiço de R$ 4.487,53, de contas pela internet, já está rodando pela web outro vírus que rouba a senha de correntistas.

Os crackers agora estão de posse do código que usa o Gmer, para realizar ataques virtuais. O grande segredo é que o Gmer é uma aplicação legitima de segurança.

Então se você estiver o seu computador infectado com o “troj_dload.bb”, exclua o arquivo, e sempre que for fazer algum tipo de operação bancaria pela internet certifique-se da segurança tanto do site como do seu computador.

Para mais informações sobre o vírus e como se proteger dele clique aqui.

Por Levi Rocha



Requerimento do Saque do FGTS no Ministério do Trabalho


Enquanto durar a greve dos funcionários da Caixa Econômica Federal (CEF), os trabalhadores desempregados que tiverem direito ao recebimento do seguro desemprego poderão solicitar o pagamento do benefício diretamente nas agências regionais ou estaduais do Ministério do Trabalho e Emprego (MTE) e nos postos Sistema Nacional de Emprego.

Para solicitar o benefício, que poderá ser de até cinco parcelas mensais, o trabalhador deverá apresentar a Carteira de Trabalho e Previdência Social (CTPS) e o cartão do Programa de Integração Social (PIS) ou do PASEP. Enquanto durar a greve dos funcionários da CEF, os saques dos benefícios poderão ser feitos diretamente em qualquer casa lotérica do País, desde que os beneficiários tenham o Cartão-Cidadão.

Por: Alexandre de Souza Acioli



Greve Bancária e os impactos sobre a população brasileira


Sempre que questionamos greves surgem argumentos que são favoráveis e contras, portanto para que se possa tomar uma posição de apoio ou desfavorável, é preciso verificar o quanto o movimento impacta o dia-a-dia da população.

Todos que precisam dos serviços bancários, correntistas ou não, sofrem com a greve, que por muitos são criticadas. O salário e as reivindicações, para a maioria da população, demonstra apenas um sentimento de individualismo dos bancários.

Eles já possuem remuneração e benefícios acima do mercado, e carga de trabalho, normalmente, de 6 horas. Mas, independentemente das razões, o direito de um vai até onde interfere no direito do outro, ou seja, o correntista tem as taxas cobradas mas não pode usar os serviços em épocas de greve.

Por José Alberi Fortes Junior



Estudo revela que bancos do setor público elevaram suas tarifas básicas em 9,2%


No Brasil, setores privado e público muitas vezes não se entendem, apesar de cada um contribuir para com o outro – dependendo do assunto. Prova disso são as atuais tarifas bancárias estipuladas por cada parte. Uma pesquisa elaborada pela Secretaria de Acompanhamento Econômico do Ministério da Fazenda ilustrou que ambos apresentam dados controversos.

Instituições do setor financeiro controladas pelo governo elevaram o preço médio do denominado pacote padronizado, este, da conta corrente para pessoa física, em exatos 9,2% entre os meses de maio de 2008 e julho deste ano. Na via contrária, bancos privados talharam o valor em 23,6%.

Em miúdos, para os clientes terem uma idéia, os bancos cobravam, em média, R$ 14,96 mensais nesse tipo de pacote com serviços básicos, que engloba a emissão de quatro extratos, oito saques e quatro transferências entre contas da própria instituição. No entanto, nos dias atuais, o valor chega, por exemplo, a R$ 17 no Banco do Brasil, e R$ 15 na Caixa Econômica Federal.

Por Luiz Felipe T. Erdei


Greve Frequente dos Correios e Bancos Estatais – Estabilidade ajuda a mantê-los


Devido à estabilidade do funcionalismo público, as greves nesta classe são freqüentes e na maioria dos casos são longas, existe um grande corporativismo, uma grande adesão nacional e o sindicato, normalmente é muito forte.

Hoje vivemos a greve dos Correios, que já aconteceu ano passado. Bancos estatais (Banco do Brasil e Caixa Econômica federal) também promovem greves quase todos os anos e normalmente fazem com que seus salários e seus benefícios sejam sempre superiores aos demais colegas de categoria, mas da iniciativa privada.

Se os Correios ou os bancos não fossem estatais, dificilmente os empregados teriam tanta segurança em participar tão efetivamente das greves, pois a estabilidade é usada ao favor dos funcionários para que possam garantir o direito de paralisação.



Trabalhador que teve o seu salário reduzido poderá conseguir descontos em empréstimos


A Febraban – Federação Brasileira dos Bancos realizou um acordo com a Força Sindical, que orienta as instituições financeiras a reduzirem ou suspenderem o valor das prestações dos empréstimos consignados de trabalhadores que tiveram seu salário reduzido, por conta da crise econômica.

A redução do valor descontado deverá ser proporcional a redução do salário do trabalhador. Por exemplo, se o trabalhador, que realizou um empréstimo, sofrer uma redução de 20% no seu salário, o valor da parcela descontada em sua folha de pagamento que antes era de R$ 100, passa a ser R$ 80, ou seja, 20% a menos.

Os valores descontados na parcela serão acrescidos no final do pagamento do financiamento.



Bancos diminuem as taxas médias de juros


Já está surtindo efeito a divulgação do Banco Central da lista de juros cobrados pelo Bancos, no último dia 05/02.

A lista mostra o ranking da taxa média de juros cobrado pelos bancos e financeiras. Veja a lista aqui.

Segundo pesquisa realizada pelo PROCON, oito Bancos reduziram a taxa de juros dos emprétimos pessoais, sendo a maior queda a do Banco do Brasil. Para cheques especiais, sete instituições reduziram os juros cobrados e a maior redução desta taxa foi a do Banco Real.



Alerta: Em época de juros altos evite financiamentos longos


Em época de crise, os juros ficam cada vez mais altos e o consumidor, que antes estava acostumado a comprar parcelado com juros baixos e até mesmo com juro zero, pode ficar surpreso quando fizer a conta, o valor da mercadoria parcelada chega a custar até cinco vezes mais caro do que se comprado à vista.

Evite cair no juros dos cartões de crédito, ao operadoras são as que cobram a taxa de juros mais altas do mercado. Quando fizer compras no cartão, evite atrasar o pagamento e nunca pague o mínimo da fatura, você poderá cair numa bola de neve sem fim.

Cheques especiais também estão com taxas de juros altíssimas e a variação dos valores cobrados entre os grandes também é grande.  Confira aqui a tabela do Banco Central e veja a diferença das taxas de juros cobradas pelos bancos.

Caso entre no cheque especial, evite permanecer por mais de uma semana, às vezes é até melhor tirar dinheiro da poupança para pagar a dívida.



Banco Central divulga tabela do ranking de juros cobrados pelos Bancos e Financeiras


Quem quer fazer algum tipo de empréstimo ou finaciamento agora terá uma oportunidade de consultar em qual banco ou financeira fará o melhor negócio.

A partir de hoje, o Banco Central está disponibilizando em seu site, uma tabela com o valor dos juros cobrados pelos 35 principais bancos e financeiras do país. Agora é possível identificar que as variações de taxas de juros cobradas pelos bancos e finaceiras sofrem uma grande variação.

Todos podem se beneficiar com a criação desta tabela, que fornece valores médios dos juros cobrados em crédito pessoal, cheque especial, aquisição de veículos e aquisição de bens. Pessoas jurídicas também poderão obter valores de juros em desconto de duplicatas, capital de giro prefixado, conta garantida, aquisição de bens e capital de giro flutuante.  

O objetivo é fazer com que o consumidor fique mais atento à cobrança de juros em finaciamentos e empréstimos e incentivar a concorrência entre as instituições, que se tornarão mais transparentes com o cliente.

Para ter acesso à tabela,  clique aqui ou entre no site www.bcb.gov.br.



Sabia que você pode receber seu salário em qualquer banco que você achar mais conveniente?


A partir do dia 2 de Janeiro de 2009, todos os empregados do setor privado terão uma conta salário, ou seja, pode-se escolher o banco onde receber o pagamento.

Com a conta salário, é possível transferir todo o dinheiro do salário para outra conta em outro banco, sem pagar nenhuma tarifa por isso.

Contudo, a conta salário não dá direito a cheques nem outras operações financeiras.

“Se a tarifa for menor, a gente vai optar por ela…”