Atualizações anteriores



Caixa Econômica adquire parte do PanAmericano por pouco mais de R$ 730 mi


Após a confirmação da aquisição do Banco PanAmericano pela Caixa Econômica Federal, o mercado já tem noção, por meio de dados consistentes, de quanto a CEF pagou à instituição gerida pelo apresentador e dono do SBT, Silvio Santos.

Com uma participação de 35,54% no Banco Panamericano, o montante exato foi estipulado em R$ 739.272 milhões. Entre outros dados primordiais, a Caixa Econômica ficará com 49% das ações ordinárias do banco do Grupo Silvio Santos e 20,69% dos papéis preferenciais, ou seja, 35% do capital social total.

O acordo estima, ainda, que a comercialização de serviços e produtos será feita pelas duas instituições, em conjunto. O início desta negociata tem por base as intenções de a Caixa Econômica Federal ampliar sua área de atuação em operações de leasing e financiamento de veículos automotores.

O negócio, por fim, aconteceu por meio da Caixa Participações S.A., ou simplesmente CaixaPar, que fora criada neste ano a partir de uma ajuda de R$ 3 bilhões.

Por Luiz Felipe T. Erdei



Caixa Econômica pode comprar parte do Banco Panamericano


Rumores dão conta de que a Caixa Econômica Federal tem o interesse em adentrar no segmento de crédito pessoal. Isto já pode ser confirmado: o Banco Panamericano, pertencente ao grupo Silvio Santos, assegura que há uma negociação em andamento entre ambas as partes.

Inicialmente, o banco do “Homem do Baú” poderá vendar cerca de 49% do seu capital votante e outros 20% do capital não votante, o que resulta, no final das contas, em aproximados 35% de seu capital social. Por enquanto há somente percentuais, haja vista que o preço de negócio ainda não está definido, de acordo com o Panamericano.

Com esses boatos, em 25 de novembro as ações do banco do apresentador e dono do Sistema Brasileiro de Televisão (SBT) acumularam alta de 35% no mês de novembro. Ao que tudo indica, não existe, por enquanto, qualquer documento assinado entre o Panamericano e a Caixa Econômica Federal.

Por Luiz Felipe T. Erdei