Destaque em Aposentados e Pensionistas

Atualizações anteriores



Reajuste do INSS para aposentados e pensionistas subiu abaixo do IPCA


Os benefícios para aposentados e pensionistas que recebem acima de um salário mínimo, distribuídos pelo Instituto Nacional do Seguro Social (INSS), subiram abaixo do Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA). O reajuste foi definido em 6,23%, com base no Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC). O valor foi publicado em portaria do Diário Oficial da União na última segunda-feira (12).

O percentual de reajuste, que tem como referência o INPC fechado no ano, ficou abaixo da inflação oficial do Brasil, IPCA. No ano anterior, o IPCA chegou a 6,41%.

Para quem recebe o salário mínimo o aumento foi mais considerável, em 2014 o mínimo foi de R$ 724,00, este ano foi reajustado em 8,8%, subindo para R$ 788,00.

A mesma portaria define que o teto da Previdência Social subiu de R$ 4.390,24 em 2014 para R$ 4.663,75 em 2015.

Em relação ao salário-família, a quantia paga por filho ou equiparado, que tenha até 14 anos de idade, será de R$ 37,18 para os segurados que recebam mensalmente valor que não ultrapasse R$ 725,02. Para os que possuem renda superior a essa quantia até R$ 1.089,72, com o reajuste o valor ficará em R$ 26,20.

A portaria traz também informações sobre o benefício de auxílio-reclusão, destinado os dependentes de segurados presos em regime fechado ou semiaberto. Terão direito ao benefício os dependentes do segurado que possua salário de contribuição igual ou inferior a R$ 1.089,72.

É possível conferir também os valores fixados das faixas salariais, que são utilizadas de base para o cálculo de contribuição previdenciária dos trabalhadores domésticos. Estão definidas as seguintes alíquotas: 8% para as pessoas que recebem até R$ 1.399,12, alíquota de 9% para quem possui faixa salarial de R$ 1.399,12 a R$ 2.331,88, e 11% na faixa salarial de R$ 2.331,89 até R$ 4.663.

Clique aqui e acesse a portaria disponível no Diário Oficial da União. 

Por Rafaela Fusieger



Previdência Social terá impacto de R$12,3bilhões anuais com novo salário mínimo


Os trabalhadores do Brasil receberam a grata notícia nesta última quarta-feira, dia 26 de dezembro de 2012, de que o valor do salário mínimo será de R$678,00 a partir do dia 01 de janeiro de 2013.

No entanto, este aumento irá representar para a Previdência Social um impacto anual de R$12,3 bilhões a mais em suas contas decorrentes do aumento do valor dos benefícios concedidos os quais aumentam com o salário mínimo.

Isto ocorre porque como a maioria dos aposentados recebem a contribuição referente a um salário mínimo os seus valores tem acréscimos com o aumento deste indicador.

Fonte: Agência Brasil

Por Ana Camila Neves Morais



Aposentados – Aumento Real de Salário – PSDB


O ambiente eleitoral do Brasil é instável, mensurou há pouco tempo o veículo de comunicação The Economist. Seu posicionamento não foi um dos mais errôneos, é certo, pois diariamente novas informações envolvendo situações embaraçosas tanto de Dilma Rousseff (PT) quanto de José Serra (PSDB) tornam imprevisíveis qualquer definição, mesmo pesquisas de intenções de votos indicando vantagem para a ex-ministra da Casa Civil.

Carlos Lupi, ministro do Trabalho e Emprego, criticou o tucano ao avaliar ser inviável o reajuste salarial prometido de R$ 600, pois para tal feito seriam necessárias mudanças de algumas das diretrizes do atual governo, gerido por Luiz Inácio Lula da Silva.

Corroborando com o discurso de Lupi, Carlos Eduardo Gabas, ministro da Previdência, afirmou saber o que o Partido da Social Democracia Brasileira fez com a Previdência e diz ter a certeza de que o anunciado não procede no concernente ao reajuste de 10% prometido aos aposentados e pensionistas do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS).

Em proveito de entrevista concedida a jornalistas, segundo o Estadão, Gabas assegurou que no período em que o tucanato esteve à frente do poder federal a classe dos aposentados não conseguiu aumento real de salário (percentual superior ao índice da inflação).

Gabas assinala que o presidente Lula só debaterá o tema de reajuste do salário mínimo e demais temas com seu sucessor, obviamente após o último dia deste mês.

Por Luiz Felipe T. Erdei



Aposentados e Pensionistas – Reajuste Salarial


Uma decisão perdurou durante bom tempo no Brasil: reajuste aos aposentados e pensionistas do Instituto Nacional de Seguro Social (INSS) de 7,72%, conforme pleiteava, à época, o Senado. Até a definição muitas dúvidas permearam na cabeça de inúmeras lideranças políticas, tais como a do próprio presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que delongou ao máximo a demarcação.

Agosto foi o mês ‘X’ para a questão aos aposentados que ganham acima de um salário mínimo (R$ 510), situação que gerou custo de quase R$ 899 milhões sobre o retroativo de 6,14% estipulado em janeiro. Carlos Eduardo Gabas, ministro da pasta, assevera que o montante ficou abaixo do relacionado anteriormente pelo governo, o qual estipulava ampliação de R$ 1,6 bilhão na folha do órgão.

O impacto, de fato, foi sentido somente em agosto. Aliás, no oitavo mês do ano o INSS gastou outros R$ 1,8 bilhão com o adiantamento à primeira parcela do 13º salário de aproximados 19 milhões de aposentados com benefícios mensais de um salário mínimo.

Segundo o portal de notícias G1, outro aumento à folha do INSS acontecerá ainda neste mês, correspondente ao adiantamento para os beneficiários com remuneração acima de um salário mínimo.

Por Luiz Felipe T. Erdei



Leitores Biométricos – Facilidade para Aposentados


Aos poucos os aposentados e pensionistas do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) asseguram cada vez mais seus direitos. Desta vez, um recurso interessante do Bradesco, singularmente, deverá prolongar a paciência – e por que não a vida? – de cada um dos segurados.

Como todos os correntistas podem observar diariamente, em cada agência do banco existem caixas com leitores biométricos que fazem uso de leitura da palma da mão para reconhecer o titular da conta. Informações emitidas pelo Estadão asseguram que a recente tecnologia permitirá o aposentado movimentar seus valores sem, ao final de cada ano, ter de apresentar uma série de documentações para comprovar que está vivo, em conformidade com deliberações do INSS.

Renan Mascarenhas, diretor responsável pela esfera de setor público da instituição financeira, assegura que por meio dessa medida fraudes serão evitadas, responsabilidade altíssima se for considerada os quase 6 milhões de beneficiários e pensionistas que fazem uso do Bradesco para receber o benefício.

Futuramente, revela Mascarenhas, o banco poderá eliminar a digitação de senhas mesmo às pessoas que já são cadastradas no sistema de leitura da palma da mão -considerado altamente seguro.

Por Luiz Felipe T. Erdei



Desaposentadoria – Brasileiros entram na justiça para Não receber Aposentadoria


Essa com certeza é uma noticia inusitada. Brasileiros recorrem à justiça, e o motivo a principio é no mínimo curioso. A reinvidicação é pelo direito de NÃO receber a aposentadoria do INSS. Isso mesmo: O brasileiro está abrindo mão de receber sua aposentadoria.

A “desaposentadoria” consiste no fato de muitos aposentados ainda estarem trabalhando, portanto, ainda contribuem para a previdência. Mas calma, o trabalhador não é bobo não, nem está querendo fazer favor para a previdência. O que ocorre, é que quanto mais se trabalha e mais se acumula anos de prestação de serviço, maior o valor do benefício a receber, portanto o que o trabalhador quer é desistir da aposentadoria antiga e pedir uma nova.

Ah bom, explicando assim até dá pra entender, enquanto isso, cresce o índice – cerca de 15 mil ações na justiça – com pedido de desaposentadoria, isso só em São Paulo-SP. De acordo com o IBGE existem no país cerca de 19,6 milhões de aposentados que continuam trabalhando. Esta realidade nada mais é do que mais um reflexo do aumento da população de idosos hoje no país. Sabe-se que os idosos estão vivendo mais e melhor a cada dia, portanto não é difícil de se deduzir que haja uma tendência neste sentido.

Por: Lílian Jeane Oliveira



Tipos de Aposentadoria – Dicas na Hora da Escolha


Já está pensando em se aposentar? Conheça os tipos de previdência privada que melhor se encaixam no seu perfil. Se faltam mais de dez anos para você se aposentar, os bancos e seguradoras oferecem planos privados de aposentadoria.

Agora se faltam menos de dez anos, prefira investir em ações, títulos do governo, CDB ou caderneta de poupança. Para quem é assalariado e quem vive da renda de aluguel recomenda-se o plano de aposentadoria PGBL.

Quem é sócio de empresas, ou profissional liberal deve optar pelo VGBL. Já quem é disciplinado e não irá sacar o dinheiro antes da hora, pode utilizar uma carteira própria.

Economistas avisam, que quando chegar a hora de você se aposentar prefira sacar o dinheiro todo, ao invés de fazer saques esporádicos. Isso porque se você morrer seu dinheiro não poderá ser sacado por seus herdeiros, ele voltará ao banco. Em todos os casos, lembre-se de conversar com seu gerente, ele poderá te indicar o melhor plano de aposentadoria.

Fonte UOL

Por Fernanda Peixoto



Reajuste para Aposentados deve criar Corte Orçamentário


O reajuste de 7,72% aos aposentados que possuem remuneração mensal superior a um salário mínimo (R$ 510) foi confirmado na última terça-feira, 15 de junho, por Luiz Inácio Lula da Silva, presidente do Brasil. Embora advertido sobre o previsível aumento de gastos superior a R$ 1,6 bilhão anuais por sua equipe econômica, o líder do país determinou essa medida, votada no princípio de maio pela Câmara dos Deputados.

Paulo Bernardo, ministro do Planejamento, assegurou na quarta-feira, 16 de junho, que um corte orçamentário de mesmo valor será feito ainda este ano, tendência a ser seguida também durante 2011. Segundo ele, o aumento afetará outras esferas, mas, nas entrelinhas da reportagem emitida pelo portal de notícias G1, o veto sobre o fim do fator previdenciário pesou na decisão do presidente.

Aos interessados, o corte no Orçamento deverá ocorrer nas emendas de parlamentares e na área de custeio, uma forma de jogar toda a responsabilidade em cima dessa camada. Bernardo pondera, ainda, que para a obtenção de um aumento desses é necessária a previsão de receitas.

Anteriormente, neste mesmo espaço, os custos e riscos foram alertados. A sociedade arcará de alguma maneira com isso. Aos brasileiros resta esperar, porém, nada lá muito avantajado.

Por Luiz Felipe T. Erdei



Lula aprova Aumento para Aposentados – Reajuste Aposentadoria


Os aposentados com benefício superior a um salário mínimo estão atentos quanto à medida que visa reajustar seus salários, por assim dizer, em 7,7% ao invés dos 6,14% propostos no início do ano pelo governo. Luiz Inácio Lula da Silva, presidente do Brasil, tem poucas horas para decidir se veta, ou não, o intento.

Se o governo ratificar o aumento maior aos aposentados, Lula já analisa possibilidades diferenciadas para compensar uma despesa de vários milhares de reais. Carlos Eduardo Gabas, ministro da Previdência, afirmou em reportagem veiculada pelo portal de notícias G1 que o presidente tem ponderado todos os fatores atrelados ao projeto, pois uma decisão implica em consequências diferenciadas entre si.

Uma das cautelas mencionadas é o veto ao fim do fator previdenciário, ato que se combinado ao bloqueio do aumento de 7,7%, poderá beliscar sua imagem para com parte da população brasileira.

Novamente, Lula precisa pensar bastante, juntamente a Guido Mantega, ministro da Fazenda, antes de qualquer definição. O aumento pode acalentar os aposentados durante alguns meses, mas após algum tempo, um retorno em impostos deixará o placar, na linguagem do futebol, empatado.

Fonte G1

Por Luiz Felipe T. Erdei



Reajuste Aposentadoria – Lula ainda não decidiu sobre Aumento para Aposentados


O reajuste de 7,7% aos aposentados com benefícios superiores a um salário mínimo (R$ 510) foi aprovado, há alguns dias, pelo Congresso. Luiz Inácio Lula da Silva, presidente do Brasil, está inclinado a sancionar o aumento, uma vez que o fim do fator previdenciário já foi vetado e que uma dupla situação poderia comprometer sua imagem, relacionada, então, à pré-campanha de Dilma Rousseff (PT), ex-ministra da Casa Civil, à presidência da República.

Paulo Bernardo, ministro do Planejamento, acredita ser bem possível o reajuste anterior de 6,14% aos aposentados, uma vez que esse índice representa a inflação e outros 2,5% de ganhos reais. Até o momento, conforme menção feita durante reportagem do portal de economia do Estadão, o político não sabe dizer se Lula vetará, ou não, o aumento. Dia 15 próximo é a data limite para o presidente decidir.

O governo brasileiro deve ponderar amplamente essa questão, embora aumentos aos políticos em termos causem impactos parecidos nos cofres públicos – e disso eles não abstêm. A população também tem de estar atenta para tudo aquilo que é veiculado em torno de gastos na concessão de uma possível aprovação de 7,7% de aumento. No final, o acréscimo é simplesmente ilusório, pois tudo pode retornar em impostos.

Fonte Estadão

Por Luiz Felipe T. Erdei



Reajuste Aposentadoria – Lula pode aprovar Aumento para Aposentados e Pensionistas


Infindáveis dias foram necessários para o estabelecimento do reajuste de 7,72% aos aposentados que ganham mais de um salário mínimo por mês. Guido Mantega, ministro da Fazenda, sugeriu em várias ocasiões a Luiz Inácio Lula da Silva, presidente do Brasil, vetar o intento e manter o percentual anterior de 6,14%.

Em uma medida mais cautelosa devido a um veto anterior, o presidente do país está inclinado a acatar a decisão votada – em favor – pelo Congresso na semana passada. Carlos Lupi, ministro do Trabalho e Emprego, e Carlos Eduardo Gabas, ministro da Previdência, mostraram seu contentamento com a decisão de Lula.

Apesar de quase certo o acordo, o líder da nação ainda tem mais duas semanas, de acordo com o portal G1 de notícias, para confirmar ou coibir a intenção. Outro ministro favorável ao veto é Paulo Bernardo (Planejamento, Orçamento e Gestão).

Com a quase acertada decisão, a equipe econômica do governo Lula indica que a diferença entre o percentual de 6,14% e o novo, de 7,72%, é de R$ 1,7 bilhão a mais por ano em gastos.

Confira mais detalhes deste artigo aqui.

Por Luiz Felipe T. Erdei



Lula deverá acatar reajuste de 7,7% aos aposentados


Contestado desde seu início, o reajuste de 7,7% aos aposentados que têm remuneração mensal superior a um salário mínimo finalmente foi acordado. Luiz Inácio Lula da Silva, presidente do Brasil, recebeu diversas recomendações de Guido Mantega, ministro da Fazenda, para vetar o alçamento do percentual, pois as contas públicas do país poderiam apresentar desequilíbrio.

Anteriormente, de acordo com o portal de notícias G1, Lula barrou a emenda que elimina o fator previdenciário no país, mas indica, por outro lado, que o líder do país não quer se arriscar ao vetar a fixação do novo índice aos aposentados devido a dois fatores: término de seu mandato e pleito de outubro, no qual Dilma Rousseff (PT), ex-ministra da Casa Civil e pré-candidata, recebe seu integral apoio.

Paulo Pereira da Silva (PDT-SP), deputado e líder da Força Sindical, afirmou que até acolhe a medida de veto ao fim do fator previdenciário, porém, quer que o presidente fixe o reajuste de 7,7% à classe de aposentados.

Se Lula vetasse, também, o projeto de reajuste, provavelmente a oposição poderia usar o episódio como bandeira para derrotar Dilma nas eleições. Realmente, se o líder do país agir desse modo, a petista poderá ter sua imagem desvencilhada à principal bandeira do PT: beneficiar a sociedade e outorgar melhores condições à população.

Por Luiz Felipe T. Erdei



Lula pode Vetar Reajuste para Aposentados e Pensionistas


O Congresso votou, há alguns dias, em favor de um projeto que poderia viabilizar reajuste de 7,7% aos aposentados e pensionistas que ganham, mensalmente, mais de um salário mínimo (R$ 510), algo que tem desagradado Luiz Inácio Lula da Silva, presidente do Brasil.

Em virtude de um provável aumento de R$ 30 bilhões ao INSS, Paulo Bernardo, ministro do Planejamento, Orçamento e Gestão, acredita que o líder do país está inclinado a vetar esse percentual e limitá-lo ao índice sugestionado anteriormente, de 6,14%.

Bernardo ressalta uma preocupação evidente de Lula em causar desajuste nas contas do país e transferir qualquer problema dessa ordem ao sucessor, independente de quem venha a ser eleito. Guido Mantega, ministro da Fazenda, indica a mesma ideia de veto ao reajuste de 7,7%, pois isso permitirá maior estabilidade orçamentária à nação.

Outro mote mencionado pelo ministro do Planejamento, de acordo com o portal de economia UOL, é fim do fator previdenciário, algo que, segundo ele, não pode ser levado adiante.

Quer ler mais informações e conferir gastos, percentuais e implicações? Acesse aqui.



Aprovado aumento de 7,7% aos aposentados


O reajuste aos aposentados teve muitos capítulos nas últimas semanas, pois Luiz Inácio Lula da Silva, presidente do Brasil, e mais algumas autoridades, queriam vetar o percentual de elevação de 7,7% almejado já há algum bom tempo. Em 19 de maio, quinta-feira, o Senado, finalmente, aprovou o aumento.

O governo federal, descontente, estima que a Previdência deverá desembolsar mais de R$ 30 bilhões durante cinco anos caso o projeto convencionado seja convertido em lei. Isso se confirmará, ou não, após a análise do texto pelo presidente Lula, que conta com a opinião nesse sentido de Paulo Bernardo, ministro do Planejamento, uma vez que, segundo ele, o reajuste anterior de 6,14% já traria gasto adicional de R$ 19 bilhões na meia década citada no primeiro parágrafo.

Caberá, agora, uma análise imparcial de Lula. A sensatez, em ano eleitoral, é importantíssima. Os fatos indicam um possível veto do presidente, pois, para ele, não é porque 2010 haverá eleições que medidas eleitoreiras devem ser tomadas sem um mínimo de responsabilidade.

Vamos aguardar.

Por Luiz Felipe T. Erdei

Fonte: G1.



Senado deverá manter reajuste de 7,7% aos aposentados


Os debates em torno do reajuste a aposentados continua. Luiz Inácio Lula da Silva, presidente do Brasil, afirmou, há alguns dias, que pretende limitar o percentual em 6,14%, embora a Câmara dos Deputados tenha aprovado, por meio de Medida Provisória (MP), aumento de 7,7%.

Romero Jucá (PMDB-RR), líder do governo no Senado, assegura que conservará o reajuste com o percentual votado, embora admita existir duas correções a serem feitas no projeto.

Uma delas refere-se ao percentual anterior  (7%), abaixo do preterido em virtude de, durante as negociações, a troca de índices não ter sido alterada para mais na tabela. A segunda correção mencionada são mudanças na emenda que tem por finalidade acabar com o fator previdenciário, o que, segundo Jucá, não é interessante.

O portal de notícias G1 indica que se o texto da MP não for aprovado até 1º de junho, ocasião de seu vencimento, ela perderá sua eficácia e o aumento de 7,7% não será concedido.

Fonte: G1



Reajuste da Aposentadoria – Mantega concorda com veto de Lula


Polêmico desde o princípio das negociatas, o reajuste de 7,7% aos aposentados, embora votado pela Câmara dos Deputados no último dia 4, poderá ser indeferido por Luiz Inácio Lula da Silva, presidente do Brasil. Convergindo com as ideias do líder do país, Guido Mantega, ministro da Fazenda, recomendou ao petista veto ao intento.

Mantega avalia, de acordo com suas experiências frente ao cargo, que a medida, caso aprovada, poderia gerar aumento considerável nos gastos públicos do país, uma vez que o reajuste de 6,14% indicado pelo governo já elevou as despensas em R$ 2 bilhões. Como forma de incentivar o presidente, a liderança do BC relacionou que nos últimos anos os aposentados já receberam aumentos razoáveis.

Em palavras refletidas pelo portal de economia UOL, com base no Valor Online, Mantega afirmou que a nação brasileira é uma das únicas no mundo que concede aumento real à classe – o que é importante –, porém, tem de haver uma demarcação para o não comprometimento do próprio país.

Na data de aprovação pela Câmara dos Deputados, outra medida acordada na ocasião foi o fim do fator previdenciário.

Por Luiz Felipe T. Erdei

Fonte: UOL



Lula poderá vetar aumento de 7,7% aos aposentados


Durante muito tempo a imprensa nacional noticia informações relevantes e pertinentes ao reajuste a aposentados. O governo brasileiro, liderado por Luiz Inácio Lula da Silva, tencionava limitar o aumento em até 6,14% à classe, porém, em 4 de abril, terça-feira, a Câmara dos Deputados aprovou índice de 7,7%, bem acima da intenção do presidente.

Em Buenos Aires, onde recebeu a informação, Lula foi enfático e afirmou que vetará todo o texto, uma vez que, segundo ele, não existe eleição que o faça acatar um percentual altíssimo. Em reportagem divulgada pelo portal dinheiro do Folha UOL, o presidente quer, também, dar fim ao fator previdenciário.

Cândido Vaccarezza (PT-SP), líder do governo na Câmara, avalia que Lula, mesmo que acatasse ao aumento – permitindo, assim, melhor recepção dos aposentados em relação a Dilma Rousseff (PT) e sua pré-candidatura à presidência da República –, não quer, de maneira alguma, tomar medidas eleitoreiras que acarretem prejuízos ao país.

Portanto, o veto deverá vir com toda a certeza se depender do líder do Brasil.

Por Luiz Felipe T. Erdei

Fonte: Folha Uol



Recadastramento INSS – Servidores Públicos Aposentados e Pensionistas


Uma iniciativa recém-divulgada pelo portal dinheiro do UOL, bem como por outros veículos de comunicação, promete acabar com as fraudes ocorridas no INSS, constatadas formal e informalmente na imprensa.

Servidores públicos federais aposentados e pensionistas terão de atualizar, obrigatoriamente, seus dados cadastrais a partir de 10/08/2010. Informações indicam que mais de 700 mil pessoas terão de manter a base de dados da Caixa Econômica Federal e do Banco do Brasil corretas.

Caso o aposentado ou pensionista não efetive a atualização de seus dados, seu nome será publicado em jornal de circulação elevada ou, em última instância, será esquadrinhado por um funcionário do INSS. Se mesmo assim não for localizado, o benefício será interrompido e a reativação dele só ocorrerá mediante novo recadastramento.

Fonte: Folha UOL

Por Luiz Felipe Erdei



Reajuste dos Aposentados – Governo poderá ser mais maleável


Por meio de discurso cauteloso, Paulo Bernardo, ministro do Planejamento, acredita que o governo brasileiro poderá adotar uma postura mais maleável em relação ao reajuste aos aposentados, caso o Legislativo opte por um índice superior a 6,14%, este, vigente desde o primeiro dia de 2010 através de Medida Provisória (MP).

O episódio mais polêmico desse assunto ocorreu quando Luiz Inácio Lula da Silva, presidente do país, afirmou, caso o reajuste ultrapasse o índice fixado anteriormente, que poderia vetar qualquer decisão favorável a percentuais superiores.

Líderes do governo no Congresso pretendem reajustar aposentarias e pensões superiores a um salário mínimo em 7%, o que, segundo outros políticos, poderia comprometer a estrutura econômica do país.

Fonte: Estadão



Dia do Trabalho – Em defesa (nem tanto) dos trabalhadores


Todo ano, quando se aproxima o Dia do Trabalho, os políticos se movimentam para idealizarem medidas que favoreçam os trabalhadores, mesmo que muitas vezes são ações que pouco modificam a situação em que se encontram. Os salários continuam baixos, os impostos altos, as relações de mercado carentes, as diferenças enormes.

Este ano não deu outra. O Governo Federal acena com um aumento de 6,14%. Parece que só o aposentado nota, que isso não chega a fazer qualquer diferença no que ele já perdeu ao longo dos anos em que a aposentadoria está desvinnculada do salário mínimo.

Positivo só a notícia de que o “Paraná foi o primeiro estado brasileiro a ter os direitos dos empregados domésticos reconhecidos em convenção coletiva de trabalho.” Diz notícia divulgada pela Agência Brasil (do governo), no dia 27 de abril. Que os outros estados (e o Governo Federal) sigam o exemplo.

Fontes: Agência Brasil e O Globo

Por Odailson Elmar Spada (oda.spada@gmail.com)



Reajuste na Aposentadoria chega a 6,14%


Foi divulgado nesta sexta-feira, 23 de abril de 2010, que o governo brasileiro decidiu manter em 6,14% o reajuste para os aposentados que recebem acima de um salário mínimo. A decisão parece ter sido tomada pelo governo por não ter havido um consenso por parte do Congresso até o momento.

A maioria dos parlamentares quer que o aumento seja de 7,7%. Mas o presidente Lula disse que, caso o congresso defina por um reajuste maior do que 6,14% ele terá que decidir se vetará ou não a decisão, pois, segundo o presidente, não há como conceder um valor que o governo não tenha como pagar e é preciso verificar se o aumento cabe no orçamento da previdência.

Por Elizabeth Preático



Reajuste para Aposentados e Pensionistas – Lula poderá vetar aumento acima de 6,14%


Um tema polêmico tem suplantado as manchetes dos principais jornais impressos, virtuais e televisivos: reajuste para aposentados e pensionistas. Luiz Inácio Lula da Silva, presidente do Brasil, assegurou no último dia 22, quinta-feira, que vetará um possível acerto acima do que a Previdência Social pode conceder.

Recentemente, o governo brasileiro elaborou uma Medida Provisória (MP) para efetivar reajuste de 6,14% a essa classe que ganha mais de um salário mínimo. Entretanto, parlamentares pretendem aumentar esse índice para 7% ou 7,7%, segundo veiculado pelo portal de economia Terra.

Alexandre Padilha, ministro das Relações Internacionais, assinalou durante a semana que o governo brasileiro até concorda com aumento de 7%. Com o reajuste de 6,14%, a União desembolsaria aproximadamente R$ 6,7 bilhões. Caso seja de 7%, mais de R$ 1,1 bilhão seria incluso nos gastos.

Por Luiz Felipe T. Erdei

Fonte: economia.terra.com.br



Aumento da Aposentadoria é Votada na Câmara dos Deputados


Pode ser votada pela Câmara dos Deputados nesta terça-feira, 13 de abril de 2010, a medida provisória 475, que pretende aumentar o benefício dos aposentados que recebem mais de um salário mínimo, para 6,14%.

O deputado Cândido Vaccarezza é o relator do projeto e disse que não há como o reajuste ser maior do que 7%, visto o governo não teria condições de pagar.

Para ele, o deputado que insistir num valor maior do que 7% estará fazendo demagogia. Alguns deputados e líderes do Senado estão propondo um aumento de 7,7% mas, para Vaccarezza, trata-se de uma questão de responsabilidade do governo, já que não há como dar um reajuste neste valor.

Por Márcia V. L. Galvão



Aposentados sem reajuste em 2011


Se acatada a Medida Provisória 475/2009 (que antevê um reajuste para o próximo ano com base na reposição da inflação de 2010), a queda do PIB brasileiro afetará os pensionistas e aposentados do INSS que ganham mais de um salário mínimo. Em 2011, os beneficiários não receberão ganho legítimo, devido ao PIB do ano passado ter recuado 0,2%.

Para que os aposentados não sejam defasados, vinte e oito emendas da Medida Provisória estão em tramitação, incluindo uma do Senador Paulo Paim.

Infelizmente, é provável que novamente os aposentados saiam perdendo, pois no nosso país, os projetos lesivos às castas de domínio monetário não costumam sair do papel. Prova disso são os constantes cortes nas verbas que deveriam ser destinadas à saúde, educação ou segurança; ironicamente os bens de que a população mais necessita para viver dignamente. Mas torçamos para que a emenda seja sancionada e altere a matéria da referida Medida Provisória.

Fonte: cobap.maquinaweb.com.br


Reunião para Reajustes de Aposentadorias acaba sem Decisão – Previsão de reajuste é de 2,5% em 2010


Como era previsto, a reunião voltada à concessão de reajustes reais aos aposentados e pensionistas da Previdência Social que ganham mais de um salário mínimo terminou, pois, sem uma efetiva decisão. O encontro reuniu líderes dos partidos da base aliada.

Alexandre Padilha, ministro das Relações Institucionais, divulgou a informação de que a avaliação dos líderes será debatida internamente no governo. De acordo com ele, os projetos envoltos à exploração do tão fomentado pré-sal têm, atualmente, prioridade em votações.

Padilha, conforme divulgado pela Agência Estado, não descartou a possibilidade de o governo brasileiro encaminhar ao Congresso Nacional uma Medida Provisória (MP) para acelerar o processo. Mesmo assim, fez questão de mencionar que o percentual de 2,5% de reajuste real para 2010 aos aposentados e pensionistas que ganham mais de um salário mínimo já está definido.

Infelizmente, o discurso do momento para este problema é de que o governo já alcançou seu limite do responsável; não poderá, então, tomar iniciativas que possam impactar os cofres públicos. Talvez, uma boa quantia para as campanhas eleitorais do ano que vem tenham contribuído para o alcance desse “limite”, certo?

Por Luiz Felipe T. Erdei



Medidas Provisórias concedem Reajuste de 6,3% nas Aposentadorias


As Medidas Provisórias (MPs) são o meio mais fácil de obter tempo e trazer à tona propostas que precisam, urgentemente, entrar em vigor. Para tanto, o governo brasileiro começou seus estudos a fim de resolver o impasse criado em relação ao reajuste das aposentadorias.

De acordo com a MP voltada a esse tema, a partir de 1º de janeiro de 2010, aproximadamente 6,3% de reajuste para essa faixa de benefícios pagos pelo Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) poderão ser concedidos.

A proposta de reajuste das aposentadorias foi materializada em um texto elaborado pelo deputado Pepe Vargas, um dos negociadores do Governo com as entidades representativas dos aposentados e com as centrais sindicais, em troca da remoção da lista de votação dos projetos de interesse dos aposentados.

Por Luiz Felipe T. Erdei



José Alencar pede cautela no Reajuste de Aposentadoria


Luiz Inácio Lula da Silva, presidente brasileiro, atualmente está em Londres para tratar assuntos de interesse nacional. Por isso, José Alencar, que passou a representá-lo dentro de nossas fronteiras, articulou, na tarde do dia 5 de novembro, que o parecer de ampliar a todos os previdenciários o reajuste do salário mínimo, já em debate na Câmara, deve levar em consideração o equilíbrio orçamentário. Para ele, seria irresponsável outorgar um aumento sem, antes, fazer balancetes.

Mesmo com esse discurso que, com certeza, não agrada a muitos, Alencar afirma que tudo o que puder ser executado em favor dessas pessoas deve, com certeza, obter uma efetivação. No entanto, o déficit previdenciário, ressalta, provoca insegurança a todos os aposentados.

Atrelado a este assunto, Alencar foi questionado quanto ao esquema do “mensaleiro mineiro”. Para isso, o vice-presidente diz aguardar um julgamento justo, pois sempre foi a favor de investigações austeras.

Por Luiz Felipe T. Erdei



Aumento de idade durante o tempo para aposentar


Dizem que o Brasil está evoluindo, para melhor ou para pior? Com certeza para melhor, o fato de os brasileiros precisarem de mais idade para aposentarem-se não significa um retrocesso.

O fato é que a população brasileira esta se tornando idosa, caminhando para a realidade dos países subdesenvolvidos onde a população é velha e o governo até paga para quem quer procriar, é o que ocorre no velho continente.

Pois para essa realidade, existe muito pouco os que contribuem, a massa jovem da nação, e muito mais os recebedores de aposentadoria, os denominados proventos, realidade que tem seus prós e contras, mas a realidade é eminente.



Reajuste da Aposentadoria – Mudanças nas Regras


O Governo Federal e os Sindicalistas fecharam um acordo para o reajuste do benefícios dos aposentados e pensionistas que ganham mais do que um salário mínimo.

Os aposentados terão um reajuste de 6%, que passa a valer a partir de janeiro de 2010.

Além do reajuste, o acordo prevê algumas mudanças nas regras para se aposentar:

  • Trabalhadores que se aposentam por tempo de contribuição, 35 anos para homens e 30 para mulheres, poderão receber o valor integral ao benefício;
  • Aviso prévio e seguro-desemprego também poderão passar a valer como tempo de contribuição.

Estas medidas terão que passar ainda pelo Congresso para serem aprovadas.

Confira a reportagem exibida pelo Jornal Nacional sobre o assunto:



Benefícios do INSS – Período de Carência


A Carência do Benefício do INSS é o período que corresponde ao número mínimo de contribuições mensais que o segurado precisa comprovar para ter direito ao benefício previdenciário. O período de carência varia de acordo com o benefício. Confira:

inss



Beneficiários do INSS que ganham mais que um salário mínimo terão aumento


Os beneficiários do INSS (Instituto Nacional do Seguro Social) que recebem aposentadoria, pensão alimentícia ou auxílio-doença, acima de um salário mínimo (R$ 465) terão aumento de 3,64% a partir de fevereiro de 2010.

O reajuste está previsto no projeto da Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO).

Os beneficiários que recebem um salário mínimo deverão ter aumento de 8,9%, ou seja, o piso previdenciário será de R$ 507.

O valor máximo que a Previdência Social paga é de R$ 3.218,90 e passará a valer R$ 3.330,07.

O reajuste dos benefícios leva em conta a inflação acumulada no ano anterior ao rejuste conforme o Índice Nacional de Preços ao Consumidor, medido pelo IBGE.

O Projeto foi aprovado mas ainda precisa ser votado no Congresso Nacional.