Destaque em Aposentadoria

Atualizações anteriores



Novas regras da Aposentadoria


Com as novas regras aprovadas pela presidente Dilma Rousseff, ocorrerá um aumento gradativo no total da soma dos anos para a aposentadoria até que se chegue à soma de 90 anos para mulheres e 100 anos para homens.

Conforme já previsto, foram sancionadas as novas regras da lei de aposentadoria que varia progressivamente de acordo com a expectativa de vida da população brasileira.

Já existia uma medida provisória com as novas regras aprovadas pela presidente Dilma Rousseff em maio de 2015.

Após publicada e sancionada no “Diário Oficial da União”, a presidente aposentou o fator previdenciário e criou uma alternativa para a regra de 85/95 anos.

Existia a expectativa que fosse aprovada a possibilidade do aposentado que continuasse trabalhando efetuar um novo cálculo do benefício, chamado de “desaposentação” ou “desaposentadoria”, porém o artigo foi vetado. A justificativa foi que essa possibilidade fosse aprovada geraria um déficit de 70 bilhões de reais à Previdência Social.

A antiga regra de 85/95 consistia que mulheres precisariam de 85 anos somando a idade com o tempo de contribuição e 95 anos a soma para os homens.

Com a nova fórmula ocorrerá um aumento gradativo no total da soma até que se chegue à soma de 90 anos para mulheres e 100 anos para homens. Será acrescido 1 ano ao total da soma de idade e tempo de contribuição a cada 2 anos.

A partir do dia 31 de dezembro de 2018 a soma sobe para 86/96 anos, em 31 de dezembro de 2020 o total fica em 87 anos para mulheres e 97 anos para homens. Após 2 anos, em 31 de dezembro de 2022 é acrescido mais 1 ano a soma da idade com o tempo de contribuição, totalizando 88 e 98 anos. Em 31 de dezembro de 2024 sobe para 89 anos para mulheres e 99 anos para homens. Finalizando a graduação em 31 de dezembro de 2026, chegando aos 90 anos para mulheres e 100 anos para homens.

Resumindo a explicação, em um período de 8 anos compreendidos entre 2018 e 2026 a soma do tempo de contribuição com a idade passará de 85 anos para mulheres e 95 anos para homens, para 90 anos para mulheres e 100 anos para homens.

Por Jean Fretta Pereira

Aposentadoria



Senado aprovou novas regras para a aposentadoria


Novas regras sugerem mudanças na maneira de calcular os benefícios e na tabela progressiva.

O Senado aprovou novas regras para a aposentadoria. Com esse novo projeto, o aposentado que contribuir por mais 5 anos poderá recalcular seus benefícios se estiver trabalhando ou voltar para o trabalho.

O Governo, por seu turno, não é a favor dessa ideia, pois acredita que isso vai causar um grande gasto para a Previdência Social.

Também foi aprovada a medida da tabela progressiva, isto é, uma tabela feita para os aposentados poderem ganhar o máximo em aposentadoria, que é o valor de R$ 4,6 mil. Fazendo os cálculos, o fato é que os homens terão a idade de 95 e as mulheres de 85. Essas são mudanças importantes, pois se trata de um projeto, de uma medida diferente.

Os aposentados, em sua maioria, esperam que tais medidas sejam aprovadas. Essa lei, por sua vez, já está gerando uma série de debates. Será que isso vai ser positivo ou não?

O fato é que a medida foi aceita pelo Senado, mas isso ainda não significa que o projeto vai vigorar. Isso porque ele vai ter de ser passado para a Presidente Dilma Rousseff que, vale falar, irá aprovar ou não essa medida. Os textos vão ser lidos pela Dilma que, a partir de sua análise, deverá sancionar ou vetar essas novas regras em termos de aposentadoria. A questão é que alguns especialistas acham que essa é uma boa atitude, além de justa para os aposentados contribuintes. Outros afirmam que não vai ser tão positivo, pois isso pode causar um gasto de R$ 20 bilhões nos próximos anos para a previdência.

Agora só nos resta ver o que vem por aí.

Por Madson Lima de Oliveira

Aposentadoria



Tipos de aposentadoria – Como escolher a melhor?


A nova regra para a aposentadoria não substitui as alternativas anteriores. Cada caso deve ser avaliado para saber o tipo ideal para o trabalhador.

Com as novas regras para aposentadoria, algumas pessoas podem se sentir perdidas ao escolher o tipo certo de aposentadoria. A possibilidade de se aposentar mais cedo tem deixado muitos brasileiros empolgados, mas é necessário que cada caso seja analisado individualmente, para evitar surpresas na hora de receber o benefício.

A nova regra chamada popularmente de 85/95 é uma alternativa, mas não substitui as alternativas já válidas anteriormente, alertam os especialistas.

Saiba qual a aposentadoria ideal para você:

1 –      Pessoas que começaram a contribuir cedo:

Vamos analisar o caso de um homem que já tem 35 anos de contribuição e tem a idade de 55 anos. Pela nova fórmula (85/95) ele pode perfeitamente se aposentar com a idade de 55 anos já com seu salário integral, o que pode ser bem vantajoso.

2 –      Pessoas que se começaram a contribuir mais tarde:

Analisemos agora, o caso de um homem que começou a trabalhar aos 30 anos, e tem 55 anos atualmente.  Pelos cálculos, seu tempo de contribuição é de 25 anos, e quando somado com a sua idade não dará a soma mínima. Neste caso, o melhor a fazer é esperar mais dez anos, para se aposentar por idade e com o valor total de seu benefício, sob o risco de cair no fator previdenciário

3 –      O que é o fator previdenciário?

O fator foi criado para evitar que muitas pessoas se aposentem muito jovens, contando apenas com o tempo de serviço. Quanto mais jovem o trabalhador se aposentar, menor sua aposentadoria. Porém, quem contribuiu por mais tempo pode até mesmo ganhar mais do que a sua aposentadoria integral. Atualmente, o cálculo do fator é feito levando em conta quatro elementos básicos: a alíquota de contribuição, a idade do contribuinte, o seu tempo de contribuição e também sua expectativa de vida.

A decisão por qual aposentadoria escolher, vai depender destes fatores, e somente o contribuinte pode escolher o que é melhor para ele. Cada caso é diferente de outro.

Por Patrícia Generoso

Aposentadoria



Aposentadoria – Tipos e Vantagens de Cada Uma


Confira aqui mais informações sobre os tipos de aposentadoria e as vantagens de cada uma.

Escolher o tipo certo de aposentadoria não é fácil. Existem atualmente quatro opções de aposentadoria (por Tempo de Contribuição, por Invalidez, por Idade e Especial) e um total de seis cálculos diferentes. Antes de decidir se aposentar, é preciso conhecer cada um dos tipos de aposentadoria para ter noção de suas vantagens e desvantagens. Somente assim será possível saber qual a melhor opção para você. Dito isso, confira abaixo mais detalhes sobre os principais tipos de aposentadoria e suas vantagens e desvantagens:

Fator 85/95 ou Aposentadoria por Idade?

É possível se aposentar com alguns anos a menos ou esperar mais algum tempo para se aposentar, tudo vai depender do seu tempo de contribuição, idade e sexo.

Por exemplo, um homem com 55 anos de idade e que já contribuiu durante 35 anos, não pode se aposentar esse ano, pois ainda não chegou a idade mínima (65 anos) e nem ao tempo mínimo de contribuição segundo a nova fórmula (90 anos), que considera a soma do tempo de contribuição previdenciária e a idade. 

Uma das formas desse trabalhador ganhar o salário integral ao se aposentar é esperar 6 anos pelo fator previdenciário, 10 anos pela aposentadoria por idade mínima ou 3 anos pela nova fórmula. Dessa forma, é notável que a nova fórmula oferece mais vantagens a esse trabalhador.

As vantagens do Fator Previdenciário:

Os trabalhadores mais jovens ganham menos com o fator previdenciário, já que este gera um desconto para os trabalhadores que contribuíram por menos tempo para a Previdência. Já os trabalhadores que são mais velhos e já contribuíram por mais tempo com a Previdência, podem receber até um valor maior do que a aposentadoria integral, tudo isso levando em conta a idade do contribuinte, sua expectativa de vida, o tempo de contribuição e um multiplicador matemático de 0,31.

A Aposentadoria por Idade:

Quem começou no mercado de trabalho mais tarde se beneficiará muito mais com a aposentadoria por idade mínima. Um exemplo prático é o seguinte: Se uma mulher resolver se aposentar com a idade mínima, que é de 60 anos, mesmo tendo somente 15 anos de contribuição e tiver expectativa de uma aposentadoria integral de R$ 3.000, se aposentará com um salário de R$ 2.550, salário referente a 85% do valor integral.

A opção da aposentadoria por idade é muito mais vantajosa que as outras opções de aposentadoria para essa mulher, visto que ela não tem o tempo mínimo de contribuição, que é de 30 anos no caso das mulheres e não tem os 85 pontos necessários pelo Fator Previdenciário para se aposentar integralmente, nem ao menos possui a soma de idade+contribuição, criada pela nova regra da Previdência. Nesses últimos três casos, a mulher teria que trabalhar alguns anos a mais, para receber um salário integral.

Portanto, cada caso deve ser analisado com muito cuidado e somente o trabalhador deve decidir qual a melhor fórmula de aposentadoria e qual mais se adapta aos seus anseios financeiros e pessoais.

Para obter mais informações sobre a Aposentadoria, acesse o site oficial do Ministério da Previdência Social: www.previdencia.gov.br.

Por Patrícia Generoso



Governo baseia aposentadoria em cálculos imprevisíveis e recebe processos


O fator previdenciário, criado em 1999, introduziu uma fórmula que baseia-se na revisão anual feita pelo IBGE da expectativa de vida dos brasileiros, o que causa um contínuo aumento da idade mínima para a obtenção do valor integral para a aposentadoria.

Basta observar que tal índice fornecido está no divisor da fórmula, o que demonstra matematicamente que, quanto maior a idade, menor o quociente. Como esse índice é fornecido pelo IBGE, quem vai se aposentar não consegue ter um cálculo decisivo para o valor a receber, pois o órgão informa que tal expectativa é variável.

Tende-se, por esta razão, desestimular a aposentadoria precoce, evitando mais gastos para a Previdência Social. Segundo a estimativa mais recente do Ministério da Previdência Social, entre 2000 e 2012, a redução das despesas com o fator foi de R$ 42,7 bilhões.

Em um dos processos tramitados na Justiça Federal de São Paulo, o juiz federal Marcus Orione Gonçalves Correia, da 1ª Vara Federal Previdenciária, em São Paulo, aceitou argumento de ação movida por segurado contra o INSS, que considerou inconstitucional o fato de o redutor utilizar elementos de cálculos imprevisíveis.

Entidades representativas de aposentados e pensionistas se esforçam para consolidar ações que questionam o fator previdenciário no cálculo das aposentadorias. Só o Sindicato Nacional da Força Sindical já entrou com 1 milhão de processos na Justiça.

Se pesquisarmos no Google: "AVAAZ FATOR PREVIDENCIÁRIO", os quatro primeiros ítens resultantes referem-se a um site onde pode-se assinar uma petição contra o fator previdenciário.

Assim, vemos a insatisfação da população para com essa medida e, do outro lado, a satisfação do Governo Federal pela economia gerada com a aplicação de tal fórmula.

Entretanto, as autoridades estão muito longe da realidade, principalmente com relação às possibilidades de estar empregado após os 40 anos de idade, manter-se uma saúde equilibrada com a aposentadoria, haja visto o custo de vida, ter um plano de saúde particular, utilizar-se de medicamentos por vezes de uso contínuo, ainda mais se não forem distribuídos pelo SUS ou se forem, ter em estoque.

Só nos cabe exigir das autoridades menos corrupção e mais administração, ou então, ouvirmos Noel Rosa e ter saudades da paulicéia de outrora.

Por Francisco Sanches de Aguiar



STF irá julgar recurso do INSS sobre concessão de aposentadoria especial


Mais uma importante página na vida dos trabalhadores brasileiros começa a ser escrita nesta semana, pois o STF (Superior Tribunal Federal) discutirá e julgará nesta semana sobre o recurso do INSS sobre a concessão de aposentadoria especial.

O referido recurso visa à diminuição da concessão de aposentadoria especial, pois o INSS alega que a utilização de EPIs (Equipamento de Proteção Individual) ajuda a amenizar ou extingue por completo a exposição do trabalhador no contato com agentes nocivos à saúde durante o expediente de trabalho.

A aposentadoria especial é um direito adquirido de trabalhadores que passam praticamente a vida profissional inteira expostos a agentes químicos ou em condições ambientais ou industriais prejudiciais à saúde, direito que beneficia o trabalhador de se aposentar de sua atividade com menos tempo de trabalho, podendo ser de 15, 20 ou 25 anos de contribuição, ao contrário dos 35 anos de contribuição, referidos a maioria das atividades profissionais comuns.

A principal discussão no Supremo Tribunal Federal será sobre a eficácia dos Equipamentos de Proteção Individual e se as empresas que fornecem os equipamentos, se fornecem os mesmos padronizados com as exigências do Inmetro.

O senador Paulo Paim (PT-RS) se mostrou favorável a uma decisão do Supremo que não prejudique os trabalhadores e que o direito de aposentadoria especial continue a ser julgado como benefício aos trabalhadores que passam suas vidas profissionais expostos a riscos de saúde.

“Eu espero que a decisão do Supremo seja na linha de assegurar que o EPI tem que ser usado. E o equipamento de segurança é uma medida que ajuda a diminuir o prejuízo, mas nem por isso vai fazer que o trabalhador, que usa corretamente o equipamento, perca direito a aposentadoria especial e os adicionais” – afirmou Paulo Paim.

O fato é que uma decisão favorável ao INSS causará uma imensa polêmica entre os trabalhadores e seus respectivos sindicatos, pois a aposentadoria especial é um benefício adquirido pelos trabalhadores após anos de lutas e reinvindicações.

Por Rodrigo da Silva Monteiro



Dúvidas entre a equiparação do salário mínimo e a aposentadoria


Em época eleitoral muitas promessas são feitas. Uma delas, e que deixa muita gente confusa, é em relação ao salário mínimo. Isso leva a outras dúvidas frequentes como a equiparação salarial em relação à inflação e coisas parecidas, mas a verdade é que milhares de aposentados e pensionistas do Brasil não têm essa equiparação igual ao do salário mínimo.

Quem recebe mais de um salário geralmente tem um aumento sempre menor o que o faz perder ao longo dos anos o poder de compra atrapalhando as finanças e não sendo correspondido de acordo com tudo aquilo que o mesmo contribuiu por toda a vida.

O processo de desaposentação também é outro ponto pouco divulgado que gera muitas dúvidas e que muito se quer sabem do que se trata. A advogada Melissa Folmann, que é especialista em Direito Previdenciário, explica que tal processo é uma renúncia da atual aposentadoria, para que no futuro próximo o indivíduo possa se aposentar de forma mais vantajosa. Como, por exemplo, um trabalhador que se aposentou por tempo de contribuição e não por idade e continuou a trabalhar e a contribuir para o INSS, dessa forma no futuro ele pode pedir a desaposentação quando atingir a idade suficiente para na sequência solicitar novamente a aposentadoria onde seriam contemplados tanto o período de contribuição já citado quanto, nesse momento, a idade ideal.

Em relação à estabilidade para profissionais que estão próximos da aposentadoria, Melissa explica que se faltar até 12 meses para o trabalhador efetivamente se aposentar, ele entra no período de pré-estabilidade, isso pode variar de acordo com a categoria profissional do trabalhador, mas de forma geral um ano é o período que garante a segurança da estabilidade.

Ainda devido à época das eleições, Melissa alerta que ninguém precisa se preocupar se não puder votar, basta não deixar de se justificar. Quem for aposentado por invalidez, por exemplo, a advogada esclarece que não há vínculo entre o direito à cidadania, que é o seu direito/dever ao voto, e a aposentadoria por invalidez. Porém, ela alerta que o aposentado por invalidez não pode deixar nunca de comparecer ao INSS quando convocado para recadastramento, que é uma outra questão, isso sim pode prejudicar e até cancelar a aposentadoria.

Por Vivian Schetini



Aumento da expectativa de vida muda cálculo do fator previdenciário


O IBGE divulgou, nesta sexta-feira – dia 30 de novembro de 2012 – o aumento da expectativa de vida dos brasileiros que tendem a viver 74 anos e 29 dias, sendo este tempo 4 meses maior do que a última estimativa feita pelo instituto.

Este indicador mostra que a qualidade de vida está aumentando no país e todos tendem a ganhar com isso, certo? Todos menos os cofres da Previdência Social.

E por isso começou a valer a partir do dia 03 de dezembro de 2012 o novo cálculo do fator previdenciário para a concessão de aposentadoria.

O objetivo desta mudança é evitar aposentadorias precoces que podem causar um grande rombo nas contas da previdência no Brasil.

Por isso, a partir de agora aqueles que se aposentarem com idade entre 45 e 48 anos terão um benefício menor já que esta faixa etária teve um aumento na expectativa de vida, os trabalhadores com idade entre 55 e 65 anos terão um benefício maior, pois houve uma redução na expectativa de vida nestas idades.



Extinção do Fator Previdenciário – Votação na Câmara dos Deputados


Um assunto bastante relevante para a vida de trabalho de todos os brasileiros vai começar a ser discutido na Câmara dos Deputados: o fim do Fator Previdenciário.

O Fator Previdenciário consiste em um cálculo criado no ano de 2000 e que considera para efeito de concessão do benefício da aposentadoria os fatores de idade, tempo de contribuição e expectativa de vida do trabalhador. Nesta dinâmica quanto menor for a idade em que o interessado se aposentar, maior será o valor atribuído ao fator previdenciário e, por conseqüência, menor será o benefício concedido.

Assim, o uso do Fator Previdenciário tem como principal objetivo evitar aposentadorias precoces de profissionais que ainda possuem capacidade de produção, ou seja, estes trabalhadores podem se aposentar, mas perdem cerca de 40% do valor possível de seu benefício por esta escolha.

É com toda esta característica polêmica que se pretende votar um projeto na Câmara que prevê a extinção do uso do Fator Previdenciário para os cálculos de aposentadorias no Brasil.

A previsão inicial é de que, segundo Marco Maia (PT-RS) presidente da Câmara dos Deputados, esta matéria controversa entre em discussão nesta casa legislativa na próxima semana.

No entanto, a entrada do projeto do Fator Previdenciário na pauta de votações ainda depende da efetivação de acordos com deputados da base aliada do governo que temem o impacto financeiro desta medida nos gastos da Previdência Social, pois os valores de milhares de aposentadorias serão maiores do que os concedidos atualmente.

A idéia principal, ainda conforme Marco Mais, é votar o fim do fator previdenciário de comum acordo com o governo para, com isso, evitar possíveis vetos à matéria pela Presidência da República garantindo um aproveitamento imediato desta situação pelos trabalhadores brasileiros.

Por Ana Camila Neves Morais



Aposentados – Aumento Real de Salário – PSDB


O ambiente eleitoral do Brasil é instável, mensurou há pouco tempo o veículo de comunicação The Economist. Seu posicionamento não foi um dos mais errôneos, é certo, pois diariamente novas informações envolvendo situações embaraçosas tanto de Dilma Rousseff (PT) quanto de José Serra (PSDB) tornam imprevisíveis qualquer definição, mesmo pesquisas de intenções de votos indicando vantagem para a ex-ministra da Casa Civil.

Carlos Lupi, ministro do Trabalho e Emprego, criticou o tucano ao avaliar ser inviável o reajuste salarial prometido de R$ 600, pois para tal feito seriam necessárias mudanças de algumas das diretrizes do atual governo, gerido por Luiz Inácio Lula da Silva.

Corroborando com o discurso de Lupi, Carlos Eduardo Gabas, ministro da Previdência, afirmou saber o que o Partido da Social Democracia Brasileira fez com a Previdência e diz ter a certeza de que o anunciado não procede no concernente ao reajuste de 10% prometido aos aposentados e pensionistas do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS).

Em proveito de entrevista concedida a jornalistas, segundo o Estadão, Gabas assegurou que no período em que o tucanato esteve à frente do poder federal a classe dos aposentados não conseguiu aumento real de salário (percentual superior ao índice da inflação).

Gabas assinala que o presidente Lula só debaterá o tema de reajuste do salário mínimo e demais temas com seu sucessor, obviamente após o último dia deste mês.

Por Luiz Felipe T. Erdei



Leitores Biométricos – Facilidade para Aposentados


Aos poucos os aposentados e pensionistas do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) asseguram cada vez mais seus direitos. Desta vez, um recurso interessante do Bradesco, singularmente, deverá prolongar a paciência – e por que não a vida? – de cada um dos segurados.

Como todos os correntistas podem observar diariamente, em cada agência do banco existem caixas com leitores biométricos que fazem uso de leitura da palma da mão para reconhecer o titular da conta. Informações emitidas pelo Estadão asseguram que a recente tecnologia permitirá o aposentado movimentar seus valores sem, ao final de cada ano, ter de apresentar uma série de documentações para comprovar que está vivo, em conformidade com deliberações do INSS.

Renan Mascarenhas, diretor responsável pela esfera de setor público da instituição financeira, assegura que por meio dessa medida fraudes serão evitadas, responsabilidade altíssima se for considerada os quase 6 milhões de beneficiários e pensionistas que fazem uso do Bradesco para receber o benefício.

Futuramente, revela Mascarenhas, o banco poderá eliminar a digitação de senhas mesmo às pessoas que já são cadastradas no sistema de leitura da palma da mão -considerado altamente seguro.

Por Luiz Felipe T. Erdei



Aposentadoria – INSS irá enviar Comunicado aos novos Beneficiários


A jornada de trabalho implica na necessidade do cidadão, em qualquer parte do mundo, conquistar seu salário para pagar contas, adquirir bens e, em alguns casos, viajar. Após muitos e devidos anos de serviço no Brasil, por exemplo, a pessoa adquire o direito de se aposentar, situação pela qual, dependo das atividades ao longo da trajetória, pode manter bom padrão de vida.

Nos próximos dias, os trabalhadores urbanos que por ventura já possuem diretrizes para entrar com pedido de aposentadoria por idade receberão cartas do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS), correspondência enviada como lembrete ao cidadão, o qual, no mês de seu aniversário poderá requerer acesso ao benefício.

Quase 1,4 mil cartas serão emitidas a pessoas com 65 anos de idade, no caso dos homens, e 60 anos, para mulheres. De acordo com a Folha UOL, a correspondência agrega um código de segurança para o novo segurado atestar sua autenticidade. No caso de haver dúvidas com relação à comprobação, o aposentado pode entrar em contato a Previdência por meio deste link www.previdencia.org.br ou através da Central 135.

Por Luiz Felipe T. Erdei



Desaposentadoria – Brasileiros entram na justiça para Não receber Aposentadoria


Essa com certeza é uma noticia inusitada. Brasileiros recorrem à justiça, e o motivo a principio é no mínimo curioso. A reinvidicação é pelo direito de NÃO receber a aposentadoria do INSS. Isso mesmo: O brasileiro está abrindo mão de receber sua aposentadoria.

A “desaposentadoria” consiste no fato de muitos aposentados ainda estarem trabalhando, portanto, ainda contribuem para a previdência. Mas calma, o trabalhador não é bobo não, nem está querendo fazer favor para a previdência. O que ocorre, é que quanto mais se trabalha e mais se acumula anos de prestação de serviço, maior o valor do benefício a receber, portanto o que o trabalhador quer é desistir da aposentadoria antiga e pedir uma nova.

Ah bom, explicando assim até dá pra entender, enquanto isso, cresce o índice – cerca de 15 mil ações na justiça – com pedido de desaposentadoria, isso só em São Paulo-SP. De acordo com o IBGE existem no país cerca de 19,6 milhões de aposentados que continuam trabalhando. Esta realidade nada mais é do que mais um reflexo do aumento da população de idosos hoje no país. Sabe-se que os idosos estão vivendo mais e melhor a cada dia, portanto não é difícil de se deduzir que haja uma tendência neste sentido.

Por: Lílian Jeane Oliveira



Tipos de Aposentadoria – Dicas na Hora da Escolha


Já está pensando em se aposentar? Conheça os tipos de previdência privada que melhor se encaixam no seu perfil. Se faltam mais de dez anos para você se aposentar, os bancos e seguradoras oferecem planos privados de aposentadoria.

Agora se faltam menos de dez anos, prefira investir em ações, títulos do governo, CDB ou caderneta de poupança. Para quem é assalariado e quem vive da renda de aluguel recomenda-se o plano de aposentadoria PGBL.

Quem é sócio de empresas, ou profissional liberal deve optar pelo VGBL. Já quem é disciplinado e não irá sacar o dinheiro antes da hora, pode utilizar uma carteira própria.

Economistas avisam, que quando chegar a hora de você se aposentar prefira sacar o dinheiro todo, ao invés de fazer saques esporádicos. Isso porque se você morrer seu dinheiro não poderá ser sacado por seus herdeiros, ele voltará ao banco. Em todos os casos, lembre-se de conversar com seu gerente, ele poderá te indicar o melhor plano de aposentadoria.

Fonte UOL

Por Fernanda Peixoto



Reajuste para Aposentados deve criar Corte Orçamentário


O reajuste de 7,72% aos aposentados que possuem remuneração mensal superior a um salário mínimo (R$ 510) foi confirmado na última terça-feira, 15 de junho, por Luiz Inácio Lula da Silva, presidente do Brasil. Embora advertido sobre o previsível aumento de gastos superior a R$ 1,6 bilhão anuais por sua equipe econômica, o líder do país determinou essa medida, votada no princípio de maio pela Câmara dos Deputados.

Paulo Bernardo, ministro do Planejamento, assegurou na quarta-feira, 16 de junho, que um corte orçamentário de mesmo valor será feito ainda este ano, tendência a ser seguida também durante 2011. Segundo ele, o aumento afetará outras esferas, mas, nas entrelinhas da reportagem emitida pelo portal de notícias G1, o veto sobre o fim do fator previdenciário pesou na decisão do presidente.

Aos interessados, o corte no Orçamento deverá ocorrer nas emendas de parlamentares e na área de custeio, uma forma de jogar toda a responsabilidade em cima dessa camada. Bernardo pondera, ainda, que para a obtenção de um aumento desses é necessária a previsão de receitas.

Anteriormente, neste mesmo espaço, os custos e riscos foram alertados. A sociedade arcará de alguma maneira com isso. Aos brasileiros resta esperar, porém, nada lá muito avantajado.

Por Luiz Felipe T. Erdei



Lula aprova Aumento para Aposentados – Reajuste Aposentadoria


Os aposentados com benefício superior a um salário mínimo estão atentos quanto à medida que visa reajustar seus salários, por assim dizer, em 7,7% ao invés dos 6,14% propostos no início do ano pelo governo. Luiz Inácio Lula da Silva, presidente do Brasil, tem poucas horas para decidir se veta, ou não, o intento.

Se o governo ratificar o aumento maior aos aposentados, Lula já analisa possibilidades diferenciadas para compensar uma despesa de vários milhares de reais. Carlos Eduardo Gabas, ministro da Previdência, afirmou em reportagem veiculada pelo portal de notícias G1 que o presidente tem ponderado todos os fatores atrelados ao projeto, pois uma decisão implica em consequências diferenciadas entre si.

Uma das cautelas mencionadas é o veto ao fim do fator previdenciário, ato que se combinado ao bloqueio do aumento de 7,7%, poderá beliscar sua imagem para com parte da população brasileira.

Novamente, Lula precisa pensar bastante, juntamente a Guido Mantega, ministro da Fazenda, antes de qualquer definição. O aumento pode acalentar os aposentados durante alguns meses, mas após algum tempo, um retorno em impostos deixará o placar, na linguagem do futebol, empatado.

Fonte G1

Por Luiz Felipe T. Erdei



Reajuste Aposentadoria – Lula ainda não decidiu sobre Aumento para Aposentados


O reajuste de 7,7% aos aposentados com benefícios superiores a um salário mínimo (R$ 510) foi aprovado, há alguns dias, pelo Congresso. Luiz Inácio Lula da Silva, presidente do Brasil, está inclinado a sancionar o aumento, uma vez que o fim do fator previdenciário já foi vetado e que uma dupla situação poderia comprometer sua imagem, relacionada, então, à pré-campanha de Dilma Rousseff (PT), ex-ministra da Casa Civil, à presidência da República.

Paulo Bernardo, ministro do Planejamento, acredita ser bem possível o reajuste anterior de 6,14% aos aposentados, uma vez que esse índice representa a inflação e outros 2,5% de ganhos reais. Até o momento, conforme menção feita durante reportagem do portal de economia do Estadão, o político não sabe dizer se Lula vetará, ou não, o aumento. Dia 15 próximo é a data limite para o presidente decidir.

O governo brasileiro deve ponderar amplamente essa questão, embora aumentos aos políticos em termos causem impactos parecidos nos cofres públicos – e disso eles não abstêm. A população também tem de estar atenta para tudo aquilo que é veiculado em torno de gastos na concessão de uma possível aprovação de 7,7% de aumento. No final, o acréscimo é simplesmente ilusório, pois tudo pode retornar em impostos.

Fonte Estadão

Por Luiz Felipe T. Erdei



Reajuste Aposentadoria – Lula pode aprovar Aumento para Aposentados e Pensionistas


Infindáveis dias foram necessários para o estabelecimento do reajuste de 7,72% aos aposentados que ganham mais de um salário mínimo por mês. Guido Mantega, ministro da Fazenda, sugeriu em várias ocasiões a Luiz Inácio Lula da Silva, presidente do Brasil, vetar o intento e manter o percentual anterior de 6,14%.

Em uma medida mais cautelosa devido a um veto anterior, o presidente do país está inclinado a acatar a decisão votada – em favor – pelo Congresso na semana passada. Carlos Lupi, ministro do Trabalho e Emprego, e Carlos Eduardo Gabas, ministro da Previdência, mostraram seu contentamento com a decisão de Lula.

Apesar de quase certo o acordo, o líder da nação ainda tem mais duas semanas, de acordo com o portal G1 de notícias, para confirmar ou coibir a intenção. Outro ministro favorável ao veto é Paulo Bernardo (Planejamento, Orçamento e Gestão).

Com a quase acertada decisão, a equipe econômica do governo Lula indica que a diferença entre o percentual de 6,14% e o novo, de 7,72%, é de R$ 1,7 bilhão a mais por ano em gastos.

Confira mais detalhes deste artigo aqui.

Por Luiz Felipe T. Erdei



Lula deverá acatar reajuste de 7,7% aos aposentados


Contestado desde seu início, o reajuste de 7,7% aos aposentados que têm remuneração mensal superior a um salário mínimo finalmente foi acordado. Luiz Inácio Lula da Silva, presidente do Brasil, recebeu diversas recomendações de Guido Mantega, ministro da Fazenda, para vetar o alçamento do percentual, pois as contas públicas do país poderiam apresentar desequilíbrio.

Anteriormente, de acordo com o portal de notícias G1, Lula barrou a emenda que elimina o fator previdenciário no país, mas indica, por outro lado, que o líder do país não quer se arriscar ao vetar a fixação do novo índice aos aposentados devido a dois fatores: término de seu mandato e pleito de outubro, no qual Dilma Rousseff (PT), ex-ministra da Casa Civil e pré-candidata, recebe seu integral apoio.

Paulo Pereira da Silva (PDT-SP), deputado e líder da Força Sindical, afirmou que até acolhe a medida de veto ao fim do fator previdenciário, porém, quer que o presidente fixe o reajuste de 7,7% à classe de aposentados.

Se Lula vetasse, também, o projeto de reajuste, provavelmente a oposição poderia usar o episódio como bandeira para derrotar Dilma nas eleições. Realmente, se o líder do país agir desse modo, a petista poderá ter sua imagem desvencilhada à principal bandeira do PT: beneficiar a sociedade e outorgar melhores condições à população.

Por Luiz Felipe T. Erdei



Aprovado aumento de 7,7% aos aposentados


O reajuste aos aposentados teve muitos capítulos nas últimas semanas, pois Luiz Inácio Lula da Silva, presidente do Brasil, e mais algumas autoridades, queriam vetar o percentual de elevação de 7,7% almejado já há algum bom tempo. Em 19 de maio, quinta-feira, o Senado, finalmente, aprovou o aumento.

O governo federal, descontente, estima que a Previdência deverá desembolsar mais de R$ 30 bilhões durante cinco anos caso o projeto convencionado seja convertido em lei. Isso se confirmará, ou não, após a análise do texto pelo presidente Lula, que conta com a opinião nesse sentido de Paulo Bernardo, ministro do Planejamento, uma vez que, segundo ele, o reajuste anterior de 6,14% já traria gasto adicional de R$ 19 bilhões na meia década citada no primeiro parágrafo.

Caberá, agora, uma análise imparcial de Lula. A sensatez, em ano eleitoral, é importantíssima. Os fatos indicam um possível veto do presidente, pois, para ele, não é porque 2010 haverá eleições que medidas eleitoreiras devem ser tomadas sem um mínimo de responsabilidade.

Vamos aguardar.

Por Luiz Felipe T. Erdei

Fonte: G1.



Senado deverá manter reajuste de 7,7% aos aposentados


Os debates em torno do reajuste a aposentados continua. Luiz Inácio Lula da Silva, presidente do Brasil, afirmou, há alguns dias, que pretende limitar o percentual em 6,14%, embora a Câmara dos Deputados tenha aprovado, por meio de Medida Provisória (MP), aumento de 7,7%.

Romero Jucá (PMDB-RR), líder do governo no Senado, assegura que conservará o reajuste com o percentual votado, embora admita existir duas correções a serem feitas no projeto.

Uma delas refere-se ao percentual anterior  (7%), abaixo do preterido em virtude de, durante as negociações, a troca de índices não ter sido alterada para mais na tabela. A segunda correção mencionada são mudanças na emenda que tem por finalidade acabar com o fator previdenciário, o que, segundo Jucá, não é interessante.

O portal de notícias G1 indica que se o texto da MP não for aprovado até 1º de junho, ocasião de seu vencimento, ela perderá sua eficácia e o aumento de 7,7% não será concedido.

Fonte: G1



Reajuste da Aposentadoria – Mantega concorda com veto de Lula


Polêmico desde o princípio das negociatas, o reajuste de 7,7% aos aposentados, embora votado pela Câmara dos Deputados no último dia 4, poderá ser indeferido por Luiz Inácio Lula da Silva, presidente do Brasil. Convergindo com as ideias do líder do país, Guido Mantega, ministro da Fazenda, recomendou ao petista veto ao intento.

Mantega avalia, de acordo com suas experiências frente ao cargo, que a medida, caso aprovada, poderia gerar aumento considerável nos gastos públicos do país, uma vez que o reajuste de 6,14% indicado pelo governo já elevou as despensas em R$ 2 bilhões. Como forma de incentivar o presidente, a liderança do BC relacionou que nos últimos anos os aposentados já receberam aumentos razoáveis.

Em palavras refletidas pelo portal de economia UOL, com base no Valor Online, Mantega afirmou que a nação brasileira é uma das únicas no mundo que concede aumento real à classe – o que é importante –, porém, tem de haver uma demarcação para o não comprometimento do próprio país.

Na data de aprovação pela Câmara dos Deputados, outra medida acordada na ocasião foi o fim do fator previdenciário.

Por Luiz Felipe T. Erdei

Fonte: UOL



Lula poderá vetar aumento de 7,7% aos aposentados


Durante muito tempo a imprensa nacional noticia informações relevantes e pertinentes ao reajuste a aposentados. O governo brasileiro, liderado por Luiz Inácio Lula da Silva, tencionava limitar o aumento em até 6,14% à classe, porém, em 4 de abril, terça-feira, a Câmara dos Deputados aprovou índice de 7,7%, bem acima da intenção do presidente.

Em Buenos Aires, onde recebeu a informação, Lula foi enfático e afirmou que vetará todo o texto, uma vez que, segundo ele, não existe eleição que o faça acatar um percentual altíssimo. Em reportagem divulgada pelo portal dinheiro do Folha UOL, o presidente quer, também, dar fim ao fator previdenciário.

Cândido Vaccarezza (PT-SP), líder do governo na Câmara, avalia que Lula, mesmo que acatasse ao aumento – permitindo, assim, melhor recepção dos aposentados em relação a Dilma Rousseff (PT) e sua pré-candidatura à presidência da República –, não quer, de maneira alguma, tomar medidas eleitoreiras que acarretem prejuízos ao país.

Portanto, o veto deverá vir com toda a certeza se depender do líder do Brasil.

Por Luiz Felipe T. Erdei

Fonte: Folha Uol



Recadastramento INSS – Servidores Públicos Aposentados e Pensionistas


Uma iniciativa recém-divulgada pelo portal dinheiro do UOL, bem como por outros veículos de comunicação, promete acabar com as fraudes ocorridas no INSS, constatadas formal e informalmente na imprensa.

Servidores públicos federais aposentados e pensionistas terão de atualizar, obrigatoriamente, seus dados cadastrais a partir de 10/08/2010. Informações indicam que mais de 700 mil pessoas terão de manter a base de dados da Caixa Econômica Federal e do Banco do Brasil corretas.

Caso o aposentado ou pensionista não efetive a atualização de seus dados, seu nome será publicado em jornal de circulação elevada ou, em última instância, será esquadrinhado por um funcionário do INSS. Se mesmo assim não for localizado, o benefício será interrompido e a reativação dele só ocorrerá mediante novo recadastramento.

Fonte: Folha UOL

Por Luiz Felipe Erdei



Reajuste dos Aposentados – Governo poderá ser mais maleável


Por meio de discurso cauteloso, Paulo Bernardo, ministro do Planejamento, acredita que o governo brasileiro poderá adotar uma postura mais maleável em relação ao reajuste aos aposentados, caso o Legislativo opte por um índice superior a 6,14%, este, vigente desde o primeiro dia de 2010 através de Medida Provisória (MP).

O episódio mais polêmico desse assunto ocorreu quando Luiz Inácio Lula da Silva, presidente do país, afirmou, caso o reajuste ultrapasse o índice fixado anteriormente, que poderia vetar qualquer decisão favorável a percentuais superiores.

Líderes do governo no Congresso pretendem reajustar aposentarias e pensões superiores a um salário mínimo em 7%, o que, segundo outros políticos, poderia comprometer a estrutura econômica do país.

Fonte: Estadão



Dia do Trabalho – Em defesa (nem tanto) dos trabalhadores


Todo ano, quando se aproxima o Dia do Trabalho, os políticos se movimentam para idealizarem medidas que favoreçam os trabalhadores, mesmo que muitas vezes são ações que pouco modificam a situação em que se encontram. Os salários continuam baixos, os impostos altos, as relações de mercado carentes, as diferenças enormes.

Este ano não deu outra. O Governo Federal acena com um aumento de 6,14%. Parece que só o aposentado nota, que isso não chega a fazer qualquer diferença no que ele já perdeu ao longo dos anos em que a aposentadoria está desvinnculada do salário mínimo.

Positivo só a notícia de que o “Paraná foi o primeiro estado brasileiro a ter os direitos dos empregados domésticos reconhecidos em convenção coletiva de trabalho.” Diz notícia divulgada pela Agência Brasil (do governo), no dia 27 de abril. Que os outros estados (e o Governo Federal) sigam o exemplo.

Fontes: Agência Brasil e O Globo

Por Odailson Elmar Spada (oda.spada@gmail.com)



Reajuste na Aposentadoria chega a 6,14%


Foi divulgado nesta sexta-feira, 23 de abril de 2010, que o governo brasileiro decidiu manter em 6,14% o reajuste para os aposentados que recebem acima de um salário mínimo. A decisão parece ter sido tomada pelo governo por não ter havido um consenso por parte do Congresso até o momento.

A maioria dos parlamentares quer que o aumento seja de 7,7%. Mas o presidente Lula disse que, caso o congresso defina por um reajuste maior do que 6,14% ele terá que decidir se vetará ou não a decisão, pois, segundo o presidente, não há como conceder um valor que o governo não tenha como pagar e é preciso verificar se o aumento cabe no orçamento da previdência.

Por Elizabeth Preático



Reajuste para Aposentados e Pensionistas – Lula poderá vetar aumento acima de 6,14%


Um tema polêmico tem suplantado as manchetes dos principais jornais impressos, virtuais e televisivos: reajuste para aposentados e pensionistas. Luiz Inácio Lula da Silva, presidente do Brasil, assegurou no último dia 22, quinta-feira, que vetará um possível acerto acima do que a Previdência Social pode conceder.

Recentemente, o governo brasileiro elaborou uma Medida Provisória (MP) para efetivar reajuste de 6,14% a essa classe que ganha mais de um salário mínimo. Entretanto, parlamentares pretendem aumentar esse índice para 7% ou 7,7%, segundo veiculado pelo portal de economia Terra.

Alexandre Padilha, ministro das Relações Internacionais, assinalou durante a semana que o governo brasileiro até concorda com aumento de 7%. Com o reajuste de 6,14%, a União desembolsaria aproximadamente R$ 6,7 bilhões. Caso seja de 7%, mais de R$ 1,1 bilhão seria incluso nos gastos.

Por Luiz Felipe T. Erdei

Fonte: economia.terra.com.br



Aumento da Aposentadoria é Votada na Câmara dos Deputados


Pode ser votada pela Câmara dos Deputados nesta terça-feira, 13 de abril de 2010, a medida provisória 475, que pretende aumentar o benefício dos aposentados que recebem mais de um salário mínimo, para 6,14%.

O deputado Cândido Vaccarezza é o relator do projeto e disse que não há como o reajuste ser maior do que 7%, visto o governo não teria condições de pagar.

Para ele, o deputado que insistir num valor maior do que 7% estará fazendo demagogia. Alguns deputados e líderes do Senado estão propondo um aumento de 7,7% mas, para Vaccarezza, trata-se de uma questão de responsabilidade do governo, já que não há como dar um reajuste neste valor.

Por Márcia V. L. Galvão



Aposentados sem reajuste em 2011


Se acatada a Medida Provisória 475/2009 (que antevê um reajuste para o próximo ano com base na reposição da inflação de 2010), a queda do PIB brasileiro afetará os pensionistas e aposentados do INSS que ganham mais de um salário mínimo. Em 2011, os beneficiários não receberão ganho legítimo, devido ao PIB do ano passado ter recuado 0,2%.

Para que os aposentados não sejam defasados, vinte e oito emendas da Medida Provisória estão em tramitação, incluindo uma do Senador Paulo Paim.

Infelizmente, é provável que novamente os aposentados saiam perdendo, pois no nosso país, os projetos lesivos às castas de domínio monetário não costumam sair do papel. Prova disso são os constantes cortes nas verbas que deveriam ser destinadas à saúde, educação ou segurança; ironicamente os bens de que a população mais necessita para viver dignamente. Mas torçamos para que a emenda seja sancionada e altere a matéria da referida Medida Provisória.

Fonte: cobap.maquinaweb.com.br


Reajuste Aposentadoria – Governo quer rever Valor


Ainda sem conseguir o apoio da base aliada para a aprovação da medida provisória que trata do reajuste das aposentadorias acima do salário mínimo pagas pela Previdência, o governo pensa em rever os números propostos na MP enviada à câmara.

Inicialmente o governo propusera reposição da inflação do último ano (3,45%) mais ganho real em torno de 50% da variação do PIB (Produto Interno Bruto) de 2008. Esta proposta, em ano eleitoral, desagradou até mesmo a base aliada e temendo a aprovação de um aumento ainda maior, o governo agora quer negociar com a inflação e mais 80% do PIB, embora a base deseje 100% da variação do PIB.

O custo da emenda que prevê o reajuste maior (100% do PIB) seria, conforme assessores técnicos pesquisaram, de R$ 1,8 bilhão. O que alguns parlamentares da base aliada, julgam que seria um impacto viável de ser absorvido pelas contas públicas. A decisão será tomada na segunda quinzena de Abril, até lá se busca um consenso.

Fonte : globo.com/G1 – Ag. Estado



Reunião para Reajustes de Aposentadorias acaba sem Decisão – Previsão de reajuste é de 2,5% em 2010


Como era previsto, a reunião voltada à concessão de reajustes reais aos aposentados e pensionistas da Previdência Social que ganham mais de um salário mínimo terminou, pois, sem uma efetiva decisão. O encontro reuniu líderes dos partidos da base aliada.

Alexandre Padilha, ministro das Relações Institucionais, divulgou a informação de que a avaliação dos líderes será debatida internamente no governo. De acordo com ele, os projetos envoltos à exploração do tão fomentado pré-sal têm, atualmente, prioridade em votações.

Padilha, conforme divulgado pela Agência Estado, não descartou a possibilidade de o governo brasileiro encaminhar ao Congresso Nacional uma Medida Provisória (MP) para acelerar o processo. Mesmo assim, fez questão de mencionar que o percentual de 2,5% de reajuste real para 2010 aos aposentados e pensionistas que ganham mais de um salário mínimo já está definido.

Infelizmente, o discurso do momento para este problema é de que o governo já alcançou seu limite do responsável; não poderá, então, tomar iniciativas que possam impactar os cofres públicos. Talvez, uma boa quantia para as campanhas eleitorais do ano que vem tenham contribuído para o alcance desse “limite”, certo?

Por Luiz Felipe T. Erdei



Medidas Provisórias concedem Reajuste de 6,3% nas Aposentadorias


As Medidas Provisórias (MPs) são o meio mais fácil de obter tempo e trazer à tona propostas que precisam, urgentemente, entrar em vigor. Para tanto, o governo brasileiro começou seus estudos a fim de resolver o impasse criado em relação ao reajuste das aposentadorias.

De acordo com a MP voltada a esse tema, a partir de 1º de janeiro de 2010, aproximadamente 6,3% de reajuste para essa faixa de benefícios pagos pelo Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) poderão ser concedidos.

A proposta de reajuste das aposentadorias foi materializada em um texto elaborado pelo deputado Pepe Vargas, um dos negociadores do Governo com as entidades representativas dos aposentados e com as centrais sindicais, em troca da remoção da lista de votação dos projetos de interesse dos aposentados.

Por Luiz Felipe T. Erdei



José Alencar pede cautela no Reajuste de Aposentadoria


Luiz Inácio Lula da Silva, presidente brasileiro, atualmente está em Londres para tratar assuntos de interesse nacional. Por isso, José Alencar, que passou a representá-lo dentro de nossas fronteiras, articulou, na tarde do dia 5 de novembro, que o parecer de ampliar a todos os previdenciários o reajuste do salário mínimo, já em debate na Câmara, deve levar em consideração o equilíbrio orçamentário. Para ele, seria irresponsável outorgar um aumento sem, antes, fazer balancetes.

Mesmo com esse discurso que, com certeza, não agrada a muitos, Alencar afirma que tudo o que puder ser executado em favor dessas pessoas deve, com certeza, obter uma efetivação. No entanto, o déficit previdenciário, ressalta, provoca insegurança a todos os aposentados.

Atrelado a este assunto, Alencar foi questionado quanto ao esquema do “mensaleiro mineiro”. Para isso, o vice-presidente diz aguardar um julgamento justo, pois sempre foi a favor de investigações austeras.

Por Luiz Felipe T. Erdei



Aumento de idade durante o tempo para aposentar


Dizem que o Brasil está evoluindo, para melhor ou para pior? Com certeza para melhor, o fato de os brasileiros precisarem de mais idade para aposentarem-se não significa um retrocesso.

O fato é que a população brasileira esta se tornando idosa, caminhando para a realidade dos países subdesenvolvidos onde a população é velha e o governo até paga para quem quer procriar, é o que ocorre no velho continente.

Pois para essa realidade, existe muito pouco os que contribuem, a massa jovem da nação, e muito mais os recebedores de aposentadoria, os denominados proventos, realidade que tem seus prós e contras, mas a realidade é eminente.



Reajuste da Aposentadoria – Mudanças nas Regras


O Governo Federal e os Sindicalistas fecharam um acordo para o reajuste do benefícios dos aposentados e pensionistas que ganham mais do que um salário mínimo.

Os aposentados terão um reajuste de 6%, que passa a valer a partir de janeiro de 2010.

Além do reajuste, o acordo prevê algumas mudanças nas regras para se aposentar:

  • Trabalhadores que se aposentam por tempo de contribuição, 35 anos para homens e 30 para mulheres, poderão receber o valor integral ao benefício;
  • Aviso prévio e seguro-desemprego também poderão passar a valer como tempo de contribuição.

Estas medidas terão que passar ainda pelo Congresso para serem aprovadas.

Confira a reportagem exibida pelo Jornal Nacional sobre o assunto:



Portadores de Doenças Graves, Idosos e Deficientes terão Prioridade no Atendimento em Órgãos Públicos


Foi sancionada a Lei nº 12.008, que garante a portadores de doenças graves, pessoas acima de 60 anos e portadores de deficiência física e mental, a prioridade em procedimentos administrativos de órgãos públicos federais e em questões judiciais em geral.

Estas pessoas terão prioridade em casos de devolução do imposto de renda, revisão de aposentadorias, recursos de multas, emissão de passaporte e qualquer pedido feito à administração pública federal. Em casos de doença grave, a prioridade será dada mesmo que a doença tenha sido contraída depois de o processo já ter sido iniciado.



Data Pagamento Benefícios INSS referente ao mês de julho


O Instituto Nacional do Seguro Social inicia no dia 27 de julho o pagamento antecipado dos benefícos, referentes ao mês de julho, de até umsalário mínimo.

Até o dia 7 de agosto serão pagos os benefícios de até um salário mínimo para quem possui cartão com final de 1 a 0 e para quem recebe acima do piso.

Conforme um acordo firmado entre a Previdência e os bancos, os benefícios com final de 1 a 5 no valor de até um salário mínimo devem ser pagos nos últimos cinco dias úteis do mês. Os demais beneficiários continuam recebendo nos cinco primeiros dias do mês.

Confira a tabela do pagamento dos benefícios do INSS:

Final do benefício Data do pagamento
1 27/07/09
2 28/07/09
3 29/07/09
4 30/07/09
5 31/07/09
6 03/08/09
7 04/08/09
8 05/08/09
9 06/08/09
0 07/08/09


Benefícios do INSS – Período de Carência


A Carência do Benefício do INSS é o período que corresponde ao número mínimo de contribuições mensais que o segurado precisa comprovar para ter direito ao benefício previdenciário. O período de carência varia de acordo com o benefício. Confira:

inss



Beneficiários do INSS que ganham mais que um salário mínimo terão aumento


Os beneficiários do INSS (Instituto Nacional do Seguro Social) que recebem aposentadoria, pensão alimentícia ou auxílio-doença, acima de um salário mínimo (R$ 465) terão aumento de 3,64% a partir de fevereiro de 2010.

O reajuste está previsto no projeto da Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO).

Os beneficiários que recebem um salário mínimo deverão ter aumento de 8,9%, ou seja, o piso previdenciário será de R$ 507.

O valor máximo que a Previdência Social paga é de R$ 3.218,90 e passará a valer R$ 3.330,07.

O reajuste dos benefícios leva em conta a inflação acumulada no ano anterior ao rejuste conforme o Índice Nacional de Preços ao Consumidor, medido pelo IBGE.

O Projeto foi aprovado mas ainda precisa ser votado no Congresso Nacional.



Aposentadoria – INSS irá avisar por carta aos trabalhadores que terão direito a se aposentar


O Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) irá informar através de carta enviada á residência dos trabalhadores, quando estes estiverem no direito de se aposentar.

A correspondência será enviada sempre um mês antes do segurando completar a idade mínima para se aposentar por idade (65 anos para homens e 60 anos para mulheres).

As cartas serão enviadas a partir de julho deste ano e constará a quantidade de contribuições que constam no CNIS (Cadastro Nacional de Informações Sociais) e o valor estimado da aposentadoria.

Ao receber a carta, o trabalhador deverá confirmar o seu recebimento no site www.previdenciasocial.gov.br ou através da Central de Atendimento 135 e agendar seu atendimento numa agência da Previdência Social para dar entrada no seu benefício.

Para receber a correspondência é importante que o trabalhador mantenha o seu cadastro atualizado. Ligue para a Central 135 e agende um dia para efetuar a atualização do seu cadastro em uma agência da Previdência Social.



Como se planejar para a Aposentadoria e se adaptar a esta nova rotina


Após anos dedicados ao trabalho, chega o momento de se aposentar. O que para uns é motivo de alegrias, para muitos esta nova fase pode gerar alguns problemas de adaptação.

O aumento do tempo livre, rendas menores, isso pode fazer com que trabalhadores que acabaram de se aposentar fiquem depressivos e se sintam inúteis.

Confira algumas dicas importantes de como se planejar para a sua aposentadoria e se adaptar a esta nova rotina:



Aposentadoria em 30 minutos? Essa realidade ainda está distante para alguns trabalhadores


A promessa do Ministério da Previdência Social de que a aposentadoria deveria sair em 30 minutos ainda está um pouco difícil de decolar. O serviço já está funcionando desde o início de janeiro, mas ainda não é todo mundo que consegue a agilidade na concessão de sua aposentadoria.

Em agências do INSS, Instituto Nacional do Seguro Social,  a principal reclamação é que o cadastro do INSS aida está defasado, dificultando a comprovação dos anos trabalhados.

O especialista em direito previdenciário,  Hélio Gustavo Alves afirma: “São poucos os segurados que vão conseguir a aposentadoria concedida em 30 minutos porque a Previdência não tem seu cadastro das contribuições do segurado em dia”. 

Veja abaixo a reportagem do Bom dia Brasil sobre o assunto:



Trabalhador que tem direito a aposentadoria será informado pela Previdência


O Presidente Luis Inácio Lula da Silva informou que a partir de junho de 2009, todo o trabalhador que já possuir tempo de trabalho ou idade para se aposentar será informado pela Previdência Social do benefício. 

Sendo informado do direito, o trabalhador poderá escolher se quer ou não se aposentar

Lembrando que agora o trabalhador não precisa mais esperar tanto tempo para receber a concessão da aposentadoria, a Previdência Social concede o benefício por tempo de serviço em até 30 minutos



Aposentadoria – Conheça os seus direitos


Veja aqui os tipos de aposentadoria:

Para se aposentar por idade, o trabalhador deverá ter 65 anos(homens) e 60 anos (mulheres).

A aposentadoria por tempo de contribuição é um direito de todo o trabalhador. Neste caso não é considerado a idade e sim o tempo de contribuição de 30 anos para mulheres e 35 anos para homens;

Calcule aqui o seu tempo de contribuição.

A aposentadoria proporcional é concedida quando o trabalhador deseja se aposentar antes do tempo mínimo exigido por lei, porém o benefício recebido não é integral;

A aposentadoria por invalidez é quando um trabalhador possui uma doença ou se acidenta, ficando impossibilitado de executar as suas funções ou qualquer outro tipo de atividade;

Aposentadoria especial é consedida ao trabalhador que trabalhou em atividades perigosas, penosas e insalubres;

A aposentadoria para professores exige um tempo de contrinuição menor: 30 anos para homem ou 25 anos para mulher;

Estrangeiro domiciliado no Brasil também poderá se aposentar, desde que seu país de origem tenha acordo internacional de previdência com o Brasil;

A aposentadoria para servidor público segue um regime especial;

Aposentadoria compulsória é quando esta não é da vontade do trabalhador, ou seja, quando este complete 70 anos (homem0 e 65 anos (mulher), a empresa onde ele trabalha poderá requerer a aposentadoria por idade;

Trabalhadores do campo também podem requerir a aposentadoria por idade aos 60 anos (homem) e 55 anos (mulher).

Confira outros Benefícios:

  • Amparo aos idoso e ao deficiente – é um benefício assistencial concedido a idosos e portadores de deficiência, que não consigam prover a própria subssistência;
  • Pensão por morte – é paga aos dependentes do trabalhador que vir a falecer. O valor da pensão é 100% o valor da aposentadoria que o falecido teria direiro de receber se estivesse vivo;
  • Auxílio doença – se o trabalhador fica afastado por 15 dias consecutivos ou mais por algum motivo de doença poderá receber do INSS este auxílio;
  • Auxílio acidente – é um benefício de caráter indenizatório, pago ao trabalhador que se acidente e fique incapacitado para a realização do seu trabalho habitual;
  • Auxílio reclusão –  benefício concedido pelo INSS para garantir o sustento dos dependentes carentes do segurado que for preso.


Chega de fila! INSS agora concede aposentadoria e salário-maternidade em até 30 minutos


A Previdência Social informou que pedidos de aposentadoria e salário-maternidade deverão ser concedidos em até 30 minutos.

Isto se deve graças ao cadastro informatizado dos trabalhadores, que terão seus direitos reconhecidos automaticamente, a partir ampliação da base de dados do Cadastro Nacional de Informações Sociais (CNIS). É ela que possui todos os comprovantes para conceder a aposentadoria ao trabalhador.  

Antes, o trabalhador precisava apresentar uma série de documentos que comprovavam o seu tempo de serviço, e o processo não durava menos do que um ano para ser apurado. Hoje, o trabalhador já pode conseguir seus direitos apresentando apenas  a carteira de identidade.

 O trabalhador deverá agendar antecipadamanete seu atendimento em qualquer posto do INSS, através do telefone 135 ou via internet no site www.previdencia.gov.br e, segundo José Pimentel, ministro da Previdência, não haverá riscos de congestionamento nos agendamentos.