Novo Salário Mínimo de São Paulo é aprovado – Valores

1 estrela2 estrelas3 estrelas4 estrelas5 estrelas6 estrelas7 estrelas8 estrelas9 estrelas10 estrelas (1 votos, média: 10,00 de 10)

     





Entra hoje (01) em vigor o novo salário mínimo do estado de São Paulo. São quase 8 milhões de trabalhadores beneficiados que deverão receber os novos valores no início do mês de abril.

Geraldo Alckmin, que é governador paulista e autor do projeto, deve sancionar o mesmo na semana que vem. O projeto visa o aumento das três faixas do piso regional e foi aprovado na terça-feira (28) na Assembleia Legislativa.

As três faixas salariais do piso regional variam conforme a ocupação do trabalhador. Na primeira faixa o aumento é de 15%, indo de R$ 600 para R$ 690.

Já na segunda, o valor é elevado de R$ 620 para R$ 700. Na última faixa do piso regional, a remuneração sobre de R$ 620 para R$ 710.

O reajuste em 2011 aconteceu no mês de abril. Para este ano, o governo paulista antecipou o mesmo em um mês.

A previsão é que em 2013, benefício entre em vigor em fevereiro. No ano de 2014, o reajuste deve acontecer já no dia 01 de janeiro.

Confira abaixo as três categorias do piso regional de São Paulo - 

Remuneração Categorias dos trabalhadores
R$ 690 trabalhadores domésticos, serventes, trabalhadores agropecuários e florestais, pescadores, contínuos, mensageiros e trabalhadores de serviços de limpeza e conservação, trabalhadores de serviços de manutenção de áreas verdes e de logradouros públicos, auxiliares de serviços gerais de escritório, empregados não especializados do comércio, da indústria e de serviços administrativos, cumins, “barboys”, lavadeiros, ascensoristas, “motoboys”, trabalhadores de movimentação e manipulação de mercadorias e materiais e trabalhadores não especializados de minas e pedreiras
R$ 700 operadores de máquinas e implementos agrícolas e florestais, de máquinas da construção civil, de mineração e de cortar e lavrar madeira, classificadores de correspondência e carteiros, tintureiros, barbeiros, cabeleireiros, manicures e pedicures, dedetizadores, vendedores, trabalhadores de costura e estofadores, pedreiros, trabalhadores de preparação de alimentos e bebidas, de fabricação e confecção de papel e papelão, trabalhadores em serviços de proteção e segurança pessoal e patrimonial, trabalhadores de serviços de turismo e hospedagem, garçons, cobradores de transportes coletivos, “barmen”, pintores, encanadores, soldadores, chapeadores, montadores de estruturas metálicas, vidreiros e ceramistas, fiandeiros, tecelões, tingidores, trabalhadores de curtimento, joalheiros, ourives, operadores de máquinas de escritório, datilógrafos, digitadores, telefonistas, operadores de telefone e de “telemarketing”, atendentes e comissários de serviços de transporte de passageiros, trabalhadores de redes de energia e de telecomunicações, mestres e contramestres, marceneiros, trabalhadores em usinagem de metais, ajustadores mecânicos, montadores de máquinas, operadores de instalações de processamento químico e supervisores de produção e manutenção industrial
R$ 710 administradores agropecuários e florestais, trabalhadores de serviços de higiene e saúde, chefes de serviços de transportes e de comunicações, supervisores de compras e de vendas, agentes técnicos em vendas e representantes comerciais, operadores de estação de rádio e de estação de televisão, de equipamentos de sonorização e de projeção cinematográfica

Participe! Deixe um comentário sobre esta matéria.

Comentários

  1. Nilce Margareth França Barros escreveu:

    Quis dizer “paga”

  2. Nilce Margareth França Barros escreveu:

    Interesse esse Governo do Estado de São Paulo, hein? dita valores de salário mínimo para categoria profissionais, mas pega menos que um salário mínimo federal para seus trabalhadores. Os vencimentos de meu pai (aposentado do Estado) chega a R$ 1.090,00 graças aos benefícios do tempo de serviço. Mas o valor contratual é inferior a R$ 500,00. Santos/SP

Quer realizar um comentário?

*





RSS RSS (comentáos)